A corrente de São Severino e a Odebrecht, por José Ribamar Bessa Freire

“Os trabalhadores nada têm a perder, a não ser as suas correntes”.
(Karl Marx – Manifesto Comunista, 1848)

No Taqui Pra Ti

Se você é trabalhador, não perca esta corrente que está circulando mundo afora desde 1901. Faça vinte cópias e passe adiante. Ela começou na França, com o nome original de “Chaîne de Saint-Séverin Des Pauvres”. Seu autor, Leão Amorim, por incrível que pareça, é um amazonense que vivia em Paris, onde criou, muito antes de Cabral, a dancinha do guardanapo numa noite de esbórnia no “Le Procope”. Foi lá que dilapidou a fortuna do pai, Alexandre Amorim (1831-1881), o Odebrecht do séc. XIX, dono de seringais, de empresas de navegação e de todo Estado do Amazonas. (mais…)

Ler Mais

Sobre minha avó, eu mesma e o orgulho de ser Puri neste 19 de abril

Por: Raial Orotu Puri – Crônicas Indigenistas

Ser Puri
É mais ou menos isso:
Verde que busque o daquela pitaya.
Adaptada e feliz em Ser.
Ou quase…
E quando penso em ser Puri
Quanto estou entre outros de mim
Sinto pulsar a nossa valentia
Penso em meu pai…
Em sua história de sobrinho de alfaiate e filho daquela índia…
Minha avó!
Eu mesma!
Nos perdemos de nós
E aí está a nossa covardia
Em se deixar perder
…essa coragem que tudo o que se sabe folha tem.
A mim não ofende ser chamada covarde!
Porque não me ofende ser.
Quem sabe de sua coragem sabe de seus limites
Que possamos estar juntos para nos saber melhor e mais fortes do que pensávamos.
Somos!
(Poema de Tuschahi Puri) (mais…)

Ler Mais

Dia Santo, por Elaine Tavares

Em Palavras Insurgentes

Há muito tempo, na minha infância, quando morava em São Borja, a sexta-feira santa era dia de acordar muito cedo para colher marcela. Tinha que ser antes do sol nascer, pois a erva tinha de ser colhida orvalhada. A mãe dizia que o orvalho representava as lágrimas que Jesus derramara quando morrera na cruz. E assim a gente saia, em bandos, pelos caminhos, sempre mais fora da cidade que era onde as plantas nasciam em abundância. (mais…)

Ler Mais

Antes de “vender” o nome de um bairro, Doria deveria consultar a população, por Leonardo Sakamoto

No blog do Sakamoto

O prefeito João Doria afirmou ter fechado um acordo, durante visita oficial à Coreia do Sul, com empresas coreanas para patrocinar a reforma de praças, calçadas, iluminação e equipamentos públicos no bairro do Bom Retiro, região central de São Paulo. O bairro, que concentra migrantes dessa nacionalidade, passaria a se chamar Bom Retiro Little Seul – capital daquele país. (mais…)

Ler Mais

É possível perder-se no caminho do sagrado?

Por: Jairo Lima – Crônicas Indigenistas

Certo dia, eu estava no escritório quando a secretária anunciou que uma senhora gostaria de falar comigo. Perguntei o assunto, mas ela não soube me informar, então pedi que a trouxesse à sala que eu atenderia. Nisso, entrou uma jovem senhora, não mais que seus quarenta anos, bem arrumada, perfumada e com um ar de dignidade que não conseguia disfarçar certo nervosismo ou urgência no assunto que gostaria de tratar comigo. (mais…)

Ler Mais

Memória olfativa: em busca do sabonete Gessy, por José Ribamar Bessa Freire

No Taqui Pra Ti

Arrumo gavetas cheias de papéis velhos, agora, em Niterói. Encontro um passaporte carimbado que me faz lembrar o verão de 1981 em Moscou. Foi lá, no banheiro do hotel Nikolskaya, perto da Praça Vermelha, que usei um sabonete russo nas abluções matinais. Quando lavei o rosto, o bairro de Aparecida invadiu o quarto com um estrondo de pororoca. É que o cheiro era o mesmo do sabonete da Santa Casa de Misericórdia, de Manaus, em cujo quarto eu, menino, dormi um par de meses, em 1957, acompanhando meu pai enfermo. Era o sabonete Gessy, aquele da Marta Rocha, a miss Brasil. (mais…)

Ler Mais

Uma quase-carta para um quase-Reitor (3ª versão), por José Ribamar Bessa Freire

No Taqui Pra Ti

Quase-Magnífico Reitor Sylvio Puga, Saudações,

Ainda inspirado em Waldick Soriano, escrevo outra carta (já são três versões, mas não repare os senões), para felicitá-lo e a seus eleitores pela eleição para reitor da UFAM. Conhecido o resultado, começo desde já as cobranças ou quase-cobranças das promessas de campanha, não por birra, mas pela saúde da universidade. Essa é versão modificada da que vai publicada na edição impressa do Diário do Amazonas (02/04) escrita antes da contagem dos votos. Agora, mais do que nunca, parece apropriado continuar com o tratamento de quase-reitor. Depois da posse, a gente elimina o “quase”. (mais…)

Ler Mais

A literatura viva no curso de Hãtxa Kui

Por: Rafael Castro* – Crônicas Indigenistas

Em 24 de novembro de 2016 embarquei em um avião rumo ao Acre. Nesse mesmo dia, algumas horas mais tarde, eu pisaria pela primeira vez o solo desse estado que antes me parecia muito mais longínquo do que os pouco mais de dois mil e quinhentos quilômetros que separam sua capital, Rio Branco, da capital mineira, Belo Horizonte. “É um estado mítico! O Acre não existe!”, diz a “sabedoria” popular da classe média das grandes metrópoles do sudeste. De fato, para nós que aqui estamos, o Acre parece não existir. Até que, de repente, se está lá. Foi o que aconteceu comigo. (mais…)

Ler Mais

Coveiros da esperança (Aos parlamentares ditos católicos), por Roberto Malvezzi (Gogó)

No seu blog

É difícil saber se há algum parlamentar católico que se oriente politicamente pelos princípios da Doutrina Social da Igreja de justiça, equidade e respeito pelos mais pobres. Mas, há muita gente ali que se declara católico.

Nem vamos falar da Bancada da Bíblia, aliada da Bancada do Boi e da Bala. Esses são os adoradores do dinheiro, do poder e da violência. (mais…)

Ler Mais

Moro determina coercitiva e apreende laptop de blogueiro para descobrir fontes

Por Pedro Canário, no Conjur

Como o Judiciário não pode obrigar jornalistas a revelar suas fontes, o juiz Sergio Moro, titular da 13ª Vara Federal de Curitiba, determinou a condução coercitiva do blogueiro Eduardo Guimarães para que ele diga, em depoimento à Polícia Federal, quem passa informações ao seu blog.

Para garantir, Moro também determinou “a apreensão de quaisquer documentos, mídias, HDs, laptops, pen drives, arquivos eletrônicos de qualquer espécie, arquivos eletrônicos pertencentes aos sistemas e endereços eletrônicos utilizados pelos investigados [sic], agendas manuscritas ou eletrônicas, aparelhos celulares, bem como outras provas encontradas  relacionadas aos crimes de violação de sigilo funcional e obstrução à investigação policial”. (mais…)

Ler Mais