A cidade mais violenta do país: em 15 anos, taxa de homicídios em Altamira aumentou 6 vezes

Construção da usina de Belo Monte levou a crescimento rápido e desordenado que estimulou violência na cidade paraense, segundo pesquisador do Ipea

por Yago Sales*, A Ponte

Quando o repórter-cinematográfico Carlos Calaça, de 31 anos, recebe fotos e vídeos com informações pelo WhatsApp, monta na Yamaha XTZ 125 preta e segue, com uma câmera e um microfone acoplado, para qualquer lugar dos 159 695,938 km² de Altamira, no Pará, a 817,6 km de Belém, a capital. Mesmo de folga na emissora de TV em que trabalha, ele não deixa de passar na delegacia ou segue algum carro da Polícia Militar. A intenção dele é registrar a tragédia cotidiana no município mais violento do país, segundo o Atlas da Violência 2017. O estado do Pará consta como o quinto mais violento do Brasil. (mais…)

Ler Mais

Belo Monte faz de Altamira o município mais violento do Brasil

No MAB

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) divulgou nesta segunda-feira (5 de junho) o Mapa da Violência 2017 e trouxe Altamira (PA) figurando no papel de município mais violento do Brasil. A pesquisa utilizou dados de 2015, ano do pico das obras da hidrelétrica de Belo Monte. De acordo com o estudo, feito em parceria com o Fórum de Segurança Pública, o município tem a maior taxa de homicídios e mortes violentas com causas indeterminadas de todas as cidades brasileiras com mais de 100 mil habitantes. (mais…)

Ler Mais

Belo Monte. Boom populacional, desemprego, tráfico e exploração sexual. Entrevista especial com Assis Oliveira

Patricia Fachin – IHU On-Line

Os processos migratórios gerados por conta da construção da hidrelétrica de Belo Monte, em Altamira, no Pará, como a “realocação das famílias nas áreas atingidas pelo alagamento decorrente do lago da hidrelétrica” e a “migração da população que trabalhou diretamente no empreendimento a partir de setembro de 2015”, algo em torno de 15.680 trabalhadores, “geraram um impacto profundo e problemático nas relações de convivência social, na geração de renda, na circulação de riquezas e, entre outras coisas, nas próprias dinâmicas de produção da violência social”, diz Assis Oliveira, professor da Universidade Federal do Pará – UFPA, à IHU On-Line. (mais…)

Ler Mais

TRF1 recebe lideranças indígenas para tratar de processo envolvendo a usina de Belo Monte

Evento intermediado pelo MPF contou com a presença do líder indígena cacique Raoni Metuktire

Por Procuradoria Regional da República – 1ª Região

O Ministério Público Federal (MPF) intermediou no último dia 27 de abril, um encontro entre os desembargadores do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) Souza Prudente e Jirair Menguerian, e líderes da etnia indígena Kaiapó. O objetivo da reunião foi esclarecer os desembargadores responsáveis pelos processos envolvendo a Usina Hidrelétrica de Belo Monte e outros empreendimentos. (mais…)

Ler Mais

TRF1 suspende licença de instalação da mineradora canadense Belo Sun, no Xingu

Decisão atende pedido do MPF e considera que a concessão da licença, pela Secretaria de Meio Ambiente do Pará, descumpriu ordem judicial por não avaliar impactos sobre indígenas

MPF/PA

O Tribunal Regional Federal da 1a Região suspendeu a Licença de Instalação concedida pelo governo do Pará à mineradora canadense Belo Sun Mining Corporation, que projetou a instalação da maior mina de ouro do Brasil na mesma região afetada pela usina hidrelétrica de Belo Monte, na chamada Volta Grande do Xingu, entre Altamira e Senador José Porfírio. Até hoje, a empresa não apresentou estudos válidos do impacto do projeto sobre os povos indígenas da região. (mais…)

Ler Mais

TRF1 suspende licença de operação da usina de Belo Monte

Pela decisão, o reservatório da usina não pode ser formado até que seja realizado o saneamento básico de toda a cidade de Altamira (PA)

MPF

A Corte Especial do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) acatou recurso do Ministério Público Federal (MPF) e determinou a suspensão da Licença de Operação da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. Foram nove votos a favor e cinco contra. O funcionamento da usina havia sido suspenso por liminar concedida pela Justiça Federal no Pará até que fosse integralmente realizado o saneamento básico da cidade de Altamira (PA), uma das condicionantes do empreendimento. (mais…)

Ler Mais

No fim do mundo de Alice Juruna tem Peppa Pig, por Eliane Brum

Impactados por Belo Monte, ameaçados por Belo Sun, os indígenas da Volta Grande do Xingu acordam a cada dia com o temor de que a catástrofe final chegará no próximo segundo

No El País Brasil

É difícil explicar o que é etnocídio. Morte cultural de um povo. Parece sempre abstrato, coisa de antropólogo. Mas Luane Alice pode nos contar como um jeito de ser e de estar no mundo morre. E contar também que é bem menos abstrato do que parece. Há menos de dois anos, em setembro de 2015, a canoa onde eu navegava na Volta Grande do Xingu alcançou Muratu, a aldeia dos Juruna. Crianças indígenas saltavam do barranco para o rio, numa alegria que há muito eu não via em crianças urbanas. De fato, talvez nunca tenha visto em crianças urbanas. Por alguns instantes, elas voavam. Foi num ponto deste voo que o fotógrafo Lilo Clareto congelou a imagem de Alice, a mais animada delas. Hoje, a imagem segue existindo como arte. E como documento. Mas a vida já não existe. (mais…)

Ler Mais

Norte Energia nega-se a prestar contas a comunidades afetadas por Belo Monte

Empresa responsável por hidrelétrica não compareceu à audiência convocada pelo MPF para discutir condições de vida de indígenas e ribeirinhos

Por Isabel Harari, no ISA

Cerca de 300 pessoas – entre indígenas, ribeirinhos, representantes do governo, setor privado e sociedade civil – lotaram o auditório do centro de Convenções de Altamira (PA), na terça (21/3). O tema da Audiência Pública, convocada pelo Ministério Público Federal (MPF), foi a discussão da garantia das condições de vida na Volta Grande do Xingu, região mais impactada pela instalação da hidrelétrica de Belo Monte e ameaçada com a eventual instalação da mineradora canadense Belo Sun. (mais…)

Ler Mais

Moradores do Xingu mais impactados por Belo Monte vivem na incerteza e na pobreza

Em audiência pública, comunidades de ribeirinhos, garimpeiros e indígenas da Volta Grande do Xingu confrontaram dados do Ibama e da Norte Energia, que se recusou a participar do diálogo

MPF/PA

A hidrelétrica de Belo Monte só poderá mover suas turbinas e gerar energia quando estiver completamente pronta, em 2019, por causa do sacrifício da Volta Grande do Xingu, uma região antes conhecida pela imensa riqueza que continha em sociobiodiversidade, tanta que foi selecionada pelo Ministério do Meio Ambiente como área de alto interesse para conservação. A importância do local não impediu a obra e a situação ficou ainda mais tensa quando a empresa canadense Belo Sun, do banco Forbes&Manhattan, iniciou junto ao governo do Pará, em 2009, um processo de licenciamento para instalar a maior mina de ouro do Brasil no mesmo local. Hoje, depois do fechamento da barragem no rio e com a empresa canadense comprando terras irregularmente e fechando pequenos garimpos, os 100 quilômetros da Volta Grande são habitat para a incerteza, o medo e a pobreza que mantém em suspenso a vida de dezenas de comunidades indígenas, ribeirinhas e garimpeiras. (mais…)

Ler Mais

Ribeirinhos expulsos por Belo Monte apresentam lista de moradores que devem voltar ao Xingu

Comunidades tradicionais dos beiradões do Xingu querem ser reconhecidas e reassentadas em torno do reservatório da hidrelétrica.

MPF/PA

Dezenas de famílias de ribeirinhos que tiveram suas histórias bruscamente interrompidas pela construção da usina de Belo Monte, no Xingu, travam uma batalha desde 2015 para terem voz e direitos reconhecidas no processo de licenciamento da hidrelétrica, que se instalou ignorando e tornando invisíveis as comunidades mais características de qualquer rio amazônico. A batalha tem momentos definitivos esta semana, em Altamira, quando o documento chamado de Relatório de Reconhecimento Social, elaborado pelos próprios ribeirinhos como resultado de um processo de identificação comunitária, vai ser debatido com o Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente) e a Norte Energia. (mais…)

Ler Mais