Feira de produção indígena na Raposa Serra do Sol mostra que os indígenas não passam fome e produzem a sua própria alimentação saudável

Feira de produção indígena como forma de fortalecimento da produção sustentável e geração de renda

CIR

Desde a decisão definitiva da Terra Indígena Raposa Serra do Sol há sete anos, grupos políticos, latifundiários e demais invasores que ocuparam por longos anos o território tradicional ainda tentam de várias formas reverter a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que decidiu pela posse permanente e usufruto exclusivo dos povos indígenas Macuxi, Wapichana, Taurepang, Patamona e Ingaricó, conforme o decreto homologatório de 15 de abril de 2005. Os políticos tentam com suas inverdades difamar e menosprezar uma luta de mais de 30 anos.    (mais…)

Ler Mais

PR: Festa em Quatro Barras leva ao público sementes crioulas e agricultura familiar

Por Brasil de Fato

O município de Quatro Barras recebe, no próximo domingo (3), a 5ª Festa Regional das Sementes Crioulas. O evento tem o objetivo de fortalecer e valorizar o modelo da agricultura familiar, praticado na contramão do modelo dominante da agricultura em larga escala. A agroecologia tem por prioridade o desenvolvimento de uma produção livre de agrotóxicos e transgênicos, garantindo o alimento e a saúde às próximas gerações.  (mais…)

Ler Mais

Desperdício de alimentos – A legislação brasileira e a falta de estatísticas impedem alcançar a meta de sua redução. Entrevista especial com Walter Belik

Patricia Fachin – IHU On-Line

Apesar de o Brasil ter se comprometido com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável – ODS, oriundos da Conferência Rio+20, para orientar as políticas nacionais nos próximos 15 anos e ter entre suas metas a redução pela metade das perdas e desperdício de alimentos, ainda “não existe nenhuma estimativa sobre o desperdício de alimentos” no país, informa o pesquisador Walter Belik à IHU On-Line. “É uma obrigação dos governos trabalharem essa questão através de um planejamento. Para que o planejamento seja feito, é necessário ter uma linha de base, é preciso levantar as estatísticas sobre perdas e desperdício no Brasil. O governo não está fazendo essa lição de casa. (…) Não tendo uma linha de base, toda a discussão sobre redução de perdas é uma coisa um pouco sem sentido, porque vamos reduzir com base no quê? Qual a informação que temos? Como vamos colocar metas? Então, o ponto inicial, de fato, é a quantificação”, afirma. (mais…)

Ler Mais

Sementes crioulas: a herança da sabedoria ancestral na agricultura

População do semiárido tem a missão de preservar e multiplicar essas sementes que estão ameaçadas pelo agronegócio

Daniel Lamir, Brasil de Fato

O que há dentro de uma semente? Além de códigos de sabores e nutrientes, algumas guardam verdadeiros patrimônios genéticos e culturais. O manejo de sementes é como uma herança da sabedoria ancestral que pode ser contada desde o início da história da agricultura. (mais…)

Ler Mais

A fome no Brasil é uma das facetas das desigualdades. Entrevista especial com Francisco Menezes

Patricia Fachin – IHU On-Line

Para compreender as razões que podem fazer o Brasil retornar ao Mapa da Fome, é preciso olhar a situação do país “do ponto de vista da política”, diz o economista Francisco Menezes à IHU On-Line, ao comentar o relatório de entidades da sociedade civil que alerta para esse risco. “O desemprego atinge um enorme contingente da população em condições de trabalhar e isto é fruto dos equívocos de políticas que não enfrentam os verdadeiros motivos de nossas dificuldades. Portanto, o risco é real”, afirma. (mais…)

Ler Mais

“Alimentamos nosso povo e construímos movimento para mudar o mundo”

A conferência, que acontece a cada quatro anos, é o encontro é o espaço mais importante da tomada de decisões da Via Campesina

Da Página do MST 

Terminou no último dia 24 de julho a 7ª Conferência Internacional da Via Campesina. Cerca de 450 movimentos camponeses de todas as partes do mundo se reuniram para continuar a luta contra o capitalismo e propor medidas concretas para construir um mundo alternativo baseado na dignidade e na soberania alimentar. (mais…)

Ler Mais

La Vía Campesina llama a intensificar la lucha contra el agronegocio, unidxs por la soberanía alimentaria

“Alimentamos a los pueblos y construimos movimiento para cambiar el mundo”

La Vía Campesina 

La Vía Campesina, un movimiento internacional de campesinos que representa a más de 170 organizaciones y movimientos en aproximadamente 72 países del mundo, ha concluido su séptima Conferencia Internacional el sábado 22 de julio, en Derio, en el País Vasco. El evento fue clausurado con una poderosa declaración que llama a intensificar la resistencia contra el agronegocio transnacional, los acaparamientos de tierras a gran escala, la criminalización de las luchas populares, y la creciente xenofobia, racismo y patriarcado. (mais…)

Ler Mais

La VII Conferencia de La Vía Campesina: Campesinos de 70 países se reúnen para crear la Soberanía Alimentaria

¡Alimentamos nuestros pueblos y construimos movimiento para cambiar el mundo!

Via Campesina

19 de julio de 2017: La VII Conferencia Internacional de La Vía Campesina, el mayor movimiento campesino del mundo, comienza hoy en Derio, un pueblo tranquilo en la provincial Biscay del País Vasco y continuará hasta el 24 de julio. Unos 450 movimientos campesinos representantes de todas las partes del mundo se reúnen para continuar la lucha contra el capitalismo y proponer medidas concretas para construir un mundo alternativo basado en la dignidad y la Soberanía Alimentaria.  (mais…)

Ler Mais

Dia Internacional da Biodiversidade: valorização de nossas culturas alimentares e o Direito ao Gosto

Estamos perdendo a nossa rica biodiversidade e nossos alimentos estão sob fortes ameaças em razão de problemas gerados pelo modelo agroindustrial de produção. Contra isso, é fundamental garantir os direitos de quem realmente protege a natureza e produz os alimentos

Por Francileia Paula de Castro e Maria Emília Pacheco¹, na FASE

Quem já ouviu falar e já experimentou frutas como a uvaia, o biribá, o buriti, o umbu, o baru, o pinhão, o açaí, a cagaita? E os tubérculos e raízes, como a nossa conhecida mandioca, aipim ou macaxeira, o mangarito, o inhame roxo? Ou hortaliças como a bertalha, o jambu, o maxixe? Essa variedade de alimentos, originais dos biomas Mata Atlântica, Amazônia, Cerrado e Caatinga, é expressão de nossa rica biodiversidade, historicamente preservada, manejada e cultivada pelos povos indígenas, comunidades tradicionais e pelos agricultores e agricultoras familiares. (mais…)

Ler Mais