Nota da Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro – FOIRN sobre o massacre do Povo Gamela no Maranhão ocorrido no dia 30/04

FOIRN

A Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (FOIRN), representante dos 23 povos indígenas que vivem na região do Rio Negro, noroeste do Estado do Amazonas  vem se manifestar e  repudiar os ataques contra o povo Gamela, no município de Viana, no estado de Maranhão, ocorrido no dia 30 de abril de 2017, na qual  dois indígenas tiveram suas  mãos decepadas, cinco baleados e 13 lideranças feridos a golpes de facão e pauladas. (mais…)

Ler Mais

A ‘Via Direta Escola-Prisão’: Desigualdade Desde a Pré-Escola Dirige o Encarceramento nos EUA e no Brasil

Nos Estados Unidos e no Brasil, dois países com histórias profundas de injustiça racial, disparidades nas oportunidades educacionais entre as minoridades raciais e a população branca se manifestam desde a pré-escola. As chances de encarceramento aumentam significativamente entre as populações negras pobres, muito em função de estruturas e políticas que tem início no começo da escolaridade formal. Esse padrão tem sido chamado de School-to-Prison Pipeline em inglês, traduzível como “Via Direta Escola-Prisão” e a União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU) define essa Via como “as políticas e as práticas que impulsionam os alunos do país, especialmente as crianças em maior situação de risco, para fora das salas de aula e para dentro dos sistemas de justiça criminal e juvenil”

Emilia Sens e Phie van Rompu – RioOnWatch (mais…)

Ler Mais

Nota da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil – APIB sobre o massacre do Povo Gamela, Maranhão

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) vem a público repudiar os ataques perpetrados contra o povo Gamela, ocorrido no Povoado de Bahias, município de Viana (MA) no dia 30 de abril de 2017, e mais uma vez denunciar o genocídio que está em trâmite no Estado brasileiro contra os povos indígenas.

As lideranças do Povo Gamela já vinham denunciando os planos de fazendeiros para matar lideranças de seu povo. No entanto, mais uma vez as autoridades competentes se omitiram diante das graves violações praticadas contra os povos indígenas seja por agentes estatais, seja por entes privados com o aval do Estado. (mais…)

Ler Mais

Fístula Obstétrica e a violação de direitos

Emanuelle Goes para Cientista Feminista

A fístula obstétrica consiste num orifício entre e a vagina e a bexiga e/ ou reto, resultante da necrose dos tecidos por compressão da cabeça do feto numa circunstância de trabalho de parto demorado (UNFPA, 2013).  Esta complicação ocorre devido ao acesso precário aos serviços de saúde no parto, sendo que mulheres que moram em zona rural, sem serviços e sem transporte são as mais expostas. (mais…)

Ler Mais

Munduruku seguem com bloqueio na BR-230 e afirmam: só saem com medidas atendidas pelo governo federal

Cimi

Desde a última quarta-feira (26), a BR-230 (rodovia Transamazônica) está bloqueada próximo ao distrito de Miritituba, no município de Itaituba-PA. A ação, protagonizada por 130 indígenas do povo Munduruku e por beiradeiros da comunidade de Montanha e Mangabal, traz exigências diretamente consoantes com os principais problemas sociais em pauta hoje no país – seja entre índios, seja entre não-índios. Trata-se da reversão do desmonte da política indigenista na região do Tapajós e em todo o país; a consulta referente à reforma da Previdência Social e a demarcação da Terra Indígena (TI) Sawré Muybu. (mais…)

Ler Mais

A instrumentalização do sistema energético brasileiro e a transformação dos políticos em capitães-do-mato. Entrevista especial com Ildo Sauer

Patricia Fachin – IHU On-Line

Uma das explicações possíveis para compreender por que os projetos do setor energético como um todo estiveram no “âmago” da corrupção entre o setor público e o setor privado nos últimos anos, é a alta margem de lucro e de excedente econômico gerado, justamente porque, nesses setores, a concorrência econômica é baixa, diz o engenheiro e diretor do Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo, Ildo Sauer, à IHU On-Line. (mais…)

Ler Mais