Conselho Terena realiza sua 11ª Grande Assembleia na T.I. Taunay-Ipegue, Mato Grosso do Sul

O Conselho Terena realizará a 11ª edição da Grande Assembleia Terena, entre os dias 29 de novembro a 02 de dezembro de 2017, na Aldeia Água Branca, Terra Indígena Taunay-Ipegue, Mato Grosso do Sul. Abordando temas como demarcação de terras indígenas, atendimento à saúde nas comunidades, educação escolar indígena, sustentabilidade e participação política dos povos indígenas, o evento contará também com plenária da juventude indígena, reunião das mulheres, oficina de grafismo Terena e formação para conselheiros tutelares que atuam nas aldeias indígenas. (mais…)

Ler Mais

A Escola Yanomami: levando e trazendo histórias, por José Ribamar Bessa Freire

No Taqui Pra Ti

De Roraima – A fugaz convivência com mais de cem índios Yanomami e Ye’kuana, nessa semana, de repente me proporciona a doce sensação de que estou aqui no lago Caracaranã, para cumprir, embora sem igual competência, missão similar à do contador de histórias na sociedade Matziguenga. A existência dele não foi registrada pela literatura etnográfica, mas o viajante francês Paul Marcoy jurou tê-lo ouvido, em 1846. A controvertida figura do kenkitsatatsiriras, ou seja, “aquele que conta histórias”, foi recriada ficcionalmente por Vargas Lllosa no romance “El hablador”. (mais…)

Ler Mais

Repentina e sem razão perceptível, substituição na PF merece suspeitas, por Janio de Freitas

Na Folha

A articulação é muito maior do que parece. Tomam-se como casos isolados, cada qual com existência e sentido próprios, a mudança na Polícia Federal, a divisão conflituosa do PSDB e as obscuridades da nova Procuradoria-Geral da República. São, no entanto, partes que se interligam em um todo de ações e expectativas ansiadas pelos políticos acusados de ilicitudes, ou passíveis de sê-lo. (mais…)

Ler Mais

‘A casa é derrubada, Maria da Penha não’: a permanência da memória na Vila Autódromo

Por Luisa Fenizola, no Rio On Watch

“A casa é derrubada, Maria da Penha não.” Foi com essa frase, repetida inúmeras vezes em um vídeo projetado na parede da Casa de Estudos Urbanos, que iniciou-se a fala pública sobre o projeto Céu Aberto na última terça-feira, dia 7 de novembro, denotando que a memória da Vila Autódromo vive nos corpos e na luta de seus moradores, dos quais Maria da Penha talvez seja a mais ilustre. Desenvolvido pelos moradores da Vila Autódromo juntamente a um grupo de artistas, arquitetos, pesquisadores e curadores, o projeto Céu Aberto faz parte de uma iniciativa desenvolvida pelo Instituto Goethe em seis cidades da América Latina chamada O Futuro da Memória. A iniciativa busca articular a memória aos processos históricos de violência do Estado, conflitos armados e movimentos de resistência social, buscando disputar as narrativas oficiais e contribuir para as lutas locais. (mais…)

Ler Mais

Procurador que venceu prêmio do CNMP é afastado do trabalho em defesa do povo Cinta Larga

Por Luciana Oliveira, no Rondônia Dinâmica

A Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público Federal não acatou recurso do procurador Reginaldo Trindade para continuar desenvolvendo o trabalho em defesa do Povo Cinta Larga, etnia que vive em região rica em diamantes e conflitos na divisa dos estados de Rondônia e Mato Grosso. (mais…)

Ler Mais

Fundo eleitoral tira R$ 70 milhões da Saúde em 2018

Recursos vão sair das emendas coletivas impositivas

No O Tempo

Brasília. O fundo eleitoral de R$ 1,75 bilhão para custear campanhas com dinheiro público vai reduzir aplicação de verbas na saúde, ao contrário do que os parlamentares prometeram quando propuseram o novo gasto político como forma de financiar as campanhas eleitorais, como alternativa à proibição das doações eleitorais por empresas. (mais…)

Ler Mais

Suzane Jardim: “É uma obrigação dos movimentos sociais pensarem a questão racial para além dos meses temáticos e datas simbólicas”

Historiadora, blogueira e ativista, Suzane Jardim, fala sobre a importância do Novembro Negro e sobre questões raciais

Por Leonardo Fernandes, da Página do MST

No dia 20 de novembro do ano de 1695 era assassinado Zumbi dos Palmares, que deixou um legado de luta pela liberdade do seu povo. Mais de 300 anos se passaram para que em 2003 a data entrasse oficialmente nas efemérides do calendário escolar, prestando a justa e simbólica homenagem. (mais…)

Ler Mais

Em ação inédita no país, Rio Doce entra na Justiça contra desastre

Na ação, o Rio Doce está representado pela Associação Pachamama, que atua na América Latina

Na Gazeta On Line

Pela primeira vez na história do Brasil, um rio entra com uma ação judicial. Ela foi ajuizada contra o governo federal e o governo de Minas Gerais e pede um Plano de Prevenção a Desastres para proteger toda a população da bacia do Rio Doce. (mais…)

Ler Mais

A nebulosa saga das indenizações bilionárias que a Samarco recebe “por lucros cessantes”

A 12ª Vara da Justiça Federal em Belo Horizonte deve voltar a julgar na próxima terça-feira a ação da Samarco que pede a liberação dos 300 milhões de reais bloqueados a pedido do Ministério Público como garantia mínima para o ressarcimento do crime ambiental de novembro de 2015. No artigo abaixo, Christian Russau, ativista e membro da diretoria da Associação dos Acionistas Críticos, da Alemanha, nos dá ainda mais dados para avaliar o quanto esse pedido é obsceno. (Tania Pacheco).

Por Christian Russau, para Combate Racismo Ambiental

Ninguém sabe, afinal, quanto custará a devida, justa e inteira recuperação do Rio Doce morto pela lama da Samarco. Não há comparativos na história. Mas, para se ter uma ideía: Klement Tockner, então diretor do Instituto alemão Leibniz para Ecologia Aquática e Pescaria na Água Doce (Leibniz-Institut für Gewässerökologie und Binnenfischerei), instituto internacionalmente  renomado e referência mundial para a ecologia aquática, com sede em Berlim, capital alemã, lembrou numa palestra, em janeiro de 2016, que a recuperação ambiental do rio Reno na Alemanha (recuperação ambiental relativa, de forma que não se aconselha beber a água do rio Reno sem antes o devido tratamento) após 150 anos de poluição industrial custou à União, aos Estados e Municípios 100 bilhões de Euros (equivalente atualmente a 380 bilhões de Reais). As estimativas sobre os custos totais de recuperação do Rio Doce oscilam entre 20 e 155 bilhões de Reais. É bem provável que nem esse último valor seja suficiente para cobrir todos os danos, tendo em vista os custos da experiência alemã com o rio Reno. (mais…)

Ler Mais

O mito da democracia racial

Por Mônica Fenalti Delgado Pasetto, no GGN

Caetano Veloso, tratando sobre o nascimento de sua amizade com Gilberto Gil, no livro Verdade Tropical conta que sua mãe um dia lhe disse: “Caetano, venha ver o preto que você gosta”. E o cantor registra ainda: “Eu sentia a alegria por Gil existir, por ele ser preto, por ele ser ele, e por minha mãe saudar tudo isso de forma tão direta e tão transcendente”. (mais…)

Ler Mais