Um Ano Após as Olimpíadas: O Que Restou no Rio e no Complexo do Alemão? #QueLegado

O que tem movido os corações aflitos nesses dias de caos e extrema insegurança?

Cleber Araújo – RioOnWatch

Observando os dias atuais, é perceptível o medo e o estado de pânico que todos têm vivido cotidianamente. Um passo à frente é algo desafiador. É um ato de agradecimento se permanecermos vivos. Pois está cada dia mais difícil viver nessa cidade do medo, essa cidade que se afundou em corrupção institucionalizada e patrocinada por governantes que só pensaram em roubar do povo, de forma descabida e sem nenhum pudor, o que ainda restava. (mais…)

Ler Mais

Um Ano Após as Olimpíadas, a Vida Continua na Maré #QueLegado

Um ano depois das Olimpíadas no Rio de Janeiro, pouco se fala do legado Olímpico deixado para os moradores do conjunto de favelas da Maré, um dos maiores complexos do Rio, com mais de 140 mil moradores

Thaís Cavalcante – RioOnWatch

Mobilidade

Desde os preparativos das Olimpíadas, as obras e mudanças passaram a fazer parte da rotina dos cariocas. Uma das iniciativas do transporte público que impactou o território foi a construção do BRT TransBrasil, que teve sua obra parada durante os Jogos e retomada em abril deste ano, na Avenida Brasil. O BRT não é o ônibus convencional. Inicialmente ele contará com ônibus biarticulados, cerca de 16 estações e 18 passarelas. A expectativa de um trânsito mais acessível ainda é a esperança de muitos, como Willian Gomes, 22 anos que mora na Maré e circula de ônibus diariamente. “Minhas expectativas são positivas, isso ajudará bastante o povo a chegar no trabalho, faculdade e casa, por exemplo, uma vez que o transporte público não nos favorece junto com o trânsito encontrado na pista em horários e dias de pico”, afirma ele. (mais…)

Ler Mais

Oito Causas Raiz da Violência que Serão Ignoradas pela Cobertura do Aniversário das Olimpíadas no Rio

Tyler Strobl – RioOnWatch

Um ano depois dos Jogos Olímpicos, o Rio de Janeiro está emaranhado em uma onda de violência que seria inimaginável para os milhares de turistas que chegaram na cidade em agosto do ano passado. Até o dia 2 de julho, pelo menos 632 pessoas foram atingidas por balas perdidas no Estado do Rio de Janeiro este ano, 120 mortas em latrocínios e 480 pela Polícia Militar em autos de resistência, e 90 policiais morreram em tiroteios dignos de situações de guerra. Em resposta, o governo federal acaba de ceder 8500 soldados do exército para o Rio. Histórias da devastação, em geral em áreas de baixa renda e favelas negligenciadas pelo Estado, são, infelizmente, fáceis de encontrar. O filho de Claudineia dos Santos Melo foi baleado enquanto ainda estava no útero, e nasceria com deficiência. Vanessa dos Santos, de 10 anos de idade, foi morta por uma bala perdida enquanto estava em sua própria casa. Maria Eduarda Alves da Conceição, estudante e atleta de 13 anos, foi atingida e morta dentro de sua escola em Acari, seguida de Hosana de Oliveira Sessassim, com a mesma idade e no mesmo bairro, atingida e morta apenas cinco dias depois. (mais…)

Ler Mais

Projetos Olímpicos e Destruição: Ramos Deixado de Lado Sem Espaços Públicos, Calçadas, Árvores e Mais #QueLegado

Hugo Costa – RioOnWatch

Faz um ano desde que apresentei aqui no RioOnWatch uma visão do legado negativo, ou o legado suburbano das Olimpíadas do Rio de Janeiro, e muito se evoluiu nas pesquisas sobre o tema, embora a recuperação urbana desta parte da cidade em nada tenha sido tratada. Atualmente, as discussões sobre o legado Olímpico do Rio ocorrem em todas as esferas (federal, estadual e municipal) e em todos os poderes (executivo, legislativo e judiciário), sobre o que fazer com as estruturas construídas ou reformadas para as Olimpíadas: os prédios, estádios, campos e piscinas, mas somente tratando destas áreas que juntas somam meio milhão de quilômetros quadrados dentro de um município com 1200 milhões de quilômetros quadrados no total. (mais…)

Ler Mais

A ‘lição’ das obras da Copa e Olimpíadas – Criação de mecanismos que subordinam o Estado ao setor privado. Entrevista especial com Orlando Alves dos Santos Junior

Patricia Fachin  – IHU On-Line

O cientista social Orlando Alves dos Santos Junior é contundente ao descrever a situação do Rio de Janeiro: “É um caso de escândalo, é a ilustração do que não deve ser feito”. Sua análise vai além: “Nós estamos vivendo um contexto que podemos caracterizar como golpe político, em que as instituições democráticas não foram minimamente respeitadas, e temos um governo ilegítimo do ponto de vista democrático”. (mais…)

Ler Mais

Um fiasco olímpico

Analisamos as 328 páginas da denúncia contra os supostos terroristas que ameaçavam a Olimpíada do Rio. Suspeitas de infiltrações, denúncia anônima e espetáculo marcaram uma ação montada para desbaratar um atentado que não ia acontecer

por Rogério Pacheco Jordão para a Agência Pública

“Dez suspeitos de terrorismo na cadeia.” A frase de abertura do Jornal Nacional, da TV Globo, o de maior audiência no país, no dia 21 de julho de 2016, duas semanas antes da abertura da Olimpíada do Rio, apresentou aos telespectadores a fase ostensiva da Operação Hashtag, da Polícia Federal (PF). Naquela quinta-feira, dez suspeitos de “planejar ataques durante a Olimpíada” haviam sido presos em dez estados brasileiros, segundo o telejornal. A notícia ocupou 14 minutos do noticiário, com imagens de suspeitos algemados sendo transferidos para o presídio de segurança máxima de Campo Grande (MS), entremeadas por diversas intervenções do então ministro da Justiça Alexandre de Moraes, cuja fala dominou a edição do dia. (mais…)

Ler Mais

O midiativismo de favela e seu legado para o engajamento cívico na Cidade Olímpica do Rio de Janeiro

Moradores de favelas, sobretudo os mais jovens, vêm usando as mídias digitais e impressas contra as violações aos direitos humanos há algum tempo no Rio. As tecnologias de mídia e as técnicas de jornalismo têm sido cada vez mais importantes componentes das lutas da população de baixa renda da periferia. Neste artigo, o Dr. Leonardo Custódio compartilha os resultados de sua pesquisa de doutorado sobre o crescimento da organização política graças aos midiativistas de favela, desde que o Rio foi escolhido para sediar os Jogos Olímpicos de 2016

RioOnWatch

Nos anos entre o anúncio do Rio como sede das Olimpíadas de 2016, em outubro de 2009, e a cerimônia de abertura Olímpica, ocorrida no dia 5 de agosto de 2016, houve inúmeros casos em que os moradores das favelas utilizaram as mídias como instrumentos e plataformas de troca de informações a fim de organizar publicamente diversas formas de atividades políticas. (mais…)

Ler Mais

O problema Olímpico: HBO detalha histórico de violações de Direitos Humanos nas Olimpíadas

Adam Talbot – RioOnWatch

Enquanto grande parte da cobertura de mídia das Olimpíadas Rio 2016 perguntava sobre o Rio e o que o futuro reservava para seus habitantes, menos atenção foi direcionada ao futuro dos Jogos Olímpicos ou, em particular, ao Comitê Olímpico Internacional (COI). Problemas característicos das intervenções do Rio foram examinados minuciosamente, enquanto muito pouco foi dito sobre os problemas pertinentes ao COI. Um episódio do Real Sports, da HBO, que foi ao ar em 26 de julho, traz os desafios enfrentados pelos “Senhores dos Anéis” dos esportes com uma visão clara, detalhando a história recente dos Jogos. Olhando particularmente para os Jogos Olímpicos de Verão de Pequim 2008, os Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi 2014, Rio 2016, e Oslo (que desistiu na competição para sediar os Jogos de Inverno de 2022), o episódio imperdível de Real Sports apresenta uma incrível variedade de entrevistas detalhadas e informações que, juntas, pintam uma imagem clara de uma organização corrupta e abusiva. Ao longo da produção do documentário, oficiais do COI receberam muitos convites para entrevistas, mas recusaram. (mais…)

Ler Mais