Posts tagged: transposição do São Francisco

A canoa de tolda faz parte da história do Velho Chico e do Brasil

canoa de toldaCanoa de tolda; uma lembrança viva para quem viu, um exemplar para vê agora

Correio do Povo de Alagoas

Ao passar pela orla de Penedo deparei-me com uma cena que há décadas Penedo não mostra mais. A presença de uma canoa de tolda ancorada no resto de leito do Velho Chico, nas imediações Rodoviária da cidade.

A minha memoria ainda fértil das lembranças de uma conversa que mantive com Murilo Resende, oriundo da fazenda Intans, pertencente ao Curral das Pedras, município de Gararu que nos relatava no ano comemorativo dos 500 anos do rio São Francisco.

Com a propriedade de quem viveu nos tempos da canoa de tolda, Murilo puxou pela memória que lhe fazia encher os olhos de lágrimas o que passo a narrar. Continue lendo… 'A canoa de tolda faz parte da história do Velho Chico e do Brasil'»

Ribeirinhos realizarão velório para o Velho Chico dia 5, na festa de Bom Jesus dos Navegantes

Velório Velho Chico

População neopolitana se mobiliza via rede social para ir de preto à procissão do Bom Jesus dos Navegantes

Neópolis, como eu vejo

Em 1825, o padre missionário Francisco Correia profetizou: “haverá um dia em que o Rio São Francisco será atravessado a vara em alguns trechos e serão feitos poços em seu leito. Mais de um século após, as imagens que o povo residente no baixo São Francisco tem assistido coincide com a profecia do religioso.

Entre Penedo e Neópolis, município sergipano que faz divisa com o estado alagoano, a rotina dos balseiros e navegantes das lanchas é desviar dos enormes bancos de areia que se formam em meio ao rio, fruto do grave assoreamento. Continue lendo… 'Ribeirinhos realizarão velório para o Velho Chico dia 5, na festa de Bom Jesus dos Navegantes'»

Carta da Foz: 20 Anos da Peregrinação da Nascente à Foz do Rio São Francisco (1992/1993 – 2012/2013)

Articulação São Francisco VivoHá 20 anos, no dia 04 de outubro de 1993, chegávamos aqui à foz do Rio do São Francisco, depois de um ano em peregrinação pelas barrancas, ilhas, povoados e cidades do “Velho Chico”. Buscávamos sensibilizar e mobilizar a população ribeirinha em defesa do seu Rio, dom de Deus, cada vez mais degradado, ameaçado, destruído. E chamar as autoridades às suas responsabilidades por esta situação. Voltamos hoje, 15 de novembro de 2013, acompanhados de mais de 600 pessoas, representantes de 62 entidades sociais de toda a Bacia Hidrográfica, em Romaria à Foz, a celebrar – “tornar célebre”, memorável – aquele evento e seus efeitos para o momento atual.

Um olhar sobre estes 20 anos nos inquieta e provoca ainda mais. É certo que muitas ações foram desenvolvidas, houve lutas e resistências, até autoridades agiram… Mas não foi suficiente para impedir o processo de degradação do Rio São Francisco! Antes, o que ocorreu é que este processo se agravou. A ponto de estudos do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica (NCAR), no Colorado (EUA), concluírem que ele perdeu mais de um terço de sua vazão (35%) ao longo de 56 anos, entre 1948 e 2004, tornando-se um dos grandes rios mais degradados do mundo.

 “Meu Rio de São Francisco, / nesta grande turvação, / vim de dar um gole d’água / e pedir tua benção!” Este era o refrão do canto principal da Peregrinação e dizia bem qual era a sua proposta: chamar a atenção para os problemas do Rio (“grande turvação”) e para a necessidade urgente de lutar em sua defesa (“gole d’água”) e celebrar a fé que anima esta luta e toda a vida (“pedir tua benção”). Imperiosa necessidade de continuar entoando na prática este canto! Continue lendo… 'Carta da Foz: 20 Anos da Peregrinação da Nascente à Foz do Rio São Francisco (1992/1993 – 2012/2013)'»

Romaria à Foz celebra 20 anos da peregrinação pelo Rio São Francisco

CARTAZ ROMARIA FOZ A3.1

Articulação Popular São Francisco Vivo - A Articulação Popular São Francisco Vivo realiza na próxima sexta-feira (15.11), em Penedo (AL) uma celebração que comemora os 20 anos da peregrinação da nascente à foz do Rio São Francisco. A programação começa às 9 horas na Praça da Igreja Nossa Senhora da Corrente, e se estende até as 13 horas, quando os romeiros seguem até Piaçabuçu, de onde partem em barcos para a bênção da Foz do Velho Chico.

Ações em defesa do São Francisco também acontecem dia 14 às 16 horas, no município de Floresta (PE), onde será realizada a bênção da Adutora do Pajeú, que leva água do São Francisco até a Serra Talhada, beneficiando mais de 80mil pessoas. De acordo com Ruben Siqueira, da São Francisco Vivo, o ato é uma crítica à transposição e apoio às obras de pequeno e médio porte propostas pela Agência Nacional de Águas, que realmente atendem às necessidades da população do semiárido. Continue lendo… 'Romaria à Foz celebra 20 anos da peregrinação pelo Rio São Francisco'»

Seca revisitada, por Henrique Kugler

“A caatinga estendia-se, de um vermelho indeciso salpicado de manchas brancas que eram ossadas”, escreve Graciliano Ramos em ‘Vidas secas’. Hoje, porém, não se vê o êxodo em massa de camponeses. Foto: Leo Nunes (Wikimedia Commons – CC BY-SA 3.0)

“A caatinga estendia-se, de um vermelho indeciso salpicado de manchas brancas que eram ossadas”, escreve Graciliano Ramos em ‘Vidas secas’. Hoje, porém, não se vê o êxodo em massa de camponeses. Foto: Leo Nunes (Wikimedia Commons – CC BY-SA 3.0)

Pesquisadores explicam origem do fenômeno que atinge semiárido nordestino e comentam suas consequências sociopolíticas

Por Henrique Kugler, em Ciência Hoje

Sol escaldante no semiárido nordestino. A inclemência das secas há tempo arrasa a terra e a vida do sertanejo. Ainda assim, “apesar das dolorosas tradições que conhece através de um sem-número de terríveis episódios, ele alimenta a todo transe esperanças de uma resistência impossível”, narrou Euclides da Cunha (1866-1909) em Os sertões. Esse texto é de 1902. De lá para cá muito mudou, mas ainda hoje a complexidade do sistema climático continua a desafiar a ciência; e as consequências da seca na região ainda nutrem acirrados debates entre acadêmicos, técnicos e gestores. Continue lendo… 'Seca revisitada, por Henrique Kugler'»

Em meio à transposição, Rio São Francisco morre a cada dia

Trecho do Rio São Francisco na cidade de mesmo nome, onde ele se encontra bastante degradado

Trecho do Rio São Francisco na cidade de mesmo nome, onde ele se encontra bastante degradado

Levantamento do Igam feito em 2012 mostra que o rio é o mais poluído de Minas Gerais

Farol Comunitário – Apesar de ser objeto de um projeto de transposição no Nordeste do Brasil, o Rio São Francisco é um dos cursos d’água mais degradados de Minas Gerais, num trecho bem grande de seu leito no Estado onde nasce.

O relatório de avaliação da qualidade das águas superficiais de 2012, elaborado pelo Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam), mostra que o Velho Chico apresentou nesse ano o pior resultado de densidade de cianobactérias.

O problema levou a Comissão Extraordinária das Águas da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) até o município de São Francisco (Norte de Minas), onde foi realizada audiência pública em agosto deste ano. Continue lendo… 'Em meio à transposição, Rio São Francisco morre a cada dia'»

Gestão da água no semiárido. Entrevista especial com Cristina Nascimento

Foto enviada pela entrevistada

Foto enviada pela entrevistada

“Em Fortaleza, não teve problema de abastecimento de água no período de seca, e a transposição do Rio São Francisco não foi finalizada. Então, quer dizer, o Ceará tem água, mas a distribuição e gestão dela faz com que algumas pessoas passem sede”, afirma a coordenadora executiva da Articulação Semiárido Brasileiro – ASA

IHU On-Line - O investimento do governo na transposição do Rio São Francisco “poderia ter sido transformado em obras de infraestrutura hídrica para sanar o problema do acesso à água” no semiárido, diz Cristina Nascimento à IHU On-Line, em entrevista concedida por telefone. Segundo ela, a transposição é justificada como alternativa para sanar os problemas oriundos da seca e da gestão da água, entretanto, “vai servir aos grandes empreendimentos e indústrias e jamais chegará para as famílias que vivem no interior e sofrem com a escassez”.

Hoje, a principal fonte de abastecimento de água na zona rural do Ceará são as cisternas de placas, instaladas nos quintais das casas dos agricultores. De acordo com Cristina, desde 2007 foram instaladas aproximadamente 22 mil cisternas no semiárido, possibilitando a gestão da água pelos agricultores. “Hoje várias famílias fazem a gestão da água, produzem hortaliças em seus quintais para o consumo e para comercializar, e algumas participaram de feiras agroecológicas durante todo o período de seca. Então, percebemos que as famílias, quando se apropriam da gestão da água, conseguem transformar o que, para nós, parece muito pouco em uma grande possibilidade de produção”, menciona. Continue lendo… 'Gestão da água no semiárido. Entrevista especial com Cristina Nascimento'»

O Brasil na contramão da soberania alimentar. Entrevista especial com Raul Klauser

Foto: http://bit.ly/1bXaedo

Foto: http://bit.ly/1bXaedo

“Estamos assistindo, no país, à elaboração de uma série de políticas que incentivam a monocultura, a exportação de grãos, e isso afeta diretamente a questão da alimentação do povo brasileiro”, diz o coordenador nacional do Movimento dos Pequenos Agricultores – MPA

IHU On-Line - Apesar de os agricultores familiares e os pequenos camponeses serem responsáveis por 70% da produção alimentícia brasileira, “o processo de comercialização da produção é controlado por grandes redes varejistas: Carrefour, Walmart e Pão de Açúcar controlam 80% da circulação de alimentos; são elas que definem os preços dos produtos”, informa Raul Klauser à IHU On-Line, em entrevista concedida por telefone na manhã do Dia Mundial da Alimentação, durante a Jornada Nacional de Lutas por Soberania Alimentar, organizada pelo MPA.

No que se refere à produção de grãos no país, Klauser assinala que “as mesmas empresas que controlam a oferta e comercialização da soja, do milho, produzem os agrotóxicos, os transgênicos, o modelo tecnológico, gerando um controle em torno dos alimentos”. Continue lendo… 'O Brasil na contramão da soberania alimentar. Entrevista especial com Raul Klauser'»

“Transposição do Descaso”

O TEMPO – Onde foi prometida água corrente e em grande volume, hoje, há um cenário de abandono e desperdício de dinheiro público. A faraônica e questionável obra de transposição do Rio São Francisco, iniciada pelo presidente Lula, em 2007, como solução para a seca do nordeste, se transformou no maior retrato a céu aberto de descaso e má gestão do governo petista. São mais de dois anos de atraso atá agora em relação ao cronograma inicial e pelo menos R$ 3,5 bilhões gastos acima do previsto. Esses e outros inúmeros problemas foram registrados de perto pela reportagem O TEMPO durante 17 dias em uma viagem de exatos 5.036 km, ora pelo asfalto ora por estradas de terra, cruzando 16 municípios em três estados – Pernambuco, Paraíba e Ceará. Em boa parte dos chamados eixos Leste e Norte da transposição, onde desde 2011 era para estar passando por canais de concreto a água do Velho Chico, vê-se mato, obras comprometidas pela ação do tempo e desinformação da população local, a maior vítima de promessas políticas não cumpridas. Este especial retrata não só o abandono das obras, como também a vida sofrida do sertanejo naquela região.

Obra tem atraso, falhas técnicas e desperdício de dinheiro

Por Rodrigo Freitas

SERTÃO NORDESTINO. Há dois anos, a paisagem seca do sertão poderia ter começado a mudar, caso o governo federal tivesse cumprido a promessa de entregar as obras de transposição do rio São Francisco em 2011, conforme havia sido previsto pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Desde o início dos trabalhos, em 2007, não faltaram percalços, abandono de construtoras e denúncias de superfaturamento. Continue lendo… '“Transposição do Descaso”'»

Romaria à Foz do Rio São Francisco: 20 anos da Peregrinação

CARTAZ ROMARIA FOZ A3.1

Enviada para Combate Racismo Ambiental por Ruben Siqueira.

“Semana do Rio” anuncia e denuncia a realidade do São Francisco

Foto: Comunicação Irpaa

Foto: Comunicação Irpaa

Comunicação Irpaa

Diversas atividades marcaram a “Semana do Rio” na região no Submédio São Francisco. Estudantes, educadores/as, comunicadores/as, crianças, jovens e adultos da população em geral participaram de momentos como oficinas, exposições fotográficas, passeio educativo, romaria, tudo isso imbuído de reflexões acerca das potencialidades do Rio e também dos impactos e ameaças que vem contribuindo para o atual estado de degradação desde a nascente à sua foz.

Em Curaçá, uma oficina discutiu a importância de uma comunicação a serviço das causas sociais e os diversos usos da água do rio e em seguida uma oficina prática de fotografia registrou aspectos da vida do rio, do povo e também tipos de agressões ao Velho Chico no município. Já em Pilão Arcado, o encontro do Conselho Popular de Saúde e Meio Ambiente, trouxe para o debate a situação de devastação na região, a exemplo do surgimento sucessivo de queimadas e a retirada de água das lagoas marginais, o que prejudica diretamente a pesca artesanal, destacando o descaso do poder público local na busca de soluções. Continue lendo… '“Semana do Rio” anuncia e denuncia a realidade do São Francisco'»

Mudança climática pode inutilizar Transposição do São Francisco

TRANSPOSICAO-OBRAS

Gazzeta – A previsão para o clima no Brasil, nas próximas décadas, com aumento da temperatura, ondas de calor mais forte e chuvas mais acentuadas em um espaço de tempo mais curto, caso se confirme, vai diminuir o índice pluviométrico da bacia do rio São Francisco, tirando 30% do volume atual do rio. Com isso, há o risco de as obras de transposição do rio, quando ficarem prontas, não receberem água suficiente para irrigar as regiões destinadas à agricultura. As informações são da Assessoria de Comunicação do Comitê da Bacia Hidrográfica do São Francisco.

A estimativa foi feita por Eduardo Assad, coordenador de grupo de pesquisa de mudanças climáticas da Embrapa. Os dados estão em estudo sobre mudanças climáticas no Brasil, divulgado durante a 1ª Conferência Nacional de Mudanças Climáticas Globais, realizada em São Paulo.

-

Enviada para Combate Racismo Ambiental por Mayron Borges.

A Peregrinação no São Francisco, 20 anos depois. Uma compreensão comum. Entrevista especial com Ruben Siqueira

DSC_1174

“A peregrinação e os jejuns tornaram-se referências de luta não só para o São Francisco e o Nordeste, neste início de século XXI, ao fazer a ponte entre fé e vida, ecologia e política, indivíduo e sociedade, espiritualidade e luta. Para nós, ribeirinhos e lutadores do São Francisco, revisitar, reviver e manifestar este legado é reencontrar, a despeito da conjuntura adversa, as forças que nos movem a continuar até vencer”, afirma o agente da Comissão Pastoral da Terra – CPT-Bahia

IHU On-LineHá 20 anos o franciscano Luiz Cappio liderou a primeira Peregrinação no Rio São Francisco, que nasce em Minas Gerais e atravessa os estados da Bahia, Pernambuco, Sergipe e Alagoas, para “sensibilizar e mobilizar as comunidades locais para a preservação do Rio”. Passadas duas décadas, o contexto dos moradores que vivem no entorno do Rio São Francisco “acentua os simbolismos desta celebração bidecenal”, diz Ruben Siqueira à IHU On-Line, em entrevista concedida por e-mail.

No próximo dia 15 de novembro, uma Romaria à Foz do São Francisco irá relembrar as ações iniciadas há duas décadas para demonstrar que a “conjuntura política e econômica atual não favorece e até recrudesce as ameaças sobre o São Francisco Rio e Povo”, assinala. Continue lendo… 'A Peregrinação no São Francisco, 20 anos depois. Uma compreensão comum. Entrevista especial com Ruben Siqueira'»

Programação feita por Ricardo Álvares, utilizando uma versão modificada do tema Panorama, criado por Themocracy.