Coimbra: Seminário “Aonde nos leva tanta violência? Lutas e Resistências dos Povos Indígenas das Américas: Guarani Kaiowá e outras experiências”

No CES

Por todo o mundo os direitos territoriais, culturais, ambientais e sociais dos povos indígenas se encontram ameaçados pela violência, degradação dos ecossistemas dos quais dependem para sua sobrevivência, perdas territoriais, reassentamentos forçados, negação dos direitos à autodeterminação, à participação nos processos decisórios que afetam suas vidas, assassinatos de lideranças e até massacres.

Nas Américas, a violência contra povos indígenas está associada ao avanço das fronteiras econômicas sobre seus territórios e o crescimento de políticas econômicas desenvolvimentistas e neoextrativistas que estimulam a instalação de empreendimentos agroindustriais, projetos de mineração, industrias pesadas, complexos logísticos ou de geração de energia em áreas estratégicas para a reprodução do modo de vida indígena, muitas delas considerados espaços sagrados por eles.

A aliança entre os Estados nacionais e grupos econômicos multinacionais no âmbito da viabilização desses empreendimentos, submete os povos indígenas a situações de conflitos marcadas por uma grande assimetria de poder, obrigando-os a lutar simultaneamente em arenas jurídicas, políticas e simbólicas nas mobilizações por seus direitos.

Reunimos neste evento um dos líderes do Povo Guarani Kaiowa e pesquisadorxs para apresentar suas experiências de luta e de apoio à resistência de povos indígenas assim como as propostas destes povos para construção de alternativas ao desenvolvimento baseadas na busca pelo bem viver e de um mundo social e ambientalmente mais justo.

Programa

15h00 – Abertura por Teresa Cunha

15h05 – Apresentação de Ládio Veron

O Cacique Ládio Veron do povo Kaiowa e Guarani é filho do Cacique Marco Veron, assassinado em 2003 e representante da Assembleia dos Povos Aty Guasu, Brasil

15h30 – Apresentação de Diogo Rocha

Sociólogo, mestre em Saúde Pública, pesquisador do Projeto do Mapa de Conflitos Envolvendo Injustiça Ambiental e Saúde no Brasil e doutorando da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (ENSP/FIOCRUZ) e do Centro de Estudos Sociais (CES/UC) onde desenvolve um projeto de pesquisa sobre as interrelações entre as lutas socioambientais e as lutas por saúde em territórios indígenas marcados por injustiças e conflitos ambientais. Seus interesses de pesquisa incluem os movimentos por justiça ambiental, processos de vulnerabilização socioambiental das comunidades tradicionais e estratégias de luta dos movimentos sociais contra-hegemônicos

15h45– Apresentação de Begoña Dorronsoro

Graduada em Ciências Biológicas (Ecologia) pela Universidade do Pais Basco (U.P.V.-E.H.U.) Espanha Com experiência de mais de 10 anos, trabalhando e militando em diversas ongds bascas, em cooperação internacional para o desenvolvimento dos póvos, com organizações indígenas principalmente de Colombia, Bolivia e Guatemala. Volta a academia para fazer o Mestrado em Estudos Feministas e de Gênero, também na Universidade do Pais Basco, com a entrega final da tesina do grado “Contextualizando la descolonización del feminismo desde la perspectiva indígena. Una mirada múltiple” 2009

16h– Apresentação de Gabriela Rocha

Graduada em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil (2009), mestre em Antropologia Social pela mesma Universidade (2012). Possui experiência e projetos de pesquisa e de extensão no Brasil, nas áreas de direitos humanos, direito à cidade, mediação de conflitos, identidades e territorialidades étnicas, multiculturalismo, com uma atuação em campo com populações de favela, grupos quilombolas e ciganos. É doutorando no Programa Pós Colonialismos e Cidadania Global desde 2013.

16h15 – Debate – Moderação de Teresa Cunha

17h30 – Encerramento

Serviço:

O que: Seminário “Aonde nos leva tanta violência? Lutas e Resistências dos Povos Indígenas das Américas: Guarani Kaiowá e outras experiências”

Data: 06 de junho, 15h

Local: Centro de Estudos Sociais – Universidade de Coimbra – sala 1

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.