O dilema do dilema das redes: a internet é o ópio do povo

Mauro Iasi faz uma leitura marxista do novo documentário da Netflix sobre as engrenagens perversas das redes sociais.

No Blog da Boitempo

O capital tem que ser crisálida por um tempo antes de poder voar como borboleta”
KARL MARX, GRUNDRISSE, p. 453.

O dilema do documentário O dilema das redes (2020) é muito comum em documentários deste tipo. Nos apresentam uma série de dados, fatos e denúncias – todos muito preocupantes – mas lhes faltam categorias de análise para compreender a questão que denunciam. Podemos ver tal problema em bons documentários, como Uma verdade inconveniente (dirigido por Davis Guggenheim e apresentado por Al Gore, 2006) ou mesmo no brasileiro Democracia em vertigem (dir. Petra Costa, 2019).

(mais…)

Ler Mais

Lançada a Rede Irerê de proteção à Ciência

Por Bruno C. Dias, na Abrasco

O canto do Irerê, ave que anima a natureza e alerta a presença de predadores, serviu de inspiração para a criação da Rede Irerê de Proteção à Ciência. Lançada na noite do último dia 16, a Rede, que conta com o apoio da Abrasco, marca um novo momento de fortalecimento e defesa do conhecimento crítico, tendo a abrasquiana Lia Giraldo da Silva Augusto como coordenadora executiva.

(mais…)

Ler Mais

Governo se recusa a consultar indígenas e MPF envia representação ao TCU contra a Ferrogrão

Cinco associações da sociedade civil também assinam o documento que pede a suspensão da licitação da ferrovia

Ministério Público Federal no Pará

O Ministério Público Federal (MPF) em conjunto com cinco organizações da sociedade civil enviaram, na segunda-feira (19), representação ao Tribunal de Contas da União (TCU) pedindo a suspensão cautelar do processo de desestatização e a proibição da licitação da Ferrogrão, ferrovia projetada para cortar os estados do Mato Grosso e do Pará, entre os municípios de Sinop e Itaituba, com potencial impacto sobre 48 territórios de povos indígenas. O governo brasileiro se recusa a realizar consulta aos povos afetados, mesmo tendo recebido pelo menos oito pedidos de associações indígenas, duas recomendações do MPF e depois de ter se comprometido a respeitar o direito de consulta prévia, livre e informada previsto na Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

(mais…)

Ler Mais

O (quase) consenso da maconha

Parlamentares de esquerda e direita se unem a militantes e pesquisadores pela aprovação do uso medicinal da cannabis

Por Igor Carvalho, Agência Pública

“Essas questões têm que ter mais discussão em casa, na família e na escola. Não podemos ter tabu, temos que quebrar o tabu e discutir o tema. Não tem que liberar e nem proibir, tem que regulamentar e informar, da mesma forma que se faz com o álcool. É uma questão de democracia, ou você confia que as pessoas aprendem e decidem ou não tem jeito.” A frase foi dita pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso para um seleto grupo de empresários que pagou R$ 1.500 para participar do Cannabis Thinking, um congresso sobre as possibilidades da cannabis medicinal para o mercado brasileiro ocorrido no dia 7 de março em São Paulo.

(mais…)

Ler Mais

Nota Técnica compara serviço do INPE ao que governo quer contratar

Estudo foi realizado após os constantes ataques do governo aos dados divulgados pelo INPE

Por Fernanda Soares, Jornal do SindCT

Um estudo realizado por servidores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE, resultou na publicação de uma Nota Técnica comparando os serviços de monitoramento realizados pelo sistema DETER, desenvolvido pelo instituto, com a solução tecnológica que vários setores do governo têm procurado promover, da empresa Planet Labs Inc, representados no Brasil pela Santiago & Cintra Consultoria.

(mais…)

Ler Mais

A fogueira do Grande Inquisidor. Por Gilvander Moreira[1]

Ao escrever O Grande Inquisidor, um pequeno, mas denso, eloquente e contundente capítulo do último romance “Os Irmãos Karamazov”, Fiódor Dostoiévski, em 1879, parece que estava revelando a Inquisição em pleno vapor no Brasil, em 2020, sob o arbítrio de muitos Grandes Inquisidores, disfarçados. Lobos em pele de ovelhas, com sede de sangue, continuam atiçando a fogueira da fome, na qual o estômago de mais de 10 milhões de irmãs e irmãos nossos ronca e faz o corpo tremer como se estivesse sendo eletrocutado por fios elétricos de tortura. Mães e avós muitas vezes têm que reprimir as lágrimas para não chorar na presença de filhos/as e netos/as implorando por um pedaço de pão. Centenas de agrotóxicos, que não são defensivos agrícolas, mas produtos tóxicos, injetam arma química no prato do povo brasileiro que, ao comer, está contraindo câncer, obedecendo cegamente os ditames de um mercado idolatrado.

(mais…)

Ler Mais

Governo Bolsonaro prevê leilão para exploração mineral na Amazônia ainda em 2020

Projeto do governo para região conflita com cultura de populações tradicionais e atende interesse do capital estrangeiro

Por Catarina Barbosa, Brasil de Fato

Estão previstos para este ano leilões de outorgas para exploração de mineração e concessão de logística e infraestrutura na Amazônia. A proposta do governo federal prevê o ato como parte integrante do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI).

(mais…)

Ler Mais

Pará tem 8 das 10 unidades de conservação mais desmatadas da Amazônia

Por Marcos Furtado,  O Eco

Oito unidades de conservação do Pará ficaram entre as 10 mais desmatadas da Amazônia, no mês de setembro. Os dados são do Deter, sistema do INPE que faz o monitoramento sobre as alterações na cobertura florestal. Dos 964,45 km² desmatados na Amazônia Legal, quase a metade, mais de 44% (425,99 km²), pertence ao estado. O território paraense aparece no topo da lista de maneira consecutiva desde maio.

(mais…)

Ler Mais

Para Guedes, críticas por escalada recorde de queimadas e ataques contra Povos Indígenas são “exagero”

ClimaInfo

Em evento virtual com investidores e empresários norte-americanos, o ministro da economia reclamou das críticas à explosão dos incêndios florestais na Amazônia e no Pantanal e os sucessivos ataques sofridos pelos Povos Indígenas brasileiros nos últimos meses. Para Paulo Guedes, as justas críticas que o governo federal vem sofrendo por conta dessas situações seriam um “exagero” e serviriam para promover a narrativa dos “perdedores da eleição”. Ele ainda defendeu o uso das Forças Armadas em ações de combate ao desmatamento e às queimadas na Amazônia, retrucando com uma frase “curiosa”, por falta de um termo mais educado. “Preservamos os índios, demos 14% do território para menos de 0,5% da população”. “Demos” quem, cara pálida?

(mais…)

Ler Mais