Justiça Federal determina policiamento 24h em fazenda histórica roubada no Rio

Por Akemi Nitahara e Isabela Vieira, repórteres da Agência Brasil

O uso de um caminhão para o roubo de uma relíquia de 2 metros quadrados, datada de 1740, retirada de uma fazenda histórica tombada na região metropolitana do Rio de Janeiro, é a prova de que o local corre riscos.

Para preservar a Fazenda Colubandê, marco da arquitetura colonial e uma das maiores produtoras de cana-de-açúcar do país no século 19, a Justiça Federal determinou que o local seja protegido de forma ininterrupta, a pedido do Ministério Público Federal (MPF). Em janeiro, foi roubado da capela da Sant’Anna, também tombada, o retábulo (uma espécie de altar, talhado no estilo barroco), além de portas e janelas originais, de madeira maciça. (mais…)

Ler Mais

Raduan Nassar recebe Prêmio Camões com críticas a Temer e ao STF; Freire responde e é vaiado

Durante entrega do Prêmio Camões 2016, escritor paulista fez duras críticas ao Governo. Sua fala despertou a reação de Roberto Freire, que abandonou o discurso ensaiado para rebatê-lo

Por Camila Moraes, no El País

Um dos maiores escritores brasileiros, o paulista Raduan Nassar, professa que aposentou a caneta há mais de 30 anos, mas demonstra que não a força de sua voz. Autor de romances seminais da literatura brasileira, Lavoura Arcaica e Um copo de cólera, Raduan foi convocado na manhã desta terça-feira ao Museu Lasar Segall, em São Paulo, para receber o Prêmio Camões de 2016 – entregue a cada ano pelos governos de Brasil e de Portugal a escritores expressivos da língua portuguesa. Direto, ainda que polido, ele aproveitou a oportunidade para se manifestar contra o Governo de Michel Temer, referindo-se a ele como “repressor”. (mais…)

Ler Mais

Exposição aborda disputas pelo território

A mostra apresenta conjunto do acervo do Videobrasil, além de entrevistas e documentos que retratam conflitos nas cidades e no campo

Mariana Tessitore – Brasileiros

No vídeo La Physique Général, de Vinicius Duarte, um explorador europeu do século XIX caminha pelas matas da Amazônia. Sua voz em off narra detalhes da viagem e principalmente o encontro com os nativos. Em certo ponto do vídeo, há uma mudança de protagonismo: o papel de narrador passa a pertencer a um dos índios e não mais ao europeu. (mais…)

Ler Mais

MG – Ocupação cultural dá novo destino a fazenda tombada pelo Iepha há 45 anos

Por Cinthya Oliveira, Hoje em Dia

Uma grande festa para 200 moradores de comunidades quilombolas vizinhas celebrou o início da esperada ocupação cultural da Fazendo Boa Esperança. Com direito a iguarias pouco ou nada conhecidas nos centros urbanos – como o cubu, bolinho cozido na folha de bananeira –, o banquete foi o primeiro passo para uma série de atividades com gestão compartilhada entre poder público e comunidade. (mais…)

Ler Mais

Fotografando mulheres

Acontece algo ali naquele instante, através da lente. Uma forma de verdade em que ambas nos revelamos. Eu deixo de posar de fotógrafa. E nós nos vemos. Duas mulheres

Por Maria Bitarello – Outras Palavras

Fotografar mulheres é diferente de fotografar homens?” Meu amigo indiano me perguntou isso ao ver essa série de fotos que fiz em Varanasi, na Índia, em dezembro passado. “Sim”, respondi, “assim como é diferente fotografar – mulheres ou homens – na Índia, no Brasil, no Benim”. Em minha mais recente viagem à Ásia, decidi lançar a mim mesma o desafio de fotografar apenas mulheres. Foi um desafio e tanto. Cheguei a pensar em desistir. E por isso mesmo a pergunta do meu amigo indiano (e fotógrafo), sem que ele soubesse, foi tão pertinente. Porque, sim, é muitíssimo diferente fotografar mulheres e homens na Índia. (mais…)

Ler Mais

Livro reúne ideias dos principais pensadores africanos do século 20

Para o professor José Rivar Macedo, organizador da obra, todo o conhecimento produzido pelo Ocidente sobre a África corresponde a ‘formas de predação em diversos níveis’

Por Paulo Henrique Pompermaier, na Cult

Com o “modesto” objetivo de apresentar as principais linhas de pensamento de autores africanos, o livro O pensamento africano no século XX, que será lançado na próxima quinta (9), reúne textos de dezesseis especialistas brasileiros que apresentam um panorama geral da intelectualidade africana do século 20. (mais…)

Ler Mais

Dicionário expõe pensamento de Gramsci em mais de 600 verbetes

O pensamento de Antonio Gramsci, destrinchado em uma enciclopédia com mais de 600 verbetes, elaborados por alguns dos mais importantes estudiosos de sua obra no mundo

No blog da Boitempo

Em seus últimos dez anos de vida, Antonio Gramsci reflete, na prisão, sobre a derrota do movimento comunista e a falência da revolução no Ocidente. Reelabora as questões de base de sua precedente atividade política, repensa as respostas dadas e as experiências vividas. Formula um verdadeiro léxico para expressar sua teoria política e todo um mundo de conceitos destinados a influenciar os mais diversos campos do saber. É uma linguagem que, com frequência, inventa ou reinventa palavras, enriquecendo-as com novos significados: americanismo e fordismo, hegemonia, filosofia da práxis, molecular, nacional-popular, Oriente-Ocidente, revolução passiva, vontade coletiva e tantas outras. Ao combinar, em seus mais de 600 verbetes, rigor científico e clareza textual, esta obra visa a divulgar com precisão o pensamento de um dos maiores teóricos marxistas da modernidade. (mais…)

Ler Mais

Universidade do Estado do Rio pede socorro em meio à grave crise

A UERJ, referência no Estado, e seu reitor acusam Governo de “forçar” seu fechamento. Cerca de 9.000 alunos carentes começam suas aulas sem bolsas

Por María Martín, no El País

De licença médica e sofrendo as dores das complicações de uma cirurgia, o reitor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Ruy Garcia Marques, pegou seu computador e digitou um pedido de socorro: “Forçar o fechamento da UERJ é não pensar no futuro de nosso Estado e de nosso país”. A mensagem, convertida em uma carta dolorosa, foi enviada oficialmente ao Governo do Rio há cerca de duas semanas e, depois, à imprensa escancarando uma das piores crises nos quase 70 anos de história da instituição. A UERJ, 11ª colocada em qualidade entre as 195 universidades brasileiras e a 20ª da América Latina, segundo o ranking da revista britânica Times Higher Education de 2016, sangra. Falta dinheiro até para comprar a ração dos ratos de laboratório. (mais…)

Ler Mais

La desintegración de las organizaciones indígenas: El camino moderno para la disolución de un movimiento étnico

Por Efraín Jaramillo Jaramillo, en Colectivo de Trabajo Jenzera

Soy consciente que el texto que a continuación leerán ustedes no está dirigido sólo a un público conocedor de la problemática étnica del país. Eso hace más difícil su redacción, pues se deben abordar matices de la historia indígena no suficientemente conocidos o tratados. No obstante lo escribo así porque muchos como yo desean que se abra una discusión en el país sobre el devenir de los pueblos indígenas, discusión que es más acuciosa, ahora que se verán abocados a resolver muchos problemas que emanarán de la implementación de los acuerdos de paz, sobre todo del acuerdo agrario que los involucra directamente. Espero tener suerte en este propósito. No pido a nadie que comparta estas opiniones, o incluso que esté de acuerdo con el supuesto central de este ensayo. Sólo pido que se establezca un diálogo sobre las ideas aquí expuestas, con el fin de apoyar a los pueblos indígenas a delinear sus agendas políticas para que salgan de este extravío en que se encuentran y evitar que terminen de disolverse organizaciones que tantas glorias y satisfacciones le trajeran al país. (mais…)

Ler Mais

A dessimbolização do mundo, por Rubens Casara

“todos se sentem autorizados a fazer e a falar de tudo, isso porque todos se sentem admiráveis e oniscientes, razão pela qual negam a necessidade de esforço e dedicação para se formar como sujeito. O esforço de estudar, o conhecimento específico que diferenciava, também perde valor, em especial se esse conhecimento não pode ser facilmente convertido em mercadoria.”

No Justificando

O Estado Democrático de Direito, entendido como o modelo estatal[1] marcado por limites ao exercício do poder, de qualquer poder (político, econômico, judicial, etc.) encontra-se, na melhor das hipóteses, em crise ou, o que é mais provável, superado. A ideia de que os direitos e garantias fundamentais, as regras e princípios constitucionais e os tratados e convenções internacionais funcionariam como limites ao arbítrio e à opressão, aos poucos foi substituída pela construção de uma imagem desses “direitos” como entraves, dessas conquistas civilizatórias como meros obstáculos tanto à eficiência econômica ou repressiva do Estado quanto aos interesses dos detentores do poder político e do poder econômico. (mais…)

Ler Mais