O papel da imprensa no julgamento de Lula

Por João Filho, no The Intercept Brasil

Depois de vazar ilegalmente para a Globo conversas particulares de Lula, de pedir o apoio da opinião pública através da imprensa, de ter discursado em eventos patrocinados por políticos do PSDB, de ter sua esposa dando entrevistas e aparecendo em capas de revistas, de assistir docilmente diversos vazamentos ilegais — e condenar apenas um, justamente o que em tese favoreceria a Lula — , o juiz Sérgio Moro teve a coragem de afirmar não ter nada  a ver com o que é publicado pela imprensa.

“o senhor tem essas reclamações com a imprensa, e eu compreendo, mas o juiz não tem nenhuma relação com o que a imprensa publica ou não publica, e esses processos são públicos”.

Moro afronta a realidade dos fatos na tentativa de conferir legitimidade a um processo que já está caracterizado como uma briga entre um juiz e um réu. Quem acompanha minimamente o noticiário nos últimos anos, sabe que Moro encarnou com gosto o papel de mocinho no espetáculo midiático em que Lula já foi condenado como vilão. A narrativa da luta do mocinho implacável contra a corrupção versus o bandidão-chefe de quadrilha brilhou nas manchetes de jornais e capas de revista. É compreensível a tentativa de Moro em querer minimizar o papel da imprensa no caso, mesmo tendo em diversos momentos do interrogatório sustentado suas afirmações com base em publicações da grande mídia.

O clima de embate político instalado durante os dias que se antecederam ao depoimento se confirmou na quarta-feira. Apesar de a tropa de choque de jornalistas da Globo News passar a noite inteira amenizando o caráter político da atuação de Moro e ressaltando o de Lula, o que se viu em boa parte do interrogatório foi, sim, um debate político entre um juiz e um réu, por mais inacreditável que isso possa parecer.

Dos integrantes da tropa de choque destacada para cobrir o caso, Dony De Nuccio, Natuza Nery, Merval Pereira, Eliane Cantanhêde e Cristiana Lobo demonstraram claramente de que lado estavam. Havia uma premissa clara em todas as análises: Lula é culpado.

Cristiana Lobo, talvez empolgada pela grande sacada, repetiu por várias vezes ao vivo na Globo News algo como “Voltou o Lula do mensalão, que não sabia de nada”.

A surrada carta do “Lula não sabia de nada” voltou para o espetáculo. Claro, o vilão da Rede Globo só poderia estar mentindo. Merval também insistiu na tese de que “Lula jogou a culpa na Marisa”.

A jornalista Natuza Nery disse no dia seguinte que “o curioso nesse interrogatório é que Lula tentou ficar em sua arena de conforto, a arena política, enquanto Sérgio Moro tentava puxá-lo para arena de conforto do juiz, que é a arena jurídica”. Não foi bem assim. De fato, em muitos momentos, Moro tentou puxar o político para o campo jurídico, mas, em outros, não se furtou ao debate. Não foi pouco o tempo que Moro dedicou a assuntos de natureza política sem nenhuma relação com o caso do triplex, como veremos mais a seguir.

Natuza também relatou uma conversa que teve com procuradores da Lava Jato. Eles teriam dito que “tudo saiu da normalidade. Não dá pra dizer que um lado nocauteou o outro, embora aliados do petista achem que ele teria ganhado esse embate”. Ou seja, até mesmo os procuradores admitem com naturalidade para a imprensa que estamos diante de uma disputa entre um juiz e um réu. Fica cada vez mais difícil acreditar que estamos diante de um julgamento justo.

É compreensível que o réu, um político que acredita estar sendo vítima de perseguição política e jurídica, traga o depoimento para sua zona de conforto. Mas é inadmissível que um juiz tope essa disputa no campo político, fato que se repetiu em diversos momentos. Moro trouxe declarações não relacionadas ao caso e ressuscitou o caso do Mensalão no depoimento. Vejamos:

São perguntas que jornalistas da Globo News fariam com intuito de render boas manchetes, mas não me parecem adequadas dentro do âmbito de uma ação que julga uma acusação referente a três contratos firmados entre OAS e Petrobras e o triplex do Guarujá.

Foram várias as perguntas feitas sobre o Mensalão — caso ocorrido há 12 anos — , a maioria delas baseada em declarações que Lula deu à imprensa. Esta parte do interrogatório indignou os advogados de defesa, que chamaram a atenção para a natureza política das perguntas e orientaram o réu a não responder.

Moro, com o curioso apoio da promotoria, respondeu à reclamação dizendo que as informações eram relevantes para entender a relação de Lula com subordinados e contribuir para a  “formação da convicção judicial”.

E sabe quem concorda com os advogados de Lula? Novamente ele, senhores e senhores,  Reinaldo Azevedo — o maior antilulista dos últimos 15 anos fez uma avaliação que destoou da narrativa abraçada pela igrejinha da grande mídia.

“a maioria das perguntas do juiz nada tinha a ver com processo no qual depunha o petista.”

“Sem poder apresentar provas de que o tríplex pertence a Lula, Moro optou por uma condução da audiência que fez picadinho do devido processo legal.”

“No estado de direito, condena-se com provas. E Moro não as tinha. Ao contrário, as evidências materiais apontam que o imóvel pertence à OAS.”

“Moro optou por um comportamento lamentável, que agride o devido processo legal. Resolveu fazer perguntas a Lula que diziam respeito aos quatro outros inquéritos a que o petista responde.”

“o juiz demonstrou incômodo com a liderança política de Lula, o que é um despropósito. Quis saber por que o ex-mandatário emitiu juízos contraditórios sobre o… mensalão!!! O que a dita Ação Penal 470 tinha a ver com o apartamento de Guarujá? Nada!”

A flagrante condução política do julgamento conseguiu a façanha de colocar Reinaldo Azevedo ao lado de Lula para poder defender o Estado de Direito. É simbólico demais.

Nas considerações finais, Lula discursou sobre a perseguição que sofre pela grande imprensa e apresentou números do Manchetômetro. O juiz não gostou e, como se fosse um oponente político em debate eleitoral, disse que também é perseguido por parte da imprensa: “infelizmente, eu já sou atacado por bastante gente, inclusive por blogs supostamente que supostamente patrocinam o senhor. Então padeço dos mesmos males em certa medida”.

Ora, ora. Ao final do interrogatório, o juiz faz uma ilação estranha sobre “blogs que patrocinam” Lula. Mas não vamos nos apegar ao estranho uso do verbo “patrocinar”, mas ao fato de o julgador se colocar como uma das partes do processo e afirmar que está sendo atacado por aliados do réu. Parece que há, sim, influência da imprensa no julgamento, não é mesmo? Usando esta mesma linha de raciocínio, talvez seja possível dizer que a Globo patrocina o nobre magistrado.

Foto de Edilson Dantas, na festa da Premiação Brasileiros do Ano, da revista Istoé, em SP.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.