Índios Kariri-Xocó utilizam projeto educacional para preservar história

Culminância da ação atraiu indígenas e outras comunidades à escola da aldeia, em Porto Real do Colégio

No Primeira Edição

A manhã da última sexta-feira (5) foi festiva para a comunidade indígena Kariri-Xocó, em Porto Real do Colégio. Com o intuito de resgatar e valorizar a sua história e tradições, estudantes da Escola Estadual Indígena Pajé Francisco Queiroz Suira desenvolveram o projeto “A resistência do povo Kariri-Xocó”.

Diversas apresentações marcaram a culminância do projeto: exposição de livros com histórias indígenas, comidas típicas, artesanato, dialeto, cantos e danças, a importância das ervas medicinais, ceramistas e a valorização das tradições dos Kariri-Xocó, como o escambo, que é a troca das peças de barro por alimentos.

Segundo a diretora da unidade, Lucicleide de Oliveira Suira, atualmente, cerca de 250 crianças são atendidas na Educação Infantil e anos iniciais do ensino fundamental. Ela conta que a comunidade aguarda o resultado do processo seletivo em andamento pela Secretaria de Estado da Educação (Seduc) para ver a possibilidade de ampliação da oferta para os anos finais do ensino fundamental ainda em 2017 e ensino médio nos próximos anos.

“Nós queremos mostrar que a educação na comunidade é a preservação da cultura do nosso povo. Nossos curimins [crianças indígenas] são a base da nossa história e a educação indígena é aprendida em dois momentos: com o estudo de livros e também com a vivência. Ser indígena é ser guardião da sua história, guerreiros e guerreiras na concretização do ser que somos. Aqui, costumamos dizer que somos mestrados não por estudo, mas por experiências vividas, valorizando cultura e religião”, explica, emocionada, Lucicleide.

Presente ao evento, a gerente da 9ª Gerência Regional de Educação (Gere), Andrea Dantas, fala da importância desta ação de resgate e valorização cultural. “Esse projeto nasceu a partir de conversas entre a escola e a Gere, onde discutimos a necessidade de se envolver também a comunidade nesta ação, trabalhando as disciplinas do ensino regular e também a cultura indígena. A unidade também está bastante empenhada em atingir as metas do Programa Escola 10, participando de todas as formações ofertadas pela Seduc e com elaboração de plano de ações”, destaca Andrea.

Trocando experiências

Durante as comemorações, a comunidade recebeu a visita de estudantes do Centro Estadual de Educação Profissional Agonalto Pacheco da Silva, do município de Neópolis (SE), que foram à aldeia para uma atividade prática do projeto interdisciplinar intitulado “A Valorização da Cultura Indígena”, realizado em parceria com a Universidade Tiradentes (Unit). Na ocasião, os alunos entrevistaram as lideranças locais e moradores da aldeia, coletando inúmeras informações, sobre a cultura, economia e localização geográfica.

“O principal objetivo do projeto é conhecer e valorizar a cultura e história de um povo que faz parte da nossa própria origem, com um trabalho desenvolvido por eles com as crianças da aldeia. Eles amaram a visita”,declara a coordenadora pedagógica Dayana Mariano, que agradeceu o apoio recebido da 9ª Gere.

Os Kariri Xocó também agradeceram as visitas. “A gente agradece o interesse em conhecer a nossa verdadeira história, vivida e registrada por nós mesmos. Nós já passamos por preconceitos e massacres e hoje lutamos pela resistência do nosso povo”, agradece o professor indígena José Rodrigues Tenório.

 

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.