Temer é instrumento do agronegócio e do mercado, afirma historiador

Segundo Luiz Marques, reformas pretendidas pelo governo, entre outros objetivos, visam a reduzir a fiscalização e aumentar a impunidade para crimes ambientais, ampliando a devastação

por Redação RBA

Segundo o historiador Luiz Marques, professor do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), a “sangria” que o senador Romero Jucá pretendia “estancar”, em diálogo vazado que virou célebre, não ocorreu e, agora, as denúncias se voltam também contra o PMDB e o PSDB. Contudo, segundo o professor, enquanto o governo Temer contar com o apoio do mercado financeiro e do agronegócio, não deve cair, apesar de toda a crise de legitimidade.  (mais…)

Ler Mais

Meu nome não é Sininho

Três anos depois de estampar capas de jornais e o noticiário de TV acusada de liderar os adeptos do black bloc, Elisa Quadros recebeu a Pública para uma longa entrevista sobre as prisões, as ameaças e os traumas que ainda tenta superar

por Mariana Simões e Natalia Viana, da Agência Pública

Depois de dois anos parado, o processo que procura condenar Elisa Quadros Pinto Sanzi e outros 22 ativistas presos durante os protestos de 2013 e 2014 no Rio de Janeiro deve chegar ao fim. Em abril, O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) começou a julgar um habeas corpus que pedia a anulação de provas colhidas por um policial militar infiltrado nas manifestações sem autorização judicial. (mais…)

Ler Mais

‘Martírio’ é um grito contra o genocídio histórico do povo indígena

Documentário do cineasta e indigenista Vincent Carelli retrata a luta obstinada dos índios brasileiros pelo direito à vida e às suas terras sagradas

por Xandra Stefanel, especial para RBA

Capitalismo, senador, capitão, plata. Estas são algumas das poucas palavras possíveis de decifrar nos primeiros minutos do longa-metragem Martírio, que estreia nesta quinta-feira (13) nos cinemas, com distribuição pelo projeto Sessão Vitrine Petrobras. Na melodiosa língua guarani, índios da etnia Kaiowá fazem uma assembleia e discutem os perigos que ameaçam aquele povo. Estas cenas registradas no final dos anos 1980 pelo cineasta e indigenista Vincent Carelli são algumas das imagens que o diretor vem captando nas últimas três décadas e que ajudam agora a narrar o percurso da insurgência pacífica e obstinada dos Guarani e Kaiowá pela retomada de seus territórios sagrados. (mais…)

Ler Mais

Pará: Agricultoras agroextrativistas devem deixar terra após décadas de posse

Antes de conquistar direito à posse da terra, trabalhadoras viviam em regime de semi-servidão como meeiras

Por Lilian Campelo, Brasil de Fato

Na Ilha de Marajó, os agricultores sem a posse da terra eram obrigados a trabalhar em um regime próximo à servidão. Eles tinham que destinar metade da produção aos supostos donos daquelas terras. Quando as famílias obtiveram da União o direito de trabalhar o solo, deixaram de pagar o “imposto”. Foi aí que começaram os conflitos na região. Hoje, após 17 anos plantando e cuidando das criações de animais, Maria Rosilda da Costa Ferreira, de 48 anos, tem um prazo de menos de 30 dias para deixar o local que conhece como sua casa. O mesmo ocorre com Maria Berenilda Barbosa Furtado, de 50 anos, que vive há 25 na região. (mais…)

Ler Mais

Cadastro Ambiental é usado para legalizar grilagem na Ilha de Marajó

Especialistas alertam que função inicial do CAR foi desvirtuada e maiores prejudicados são populações tradicionais

Por Lilian Campelo, Brasil de Fato

O Cadastro Ambiental Rural (CAR), criado para controlar, monitorar e combater o desmatamento das florestas e demais formas de vegetação nativa do Brasil, está sendo utilizando, na Ilha de Marajó, no Pará, como instrumento para grilar terras e expulsar famílias ribeirinhas dos lotes onde moram, como denunciam pesquisadores consultados pela reportagem do Brasil de Fato. A situação paraense é especialmente complicada. De acordo com os números do último boletim informativo do cadastro, o percentual de áreas cadastradas no estado é maior do que todo o seu território físico. (mais…)

Ler Mais

Frente à gentrificação, moradores se mobilizam para marcar pontos históricos e preservar a memória do Vidigal

Projeto Emplacando a Memória do Vidigal visa marcar pontos históricos

Claire Jones e Evan Fantozzi – RioOnWatch

Apesar de Bárbara Nascimento ser amiga e co-organizadora com André Gosi no Vidigal, uma favela na Zona Sul onde houve uma significativa gentrificação nos últimos anos, as pessoas “não têm nenhuma ideia” quanto ao nome da rua onde ele mora. Bárbara, professora e atual estudante de mestrado nascida e criada no Vidigal, usa um conjunto de pontos de referência bem conhecidos na favela para localizar as casas dos outros colegas moradores. Mesmo ao descrever o seu endereço para os outros, Bárbara afirma: “só falo que moro na Pedrinha”. (mais…)

Ler Mais

Licenciamento Ambiental: “proposta -bomba” é um grave desserviço para o Brasil

Fundação SOS Mata Atlântica

A Câmara dos deputados pode votar a qualquer momento o Projeto de Lei que cria a Lei Geral do Licenciamento Ambiental (PL 3729/04). A votação, em regime de urgência, é mais um desserviço para o país. A norma, que afeta drasticamente a vida de todos os brasileiros, não pode ser votada sem transparência e participação da sociedade, principalmente num momento tão conturbado, de instabilidade política e socioeconômica como a que o país enfrenta. (mais…)

Ler Mais