Miséria punitiva: por que Luciana Genro está errada sobre a Lava Jato

Por Thiago Araujo e Lucas Sada, no Justificando

O presente artigo visa oferecer uma resposta às formulações pretensamente críticas de Luciana Genro, militante do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) e pós-graduada em Filosofia do Direito pela Universidade de São Paulo (USP). Relutamos em criticar um artigo que, marcado por flagrante incompetência teórica, deveria ser relegado ao ostracismo, mas tratando-se de uma representante de uma agremiação política fundada pelos saudosos Leandro Konder (1936-2014) e Carlos Nelson Coutinho (1943-2012), nos parece imprescindível resgatar os fundamentos que outrora constituíram o núcleo-duro de um projeto verdadeiramente revolucionário. (mais…)

Ler Mais

Contra reformas, outdoors denunciam deputados gaúchos que apoiam governo Temer

No Sul 21

A CUT-RS intensificou desde quinta-feira (20) a campanha contra as reformas da Previdência e Trabalhista, espalhando dezenas de outdoors por Porto Alegre e interior do Estado com fotos de deputados federais que apoiam o governo Temer. “Traidores: querem acabar com a aposentadoria e a CLT” é a principal chamada, ao lado da convocação “Reaja: 28 de abril é greve geral”. (mais…)

Ler Mais

Quem nega a política saberá respeitar os limites da democracia?, por Leonardo Sakamoto

No blog do Sakamoto

Enquanto nós, na sociedade, podemos fazer tudo o que quisermos, exceto o que estiver proibido por lei, os membros da administração pública só podem fazer o que for previamente e expressamente autorizado pela lei.

Ou seja, não é possível ter a mesma liberdade da iniciativa privada no poder público. E é importante que seja assim. (mais…)

Ler Mais

As manchetes sonegadas e o fascismo

Por Tarso Genro*, no Sul 21

As delações premiadas são confissões-informações prestadas por cidadãos que já reconhecem ter cometido delitos e pretendem, através de uma colaboração formal com o Ministério Público e o Poder Judiciário, obter reduções significativas de penas e até condições especiais para o cumprimento das mesmas. Defendo que o instituto da “delação” -usado com as devidas cautelas constitucionais- pode ser um bom instrumento para nortear investigações e constituir provas para comprovar delitos de difícil aferição. (mais…)

Ler Mais

“As esquerdas perderam votos na periferia quando deixaram de ser esquerdas”, diz pesquisador

Em entrevista à Pública, o sociólogo Gabriel Feltran, do Centro de Estudos da Metrópole, comenta a pesquisa que apontou a emergência de valores conservadores entre os moradores das periferias na cidade de São Paulo

por Marina Amaral, da Agência Pública

Professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), coordenador de Pesquisa do Centro de Estudos da Metrópole da Universidade de São Paulo (USP) e pesquisador do Núcleo de Etnografias Urbanas do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), o sociólogo Gabriel Feltran pesquisa a periferia de São Paulo desde 2001. É ele quem comenta a pesquisa qualitativa da Fundação Perseu Abramo, recentemente lançada, sobre o imaginário social dos moradores da periferia de São Paulo. Uma pesquisa importante, segundo o professor, mas que não levou em conta a diversidade entre os moradores da periferia. (mais…)

Ler Mais

Itaú recebe perdão de dívida de mais de R$20 bi de órgão do Ministério da Fazenda

No Brasil de Fato

O Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), órgão vinculado ao Ministério da Fazenda decidiu favoravelmente ao Itaú-Unibanco em processo que cobrava da empresa, atualmente o maior banco do Brasil, o não pagamento de tributos em valor superior a R$ 20 bilhões.

Elaborado pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), o auto de infração que originou o processo é de 2013. Na data, o documento apontava o valor de R$ 18 bilhões, acrescidos de juros e multa. Corrigido, o valor ultrapassa hoje o patamar de R$ 20 bi. (mais…)

Ler Mais

Os fins da Lava Jato

Os enormes escândalos de corrupção do Brasil transformaram a política do país em um esporte espectador

Por Alex Hochuli, na Jacobin/Choldrabolda

Às 6 da noite de ontem, os plenários da Câmara e do Senado do Brasil estavam vazios. Um holocausto político há muito prometido havia chegado. O juiz do Supremo Tribunal, Edson Fachin, havia acabado de autorizar investigações de corrupção sobre quase um terço do gabinete do presidente interino Temer, e uma proporção similar de senadores. A lista a ser investigada totaliza 108 líderes políticos. (mais…)

Ler Mais