Nada é totalmente novo no Baixo Parnaíba Maranhense : Santa Rosa dos Garretos e o Movimento Mundial pelas Florestas

Por Mayron Régis, em 

Zequinha, morador da comunidade de Santa Rosa dos Garretos, município de Urbano Santos, presidia a associação do povoado na época do conflito entre os moradores e a família Garreto que, utilizando-se de pistoleiros, planejava expulsar quem morava na Santa Rosa para em seguida vender a propriedade para a Suzano Papel e Celulose.

O Nego Garreto, patriarca da família, estabelecera uma fama de violento naquele setor entre Urbano Santos, Anapurus, Santa Quiteria e Chapadinha na hora do trato com as comunidades. A maioria das comunidades passou por ou tomou conhecimento de algum confronto com o Nego Garreto por questões de terra. Os confrontos, é claro, ficavam restritos às comunidades que não dispunham de qualquer assistência por parte do Estado.

O Nego Garreto vendeu para a Margusa/Marflora, sem precisar de qualquer tipo de documentação e sem que ninguém pusesse os pés contra a parede, estirões de Chapada que, anos mais tarde, seriam repassadas para a Paineiras, subsidiaria da Suzano Papel e Celulose. Só a Santa Rosa não entrou na jogada.

Ele a manteve para quem sabe exorcizar os males que praticara. Não surtiu efeito nem do ponto de vista espiritual e nem do ponto de vista econômico (os projetos delineados para a Santa Rosa e para o Bacabal fracassaram). Quis vender para a Suzano Papel e Celulose, só que a empresa paralisou as negociações de compra assim que associação e o STTR de Urbano Santos a informaram do pedido de vistoria do imóvel no Incra.

Para a família Garreto so tinha um jeito. Incentivar a saída do máximo de pessoas, pois quando o Incra viesse vistoriar não haveria pessoas o suficiente para justificar uma desapropriação com fins de reforma agrária. Os seus capangas montaram um pousio dentro da comunidade e assediavam os moradores. Uma das pessoas que estava de malas prontas para se mandar era o cunhado do Zequinha. Ele revelou o seu propósito, na porta da sua casa, para a equipe do Movimento Mundial pelas Florestas que pesquisava os impactos dos plantios de eucalipto junto às comunidades tradicionais e ao meio ambiente.

A Suzano Papel e Celulose plantara eucalipto em mais de 40 mil hectares nos municípios de Urbano Santos, São Benedito do Rio Preto, Anapurus, Chapadinha e Santa Quiteria que se destinavam à fabricação de pellets e a exportação para a Inglaterra onde virariam energia térmica a fim de aquecer os ingleses durante o inverno.

Faziam parte da equipe Winnie Overbeck, movimento mundial pelas florestas, Ivonete, Cepedes, e Mayron Régis, Forum Carajas. O roteiro da pesquisa incluiu as áreas de Urbano Santos e Santa Quiteria em que as comunidades tradicionais disputavam os seus territórios de roça e de extrativismo com as empresas de reflorestamento com eucalipto.

A associação de Santa Rosa contava com poucos aliados. A Secretaria do Meio Ambiente do Maranhao e o Ibama respaldavam o projeto da Suzano Papel e Celulose de ocupar o Baixo Parnaiba maranhense com seus plantios de eucalipto. As licenças assinadas pela então secretaria de meio ambiente do governo Jackson Lago em 2009 e um documento enviado ao Forum Carajas pelo Ibama no qual o órgão federal avalizava a legalidade dos desmatamentos na Barra da Onça em Santa Quiteria provavam esse respaldo das instituições governamentais.

As entrevistas coletadas pela equipe do Movimento Mundial pelas Florestas subsidiou um documento que foi divulgado pela Internet. A comunidade de Santa Rosa se sagrou vitoriosa na disputa com a família Garreto. A polícia militar de Chapadinha prendeu os pistoleiros que portavam explosivos. A justiça de Urbano Santos deu uma liminar de manutenção de posse favorável a associação. Segundo o Zequinha, o Nego Garreto passa de vez em quando por la para se banhar nas águas que nascem na Chapada e que desaguam no rio Preto. O Zequinha manteve um contato rápido com a equipe na sede do município de Urbano Santos na noite do dia em que os pesquisadores entrevistaram seu cunhado, mas, por sua crença, as vitórias sucessivas tiveram relação com a passagem do Movimento Mundial pelas Florestas em sua comunidade.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.