Livro registra o trabalho de fotógrafos engajados contra a ditadura

Lançado em São Paulo, “Máquinas Paradas, Fotógrafos em Ação” compila mais de 160 imagens, além de textos, de profissionais da imagem envolvidos na resistência ao regime autoritário

por Redação RBA

No fim da década de 1970, o Brasil estava mergulhado no regime ditatorial iniciado com o golpe de 1964 (e que prolongou-se até 1985, com a eleição indireta de Trancredo Neves para a Presidência da República) – tempos de censura, repressão e violência de Estado. Neste contexto, os trabalhadores metalúrgicos dos polos de São Paulo e do chamado ABC paulista resolveram aderir a um movimento de resistência grevista. Mobilizações que “são um marco na história das lutas populares no país”, como recorda o fotógrafo Ennio Brauns. (mais…)

Ler Mais

Ação inédita de fiscalização em Minas Gerais reúne 160 agentes públicos em defesa do São Francisco

Durante duas semanas, 18 municípios da região do Médio São Francisco serão visitados por fiscais de 15 órgãos públicos estaduais e federais reunidos num projeto que pretende buscar a preservação e recuperação do Velho Chico

Ministério Público Federal em Minas Gerais

Cento e sessenta agentes públicos de 15 diferentes órgãos – Ministérios Públicos Federal (MPF), do Trabalho (MPT) e do Estado de Minas Gerais (MPMG); Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SEMAD) – que exerce fiscalização em assuntos ligados ao Instituto Estadual de Florestas (IEF), à Fundação Estadual do Meio Ambiente (FEAM) e ao Instituto Mineiro de Gestão das Águas (IGAM) –; Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA-Minas); Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA); Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG); Polícia Rodoviária Federal (PRF-MG); Polícia Federal (PF-MG); Polícia Civil (PCMG); Fundação Nacional de Saúde (FUNASA); Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA); Ministério do Trabalho e Emprego (MTE); Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) e Agência Nacional de Águas (ANA) estarão em campo no período de 2 a 14 de julho deste ano para uma ação inédita em Minas Gerais, a Fiscalização Preventiva Integrada (FPI) na Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco. (mais…)

Ler Mais

Seminário sobre cartografia de conflitos socioambientais tem início amanhã em Teresina (PI)

Durante os dias 06 e 07 de julho, acontecerá o Seminário “Cartografia Conflitos Socioambientais” no Campus Petrônio Portela da Universidade Federal do Piauí (UFPI), em Teresina, capital piauiense. Na oportunidade, também será apresentada a publicação anual da Comissão Pastoral da Terra (CPT), Conflitos no Campo Brasil 2016.

CPT Piauí

A cartografia social busca dar visibilidade às diversas categorias sociais como as mulheres quebradeiras de coco, quilombolas, ribeirinhos entre outros, que veem nessa prática uma forma de expor seus processos de territorialização e sua identidade. (mais…)

Ler Mais

Delegação Terena em Brasília: “Queremos repostas concretas”

Por Egon Heck, do secretariado nacional Cimi

Como encaminhamento da 10ª Assembleia do Povo Terena, que aconteceu de 31 de maio a 03 de junho na Aldeia Buriti, em Dois Irmãos do Buriti (MS), decidiu-se que uma delegação de lideranças viria até Brasília para agenda de reinvindicações. A assembleia ressaltou a necessidade de acompanhar e fortalecer a cobrança sobre os processos de demarcação das Terras Indígenas junto a Fundação Nacional do Índio (Funai), ao Ministério da Justiça, no Supremo Tribunal Federal e demais instâncias governamentais responsáveis por criarem políticas específicas aos povos indígenas. A delegação composta por lideranças dos povos Terena, Kinikinawa, Kadiwéu e Atikum esteve em Brasília na última semana, de 25 a 30 junho.  (mais…)

Ler Mais

Religiosos lutam para libertar orixás da polícia

Por Juliana Gonçalves, The Intercept Brasil

Fé é crime? A resposta óbvia para essa pergunta seria não. Mas, no Brasil, já foi. No início do século XX, a prática das religiões de matriz africana era considerada crime pelo código penal e diversos objetos ritualísticos foram apreendidos em batidas policiais. O texto do artigo que tornava “o espiritismo, a magia e seus sortilégios” crimes foi alterado em 1940, mas teve efeito prático até 1960. No entanto, no Rio de Janeiro, a Polícia Civil continua mantendo até hoje em seu acervo cerca de 200 peças sagradas para umbandistas e candomblecistas. Mais de 100 anos depois, líderes religiosos e ativistas do movimento negro buscam a transferência desta parte da história para um local apropriado e de exaltação à cultura negra através da campanha “Liberte o Nosso Sagrado”. (mais…)

Ler Mais

Pescadores se organizam contra impactos ambientais de empresa no litoral baiano

Por fora de associações, trabalhadores fizeram ação autônoma contra Fibria e denunciaram falta de participação política

Por Rute Pina, Brasil de Fato

Para enfrentar os impactos ambientais da empresa de celulose Fibria, pescadores artesanais e marisqueiros tem se organizado de forma autônoma em Caravelas, município localizado no litoral sul da Bahia. (mais…)

Ler Mais

Professor em Marabá é absolvido de acusação da empresa Vale

Juíza avaliou que acusação da mineradora contra o docente é improcedente

Por Redação Brasil de Fato*

professor universitário Evandro Medeiros venceu uma das batalhas judiciais contra a mineradora Vale S/A. Ele foi absolvido da acusação de “fazer justiça pelas próprias mãos”, conforme artigo 345 do Código Penal. A sentença foi publicada nesta terça-feira (4) no Diário Oficial do Tribunal de Justiça do Estado do Pará e foi registrada em maio pela juíza Adriana Divina da Costa Tristão, da 1ª Vara do Juizado Especial Cível e Criminal de Marabá. (mais…)

Ler Mais

Os grandes detetives têm intuições, convicção e… provas!

“O mais famoso dos primeiros detetives da Scotland Yard lembra, de longe, os tenazes procuradores e juízes de Curitiba, Brasília e arredores, empenhados em desdobrar em acusações as suas convicções arraigadas em sua personalidade. Mas há diferenças gritantes. A mais importante delas é a de que, uma vez estabelecida a sua convicção, o trabalho do detetive se concentrava na obtenção de provas materiais que a corroborassem. Sem isto, o caso desabava.”

Por Flávio Aguiar, no blog da Boitempo (mais…)

Ler Mais