A guerra civil escapuliu da periferia. E agora?

Por Carlos Alberto Dayrell

Os últimos eventos de radicalização da direita fascista frente à ousadia das forças vinculadas diretamente a Lula ao pôr os pés nos campos do Sul, por ser tão próximo, nos deixa difícil para avaliar até onde podem ir os desdobramentos da luta de classes que vem reverberando sob a insígnia daquilo que muitos já denominam como “lulismo”.

A complexidade das forças que promoveram o golpe judiciário-parlamentar-midiático-colonialista e que, a partir do mês de fevereiro, explicita também a perspectiva militarista, nos leva a antever a possibilidade de estarmos vivenciando, de fato, um período já muito próximo de uma guerra civil.  (mais…)

Ler Mais

Projeto que permite plantio de cana na Amazônia tem votação adiada

Amazônia.org*

Foi adiada mais uma vez a votação do projeto que autoriza o plantio de cana-de-açúcar em áreas já alteradas e nas áreas do bioma Cerrado e dos campos gerais situadas na Amazônia Legal. O texto (PLS 626/2011) é polêmico porque, apesar do potencial econômico apontado pelos seus defensores, críticos da mudança alegam que há riscos ambientais.

De acordo com o presidente do Senado, Eunício Oliveira, o adiamento se deu em razão do baixo quórum em Plenário. Antes da votação, após reunião de líderes, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) havia prometido apresentar um requerimento para adiar a votação por 30 dias e obstruir a votação, se necessário. Para Randolfe, o projeto é um erro, não somente do ponto de vista ambiental. (mais…)

Ler Mais

Apib divulga a convocatória do Acampamento Terra Livre (ATL) 2018

Face a esse cenário de barbárie, que atinge não apenas os povos indígenas, a APIB convoca aos povos e organizações indígenas de todas as regiões do país para a maior mobilização nacional indígena do ano: o ATL que será realizado em Brasília – DF, no período de 23 a 27 de abril

Cimi

Nunca como hoje, nos últimos 30 anos, o Estado brasileiro optou por uma relação completamente adversa aos direitos dos povos indígenas. O governo ilegítimo de Michel Temer assumiu uma política declaradamente anti-indígena pondo fim à demarcação e proteção das terras indígenas, acarretando a invasão dessas terras por empreendimentos governamentais e privados. Impulsionou ainda o desmonte das instituições e políticas públicas voltadas aos povos indígenas e está sendo omisso e conivente com as práticas de discriminação e violência de toda ordem contra os povos e comunidades indígenas até mesmo em territórios já regularizados. Medidas administrativas e jurídicas são adotadas para restringir os direitos indígenas. Destacam-se entre estas, além das distintas reformas (trabalhista, previdenciária, privatização de empresas estatais etc.) que atingem toda a população brasileira, o congelamento do orçamento público por 20 anos, por meio da Emenda Constitucional 95, envolvendo o já reduzido orçamento do órgão indigenista. A Advocacia Geral da União, a serviço do governo golpista, institui o Parecer 001 / 17, que pretende generalizar para todas as terras indígenas as condicionantes definidas pelo Supremo Tribunal Federal exclusivamente para a terra indígena Raposa Serra do Sol e ainda querendo consolidar a tese do marco temporal que remete o reconhecimento do direito territorial indígena à data de promulgação da Constituição Federal, em 5 de outubro de 1988. (mais…)

Ler Mais

Deputado que mais desmatou, filho de Kátia Abreu legisla a favor de empresários rurais

O legado que a senadora Kátia Abreu tem deixado a seu filho mais velho, Irajá Silvestre Filho (PSD-TO), não é apenas financeiro e político

Por Ana Magalhães, da Repórter Brasil* / CPT

Atualmente sem partido, a ex-ministra da Agricultura do governo Dilma Rousseff (PT) foi eleita “Miss Desmatamento” pelo Greenpeace, em 2009. Irajá Abreu, deputado federal hoje em seu segundo mandato, é o campeão de desmatamento na Câmara. (mais…)

Ler Mais

Crime que se renova: exames comprovam metais pesados em atingidos pela Samarco

Onze moradores de Barra Longa (MG) apresentam altos índices de arsênio e níquel no sangue. Nesta terça-feira (27) foi realizada coletiva de imprensa, em Belo Horizonte (MG), para analisar os dados dos exames realizados pelo Instituto Saúde e Sustentabilidade

MAB / CPT

No primeiro semestre de 2017, um exame de sangue realizado pelo Instituto Saúde e Sustentabilidade em onze moradores de Barra Longa, município atingido pelo rompimento da barragem de Fundão, comprovou níveis acima do normal de níquel e arsênio, além de baixa concentração de zinco, que é inibido pelo níquel. (mais…)

Ler Mais

Tiros contra caravana de Lula mostram que já começamos transição à barbárie, por Leonardo Sakamoto

No Blog do Sakamoto

Dois ônibus da caravana que o ex-presidente Lula realiza na região Sul foram atingidos por tiros entre as cidades de Quedas do Iguaçu e Laranjeiras do Sul, ambas no Paraná. Ninguém ficou ferido. O veículo que transportava parte dos jornalistas que estão cobrindo os atos ostentava buracos de bala.

”Ouvi um barulho de pedra, olhei para os lados e não vi ninguém tacando. Só tivemos certeza que era tiro quando paramos o ônibus porque haviam jogado ‘miguelitos’ [pregos entrelaçados para furar pneus] e vimos as marcas de fora”, afirmou ao blog um dos jornalistas que estavam no ônibus. (mais…)

Ler Mais

Autor do PL que criminaliza MST e MTST apresentou 29 projetos contra povos indígenas e quilombolas

Jerônimo Goergen (PP-RS) é citado em delação da JBS, maior doadora de sua campanha em 2014; deputado também é acusado de manter funcionário fantasma em seu gabinete

Por Cauê Seignemartin Ameni, De Olho nos Ruralistas

Coordenador de Infraestrutura e Logística da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), o deputado federal Jerônimo Goergen (PP-RS) conseguiu no dia 13 de março as assinaturas necessárias para tramitar em caráter de urgência um Projeto de Lei que tipifica como terroristas as ocupações feitas por movimentos sociais. O PL tem como alvo, segundo o próprio deputado, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) e o Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), por causa das ocupações de terras. (mais…)

Ler Mais

‘Monstro, prostituta, bichinha’: como a Justiça condenou a 1ª cirurgia de mudança de sexo do Brasil e sentenciou médico à prisão

Waldirene estava constrangida e acuada. Na noite anterior, dois homens haviam entrado na escola onde ela estudava inglês, no interior de São Paulo, para levá-la coercitivamente para o Instituto Médico Legal da capital, a mais de 400 quilômetros. Ao chegar lá, foi obrigada a se despir, mantendo apenas as sandálias de salto plataforma baixo. Era 1976, em plena ditadura militar – o diretor do IML, Harry Shibata, seria posteriormente considerado conivente com a repressão

Nua, Waldirene passou a ser fotografada. Primeiro, de frente. A jovem loira, de 30 anos, 1,72 metro de altura, olhava para o chão, evitando o homem por trás das câmeras. Seus lábios estavam cerrados. Os braços, colados ao lado do corpo, enquanto as pernas apertavam-se uma contra a outra, em uma tentativa de se proteger da exposição. Pediram a ela que se virasse de um lado, de outro e depois se sentasse. Em cada posição, uma nova foto. (mais…)

Ler Mais

Prisão do Padre Amaro: Mais um atentado aos defensores de direitos humanos na Amazônia

Movimentos sociais da região do Xingu divulgam carta coletiva contra a prisão arbitrária do Padre Amaro, militante da luta pela terra na região. Leia a seguir.

***

“Nesta manhã de terça-feira (27 de março), a região do Xingu (PA) foi surpreendida com a injusta prisão preventiva do padre católico e defensor de Direitos Humanos e ambientais, José Amaro Lopes de Sousa.

Padre Amaro, como é conhecido pelo povo do Xingu, há décadas atua como missionário da Prelazia do Xingu na Região da Transamazônica, seguindo os passos do seu mestre Jesus Cristo e continuando a luta da irmã Dorothy, com o Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS) Esperança. Ele foi preso provisoriamente no início da Semana Santa, data simbólica na fé cristã que rememora a morte e ressureição de Jesus Cristo. (mais…)

Ler Mais

O script do terror e a investigação (tardia) do homicídio de Marielle

Por Roberto Tardelli, no Justificando

Até que ponto é aceitável que, passados mais de duas semanas do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e seu motorista, Anderson Gomes, não se tenha elucidado o crime? Investigações sobre homicídios são, em geral, diferentes daquelas que se fazem em outros delitos.

No roubo e/ou no tráfico, via de regra, a investigação se restringe a eventuais prisões em flagrante, não raro ilegais. O traficante é surpreendido porque, por mais clandestino que seja em sua atividade, ela é de comércio, enfim, não prescinde da sua rede de freguesia. (mais…)

Ler Mais