Transtorno mental atormenta alunos da UFMG; instituição busca soluções

Por Malú Damázio, no Hoje em Dia

Tristeza súbita, sensação de medo, taquicardia, episódios de choro cada vez mais frequentes. O estudante de química da UFMG Henrique Martins Nogueira, de 23 anos, começou a perceber que algo estava errado no fim de 2015. Ele foi diagnosticado com depressão e, desde então, a vida acadêmica se transformou em uma grande batalha. 

Das oito disciplinas que cursava no semestre, só foi aprovado em duas. “Não consegui dar conta da faculdade porque não estava bem. E cada vez que afundava um pouco na graduação, me sentia ainda pior”.

Problema psicológico também é relatado por funcionários: em quatro anos foram 1.971 atendimentos 

Depressão e outras situações de sofrimento mental são problemas para muitos alunos, professores e servidores de universidades de grande porte, no qual o ambiente é rígido e há cobranças por resultados. Se não tratadas, essas questões podem desencadear piora no rendimento acadêmico e a reversão é complicada. Em casos mais graves, nervosismo antes de fazer provas, ansiedade e falta de vontade de frequentar aulas podem culminar, inclusive, no afastamento de estudantes do espaço universitário.

Os números da UFMG comprovam: 64% dos atendimentos periciais de trancamento de matrícula de alunos feitos pelo Departamento de Atenção à Saúde do Trabalhador (Dast) tiveram como fatores motivadores transtornos mentais e de comportamento. O órgão, que atende principalmente funcionários da universidade, também dá suporte a estudantes que procuram ajuda. Em 2014, 132 alunos alegaram sofrimento mental como a principal razão do afastamento do ambiente acadêmico.

Servidores

Os dados, divulgados neste ano, mostram ainda que os problemas psicológicos não estão restritos somente aos estudantes.No mesmo período, funcionários da universidade ficaram 12.284 dias sem trabalhar devido ao sofrimento mental.

De 2011 a 2014, 1.971 servidores atendidos alegaram necessidade de ajuda em episódios depressivos, reação ao estresse, ansiedade, transtornos de adaptação e por uso de álcool e drogas.

Ações coordenadas

A questão preocupa. Para tentar entender o problema e propor soluções inclusivas, a UFMG criou a Rede de Saúde Mental e a Comissão Institucional de Saúde Mental (Cisme), que elaborou um mapeamento do contexto de transtornos sofridos por estudantes, docentes e funcionários.

Coordenadora da Cisme, Maria Stella Brandão Goulart, professora do departamento de psicologia, diz que o estudo mostra que a instituição vive um problema análogo ao das cidades de médio porte. Nessas localidades, uma em cada dez pessoas sofre com algum transtorno mental, conforme parâmetros da Organização Mundial de Saúde (OMS).

“Passei nas matérias em que tive a liberdade de explicar para os professores minha situação. Eles perceberam que meu rendimento era muito bom no início do período e, no fim, caiu” (André Gonçalves Lasmar, 25 anos, estudante de economia na UFMG diagnosticado com transtorno bipolar; no último período ele viu os sintomas se agravarem e ficou um mês sem sair de casa

A psicóloga lembra que instituir um diálogo sobre a questão foi o primeiro passo para pensar em uma política para a saúde mental na universidade. “Geralmente, as instituições não falam sobre esse assunto e a principal resposta é a exclusão. O estudante ou o funcionário pede licença e enfrenta o problema no silêncio da sua vida privada. Isso não está certo”, frisa.

Ao fim do relatório da Cisme, a UFMG estabeleceu algumas proposições como a construção participativa de uma política de atenção em saúde mental.

Estudantes se queixam de despreparo por parte de docentes

Universitários que lidam com sofrimento mental reclamam da falta de preparo de alguns professores ao se depararem com esse tipo de situação. Henrique Martins Nogueira, por exemplo, quase abandonou o curso de química por não encontrar amparo.

“Tive muitos professores que entenderam, mas um deles chegou a me questionar porque eu tinha depressão e disse que a minha única obrigação no mundo era estudar, já que eu não tinha casa para sustentar. É uma sensação de impotência enorme”. O rapaz conta que episódios como esse agravaram o quadro de saúde dele. Para evitar diálogos do tipo, Henrique passou a consumir bebidas alcoólicas e faltar às aulas.

No mês passado, uma ocorrência chamou a atenção. Um aluno foi excluído pela congregação do curso de economia, mesmo após apresentar laudos mostrando que questões psicológicas prejudicaram o seu desempenho nos estudos.

Dificuldade

Presidente do Diretório Acadêmico da Faculdade de Ciências Econômicas (Face), Elise Hungaro destaca a falta de preparo dos professores para avaliar casos de sofrimento mental na instância deliberativa. “Muitas vezes, a faculdade não flexibiliza os prazos para as atividades acadêmicas e ignora que o aluno não conseguiu cumprir porque não estava em um estado mental saudável. Isso mata o diálogo e exclui o estudante da universidade”.

A dificuldade é reconhecida pela pró-reitora adjunta de extensão, Cláudia Mayorga, coordenadora da Rede de Saúde Mental da UFMG. Segundo ela, o diálogo com as áreas que lidam diretamente com alunos ainda é um dos principais entraves encontrados para que estudantes com sofrimento mental não sejam alvo de preconceito.

Porém, admite um longo caminho a ser percorrido. “Entendemos a necessidade de ação mais imediata com os coordenadores de colegiado, professores e servidores técnicos-administrativos, para que eles estejam abertos a acolher esses alunos e a entender que os problemas mentais não são ‘frescura’ das pessoas”.

Federal debate implementação de acompanhamento especial; cartilha será lançada

Diante os vários casos de alunos com quadro de depressão e sofrimento mental e os relatos de exclusão, a UFMG garante estar trabalhando para mudar a cultura institucional, que acaba isolando o estudante. É o que afirma a coordenadora da Rede de Saúde Mental da UFMG, Cláudia Mayorga.

Em outubro, a universidade vai lançar uma cartilha de saúde mental com orientações de como a comunidade acadêmica deve proceder ao tratar de demandas desse grupo, como em pedidos de trancamento de matrícula. Além disso, o documento apresentará informações para ajudar as pessoas a identificarem nelas mesmas algum tipo de problema.

A UFMG também discute a revisão das normas acadêmicas. A expectativa é a possibilidade de o aluno com depressão e outros problemas psicológicos solicitar, ao colegiado, acompanhamento especial. Com as mudanças, Cláudia espera a criação de um regime diferenciado para esses estudantes.

Reivindicação

Inclusive, essa é a cobrança de Márcia dos Anjos*. Em agosto de 2016, o filho dela, na época com 20 anos, tirou a própria vida. Aluno do curso de ciências biológicas da Federal, o jovem tinha depressão, mas a família não sabia do problema. Alguns meses antes de morrer, o rapaz dizia estar desanimado e querendo desistir da graduação.

“Ele repetiu três vezes uma matéria e ficou chateado porque não teve apoio dos professores. Chegou até a procurar ajuda psicológica dentro da instituição, mas foi uma única vez e não se sentiu motivado com o atendimento”, conta Márcia.

Assistência

A UFMG oferece apoio aos estudantes que passam por sofrimento mental por meio de órgãos e núcleos de assistência. No Serviço de Psicologia Aplicada, coordenado por professores e alunos de psicologia, 500 pessoas da comunidade acadêmica são atendidas por semestre. A rotatividade, porém, é baixa: não há novas vagas para este ano e a fila de espera tem 200 inscritos.

Coordenadora da Comissão Institucional de Saúde Mental (Cisme), Maria Stella Brandão Goulart reconhece que a universidade não consegue realizar atendimentos psiquiátricos e psicoterápicos continuados para a grande demanda de pessoas com sofrimento mental, mas lembra que a instituição está estudando formas de acolher e encaminhar a comunidade para a rede de atenção pública, via Sistema Único de Saúde (SUS).

Há ainda o Núcleo Prae, da pró-reitoria de Assuntos Estudantis. Lá, qualquer aluno pode buscar ajuda. “É uma etapa inicial. Nós vamos acolher, escutar e encaminhar para o melhor caminho possível as demandas de saúde mental”, explica a coordenadora da Rede de Saúde Mental da UFMG, Cláudia Mayorga.

Além disso, todas as unidades têm autonomia para criar setores de escuta acadêmica. Na Faculdade de Medicina, por exemplo, existem dois núcleos direcionados a promover a saúde mental da comunidade.

*Nome fictício

***

Contra ansiedade, estudantes recorrem a remédios para melhorar desempenho nos estudos

Por Malú Damázio, no Hoje em Dia

O uso de medicamentos para melhorar o rendimento nos estudos não é exclusividade apenas de estudantes que têm algum tipo de sofrimento mental. Para lidar com a ansiedade, por exemplo, muitos alunos da UFMG encontram nos medicamentos a alternativa para manter o desempenho acadêmico.

É o caso de Paula Franco Belumat, de 23 anos, aluna de engenharia de produção na instituição. Ela toma remédios para ansiedade. “Somos cobrados o tempo todo na faculdade e, às vezes, mesmo em atividades fáceis, como não conseguir estudar direito para uma prova, sou tomada por emoções de todos os tipos, que só pioram meu esgotamento físico e mental”.

Crises

Um comprimido ao levantar, um para conseguir aproveitar as aulas e outro para dormir. Todos os dias, a estudante de química Giovana França Fernandes, de 20 anos, conta com a ajuda dos medicamentos para lidar com a depressão. No último semestre, ela foi parar no hospital por conta de uma crise de ansiedade. A jovem acredita que a graduação tenha sido um dos fatores que desencadeou a doença.

“A primeira vez que fiquei um fim de semana inteiro chorando foi por causa de nota. A maior parte das minhas crises de ansiedade vem durante as provas ou a partir situações que ocorreram nas aulas, mas tive sorte de ter professores que me deram suporte”, explica.

Concentração

Para aumentar a concentração, o metilfenidato, conhecido popularmente como Ritalina, é um dos remédios procurados pelos universitários. Porém, pode causar dependência, aumento da pressão arterial e agravamento de comportamentos agressivos.

Mesmo com os riscos, André Gonçalves Lasmar, de 25 anos, recorre ao medicamento para melhorar a performance nos estudos. Diagnosticado com transtorno bipolar, o estudante de economia toma cerca de 180 comprimidos por mês – uma média de seis por dia. “É um vício, preciso do efeito do remédio”.

Igual a ele, cerca de 6% dos alunos da Federal já ingeriram Ritalina, conforme pesquisa realizada pelo Centro de Estudos do Medicamento da Faculdade de Farmácia da UFMG, em 2015. “O número, embora pareça pequeno, é semelhante ao encontrado em outros países que já consideram esse uso (para melhorar o desempenho acadêmico) como um problema de saúde pública”, afirma Joyce Melgaço, pesquisadora do departamento.

Não existem evidências científicas de que a substância seja eficaz para aumentar a concentração, já que ela é indicada para o tratamento do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) e da narcolepsia.Em maio, a UFMG promoveu uma ação de conscientização sobre o uso racional do medicamento.

Enviada para Combate Racismo Ambiental por José Carlos.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.