Livro de antropologia histórica premiado em evento de Ciências Sociais disponível para download gratuito

“O Nascimento do Brasil e outros ensaios” ganhou o prêmio de “Melhor Obra Científica” no maior evento de Ciências Sociais do país.

Bruno Leal, Agência Café História

A Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (ANPOCS) em sua edição de 2017, outorgou no último dia 27 de outubro o Prêmio de “Melhor Obra Científica” ao livro O Nascimento do Brasil e outros ensaios: “Pacificação”, Regime Tutelar e Formação de Alteridades, do professor João Pacheco de Oliveira, professor do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da UFRJ (PPGAS/MN). A obra, publicada pela editora Contra Capa, pode ser baixada gratuitamente aqui. (mais…)

Ler Mais

Nota Pública: Cansado do descaso das autoridades, o povo de Correntina reage em defesa das águas

Na CPT – Movimentos sociais e estudantis, organizações, e pastorais assinam Nota Pública para denunciar a crise hídrica sofrida pelas comunidades do Oeste da Bahia devido a degradação dos rios e nascentes pelo agronegócio. Diante do descaso do Estado e dos órgãos de fiscalização, a população realizou manifestação em defesa das águas e da vida na última quinta-feira (02), na região do Distrito de Rosário, em Correntina, na Bahia. Confira:

Nota Pública

A mídia está a noticiar que na manhã de quinta-feira, 02/11/2017, feriado de Finados, houve manifestação de populares nas Fazendas Igarashi e Curitiba, no distrito de Rosário, município de Correntina, na Bahia. Segundo imagens e áudios que circulam pela Internet, estas fazendas teriam sido invadidas e parte de suas máquinas, instalações e pivôs quebrados e incendiados, e que os autores destas ações são populares de Correntina. Segundo os relatos, participaram da ação entre 500 a 1.000 pessoas. (mais…)

Ler Mais

Paraíso ameaçado: Vereadores avaliam permitir construção de prédios em Alter do Chão

Para lideranças locais, proposta visa especulação imobiliária; comunidades tradicionais estariam ameaçadas

Lilian Campelo, Brasil de Fato

Conhecidas como o “Caribe brasileiro”, as praias de Alter do Chão, distrito localizado no município de Santarém, no Pará, podem perder o atual ar bucólico que dá ao local ares de paraíso. Isso porque está em tramitação, na Câmara Municipal da cidade, o Projeto de Lei, PL1621/2017, que pretende autorizar a construção de prédios de até 19 metros de altura.  (mais…)

Ler Mais

Especial Amazônia Resiste: Depois de Belo Monte

Em três semanas de viagem, a reportagem da Pública encontrou indígenas vivendo em palafitas insalubres em Altamira e visitou os Arara na terra indígena mais desmatada recentemente no país

por Ciro Barros, Iuri Barcelos, da Agência Pública

Lentamente Altamira desperta de seu sonho de barragem. Seis anos após o início das obras, a Usina Hidrelétrica de Belo Monte ainda tem um enorme passivo socioambiental a ser encarado. O leque de desafios é tão grande quanto o volume de concreto da terceira maior hidrelétrica do planeta. Do saneamento básico urbano à implementação de planos de atividades produtivas e de vigilância em aldeias indígenas atingidas; da construção de escolas e postos de saúde a problemas nos Reassentamentos Urbanos Coletivos (RUCs), os bairros erguidos pela Norte Energia para reassentar 4 mil das 10 mil famílias removidas pela obra, segundo os números do MAB  (Movimento dos Atingidos por Barragens) e do ISA (Instituto Socioambiental) – a empresa diz que são 8 mil famílias removidas. Foram as más condições dos reassentamentos que motivaram a suspensão da licença de instalação da usina em setembro. (mais…)

Ler Mais

Webdossiê: Flexibilização [sic] da legislação socioambiental brasileira

Por Annette von Schoenfeld, Maureen Santos e Leandro Uchoas, Fundação Heinrich Böll Brasil

O momento exato do início pode não ser preciso, mas é muito visível para quem tem um olhar crítico com critérios de direitos e justiça socioambiental, que o Brasil está vivendo um preocupante quadro de flexibilização. Ao menos desde o debate sobre a reformulação do Código Florestal (Lei 12.651/2012), esse processo de revisão do aparato legal brasileiro na área ambiental se tornou mais óbvio. Historicamente considerados positivos pela comunidade internacional, os direitos socioambientais estão em cheque no país. (mais…)

Ler Mais

RJ – Seminário “A Chegada do Gás de Xisto e do Fracking ao Brasil”

Por Um Brasil Livre de Fracking

O Programa de Pós Graduação em Sociologia e Antropologia (PPGSA/IFCS/UFRJ) e o Instituto Brasileiro de Análises Socioeconômicas (IBASE) convidam para o seminário que marca o lançamento do livro “Fracking e exploração de recursos não convencionais no Brasil: riscos e ameaças”, organizado pelo IBASE. (mais…)

Ler Mais

A Base de Alcântara, no Maranhão, e os interesses dos Estados Unidos

Na política geral do governo Temer, acordo com os Estados Unidos para a utilização da Base de Alcântara configura o caso mais flagrante de cessão de soberania da história do Brasil

Samuel Pinheiro Guimarães*, em Opera Mundi

1.       Os Estados Unidos, além de suas frotas de porta aviões, navios e submarinos nucleares que singram todos os mares, possuem mais de 700 bases militares terrestres fora de seu território nacional nos mais diversos países, em muitas das quais instalaram armas nucleares e sistemas de escuta da National Security Agency (NSA). (mais…)

Ler Mais

Audiência pública discute impactos ambientais e desenvolvimento sustentável da região do Matopiba

Encontro promovido pelo MPF, no dia 29, discutirá resultados do Plano Agropecuário na última fronteira agrícola do Cerrado, que abrange os estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia

Procuradoria-Geral da República

A expansão das atividades agropecuárias e a degradação do meio ambiente na região do Matopiba – que compreende o bioma Cerrado dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia – será tema de audiência pública promovida pelo Ministério Público Federal (MPF) no dia 29 de novembro, na cidade de Corrente (PI). O objetivo do encontro é discutir o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba, previsto no Decreto nº 8.441/2015, com ênfase em seus reflexos ambiental e social. (mais…)

Ler Mais

A curiosa era do “capitalismo gourmet”

Do café “premium” ao azeite de olivas “colhidas ao luar”. Para ampliar margens de lucro e oferecer sensação de exclusividade aos que podem pagar, sistema faz piruetas notáveis

Por Valter Palmieri Júnior*, da Carta Social e do Trabalho  (Cesit/Unicamp), no Outras Palavras

As transformações do processo de diferenciação de consumo de alimentos industrializados que se processaram no Brasil recente foram apelidadas de gourmetização. No nosso entendimento, esse fenômeno deve ser compreendido por meio de um movimento maior, que é a relação entre desenvolvimento capitalista e sociedade de consumo, que tem na desigualdade social um papel central de mediação. (mais…)

Ler Mais

Especial Amazônia Resiste: À espera de Belo Sun

Indígenas Juruna veem o peixe rarear em seu território enquanto o maior projeto de ouro a céu aberto do Brasil se aproxima; documento dos Juruna exige o direito à consulta prévia, previsto em tratado internacional em vigor no país desde 2003

por Ciro Barros e Iuri Barcelos – Agência Pública

Na área de influência direta da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, na Volta Grande do Xingu, os índios Juruna juntam os cacos. “Nós não sabemos se no futuro a gente vai ter condições de continuar vivendo aqui”, conta o professor Natanael Juruna, morador da aldeia Müratu, uma das três da Terra Indígena (TI) Paquiçamba. A jusante da barragem, eles veem sua principal fonte de renda e subsistência, o peixe, rarear. Um monitoramento independente feito pelos indígenas em parceria com a Universidade Federal do Pará (UFPA) e o Instituto Socioambiental (ISA) revela que a produção pesqueira caiu praticamente pela metade entre os meses de janeiro de 2015 e 2016, período no qual houve o barramento do rio. Os dados da própria Norte Energia apontam para a questão da mortandade de peixes: segundo o 11º Relatório de Monitoramento Socioambiental Independente, entre novembro de 2015 e junho de 2016, mais de 19 toneladas de peixes morreram – o dobro do que os Juruna pescaram em três anos. (mais…)

Ler Mais