indio pendurado

A Universidade e os crimes contra os índios, por José Ribamar Bessa Freire

Em Taqui Pra Ti

“Nesta hora que estamos conversando aqui alguém deve estar matando um índio, só que nós só vamos saber muito mais tarde, quando o índio já está morto. É a cobiça da terra, a cobiça do subsolo e a cobiça das riquezas naturais” (Noel Nutels, CPI do Índio, 20/11/1968).

A universidade começa a pesquisar o Relatório Figueiredo, um conjunto documental de 30 volumes com mais de 7 mil páginas que ficou esquecido durante quarenta e cinco anos e que trata dos crimes cometidos contra os índios. Na quinta-feira (27), uma dissertação de mestrado foi defendida na Pós-Graduação em Memória Social da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) por Elena Guimarães. Antes, na terça (25), foi o exame de qualificação de André Luís Sant’Anna no Mestrado em Relações Étnicorraciais do Centro Federal de Educação Tecnológica (CEFET-RJ). (mais…)

Ler Mais

Cimi-40anos-300x184

Nota Pública: Ruralistas comandam Estado Paramilitar no Mato Grosso do Sul

Secretariado Nacional do Conselho Indigenista Missionário

Há alguns anos, o Conselho Indigenista Missionário (Cimi) passou a denunciar a atuação de forças paramilitares, comandadas por grupos ruralistas, em ataques contra povos indígenas no Brasil e, particularmente, no Mato Grosso do Sul. A impunidade e a complacência das autoridades brasileiras com estes grupos possibilitaram que os mesmos radicalizassem em suas estratégias, alheias ao Estado Democrático de Direito.

O ataque perpetrado por fazendeiros contra o povo Guarani e Kaiowá, que culminou no assassinato de Simão Vilhalva, na manhã deste sábado, 29, no município de Antônio João, demonstra que o ruralismo organizou e comanda um verdadeiro Estado Paramilitar no Mato Grosso do Sul. Fica evidente que o objetivo do Estado Paramilitar ruralista é o de eliminar os povos originários e seus aliados e continuar invadindo e explorando os territórios destes povos. (mais…)

Ler Mais

Mapa indicando a localização do município de Antônio João, MS

Pequena contribuição ao STF do ‘marco temporal’ x o revoltante esbulho de Ñande Ru Marangatu

Tania Pacheco – Combate Racismo Ambiental

Gostaria de poder fazê-lo, mas não pretendo, em absoluto, ir além de uma mera contribuição para os debates que envolvem parte dos integrantes do Supremo Tribunal Federal e os povos indígenas do território hoje chamado Brasil.  Para isso, resgato abaixo um pequeno fragmento do laudo antropológico e histórico de  Ñande Ru Marangatu, “terra kaiowa na fronteira do Brasil com o Paraguai, município de Antônio João, Mato Grosso do Sul”, de autoria de Jorge Eremites de Oliveira e Levi Marques Pereira, elaborado em 2009.  (mais…)

Ler Mais

Líder indígena é assassinado em ataque de fazendeiros no Mato Grosso do Sul

O ataque contra os Guarani Kaiowá foi organizado na sede do sindicato dos ruralistas do município de Antônio João (MS) e resultou no assassinato do líder Simião Vilhalva

Por Cristiano Navarro, em Le Monde Diplomatique

Hoje [Ontem] pela manhã, um grupo de fazendeiros reuniu-se no sindicato rural na cidade de Antônio João (MS), fronteira com Paraguai, e decidiu realizar um ataque contra a comunidade indígena de Nhanderu Marangatu.

Segundo informações do Departamento de Operações de Fronteira (DOF), dezenas de homens armados saíram da sede da representação ruralista em cerca de 40 caminhonetes para expulsar as famílias indígenas que ocupavam a Fazenda Barra. Dezenas de pessoas ficaram feridas e, até o momento, está confirmada a morte do líder Simião Vilhalva. (mais…)

Ler Mais

pedreira serra da misericordia

Cadê o Parque Municipal da Serra da Misericórdia?

Rio On Watch

Em 16 de dezembro de 2010 o Prefeito Eduardo Paes assinou o Decreto 33.280 criando o Parque Municipal Urbano da Serra da Misericórdia, na região da Leopolidina, na Zona Norte do Rio. Em 2012, o projeto recebeu um investimento R$15 milhões, dos quais cerca de R$11 milhões vieram da fundação socioambiental da Caixa Econômica Federal. No entanto, foi descoberto recentemente que o projeto foi abandonado e os fundos devolvidos.

Moradores e grupos ambientais da Zona Norte estão exigindo a resposta da prefeitura, perguntando: “Cadê o Parque Municipal da Serra da Misericórdia?(mais…)

Ler Mais

Helicóptero agindo na reintegração de posse em Nhanderu Marangatu, dezembro de 2005 . Foto divulgada por Egon Heck

Ñande Ru Marangatú: novas violações de direitos

Omissão do Estado brasileiro e milícias de fazendeiros produzem mais mortes

Por Rogério Batalha Rocha, advogado, no Cimi

Como foi falado por lideranças indígenas do estado de Mato Grosso do Sul, durante a cúpula dos povos/Rio+20 realizada na cidade do Rio de Janeiro no dia 21 de junho de 2012, “o Estado brasileiro não mede esforços para mostrar ao mundo um Brasil que não existe”.

Não bastasse os já assegurados direitos indígenas em nossa Constituição Federal de 1988 (artigo 231), para o mundo, o Brasil é signatário da Declaração da ONU sobre os Direitos dos Povos Autóctones, de 13 de setembro de 2007, que reconheceu importantes direitos em Assembleia da ONU. Fundamentalmente, o Artigo 26 do pacto internacional assegura o reconhecimento e demarcação dos territórios tradicionais indígenas de todo o mundo. (mais…)

Ler Mais

marangatu retomada

Ruralistas atacam e matam líder Guarani-Kaiowá no Mato Grosso do Sul

Por Cimi

Após uma semana de preparativos, ruralistas atacaram famílias indígenas Guarani e Kaiowá, do tekohá Nhanderu Marangatu, e assassinaram uma de suas lideranças, na tarde deste sábado, 29 de agosto, em Antônio João, no Mato Grosso do Sul.

Nhanderu Marangatu é sabidamente uma terra indígena tradicional Guarani e Kaiowá. Foi reconhecida e homologada pelo Governo Federal em meados de 2005. No entanto, a suspensão dos efeitos da homologação, seguido por uma ordem de despejo proveniente do Poder Judiciário, destinou quase mil pessoas ao peso impagável de mais de uma década de beira de estrada, mortes e a obrigatoriedade de suportar condições sub-humanas de vida. Estas centenas de pessoas passaram a viver, desde então, em menos de 150 dos 9.500 hectares homologados. Cansados de sofrer, os indígenas decidiram retomar sua área originária há exatamente uma semana. (mais…)

Ler Mais

luto

Notícias de Aty Guasu sobre a situação na TI tekoha Ñanderu Marangatu até as 18 horas de 29/08

Aty Guasu

URGENTE! UM LÍDER ASSASSINADO PELOS FAZENDEIROS É CONFIRMADO. SR. SEMION VILHAVA. OS PISTOLEIROS ASSASSINARAM MAIS UM LÍDER GUARANI E KAIOWA.

Os fazendeiros e seus pistoleiros antes de atacar, ASSASSINAR e massacrar a tiros às comunidades Guarani e Kaiowa estavam se reunindo com senador MOKA, e outros políticos anti-indígenas na cidade de Antonio João. Os políticos senadores e deputados federais no MS estão incitando a violência, massacre, ódio contra as vidas indígenas Guarani e Kaiowa. (mais…)

Ler Mais

Armados, produtores tentam desocupar fazenda invadida [sic] por indígenas “na marra”

Viaturas da Força Nacional e DOF estão no local; equipe do Correio do Estado acompanha

Por Glaucea Vaccari e Celso Bejarano, no Correio do Estado (MS)

O clima em Antônio João – distante 402 km da Capital – que já era tenso devido as invasões [sic] indígenas a propriedades rurais do município, se agravou ainda mais na manhã deste sábado (29). Um grupo de aproximadamente 100 fazendeiros armados em 40 caminhonetes se dirigiu à Fazenda Barra com o propósito de desocupar a propriedade “na marra”. (mais…)

Ler Mais

pedrossian face fake

Ruralista do MS mente e divulga fotos de incêndio em fazenda como ataque de indígenas

Por Renato Santana, no Cimi

O fazendeiro e ex-deputado federal Pedro Pedrossian Filho postou nesta quinta-feira, 27, em seu próprio perfil de uma rede social, fotos de um celeiro e de maquinários carbonizados afirmando que as imagens retratavam destruição feita por indígenas depois de invasão a uma propriedade. Em matéria publicada pelo portal paraguaio ‘Itapuá en Noticias’, as fotos utilizadas por Pedrossian eram – na verdade – de um incêndio ocorrido no último dia 24 e causado por curto-circuito em uma fazenda de Capitán Meza I, distrito paraguaio – leia aqui. (mais…)

Ler Mais