‘Prefiro morrer de fome na Venezuela do que agredido aqui’, diz imigrante atacado por brasileiros na fronteira em RR

Por Inaê Brandão e Valéria Oliveira, G1 RR, Boa Vista

Venezuelanos atacados por brasileiros em um ato em Pacaraima, cidade na fronteira, relataram terem sofrido sucessivas agressões neste sábado (18). Pela manhã, moradores da cidade praticaram atos de violência, destruíram acampamentos e expulsaram os imigrantes da ruas. Com medo, muitos deles decidiram voltar a pé para o país.

O tumulto na fronteira começou por volta das 7h deste sábado quando moradores de Pacaraima incendiaram pertences de imigrantes depois de um comerciante brasileiro ter sido assaltado na cidade. A suspeita é que venezuelanos tenham cometido o crime, o que revoltou a população. (mais…)

Ler Mais

Em 20º dia de greve de fome, manifestantes recebem delegação da Contag

Em ato realizado neste domingo (19), grevistas receberam solidariedade de parlamentares e outros apoiadores

Por Cristiane Sampaio, no Brasil de Fato

Os sete militantes de movimentos populares que estão em greve de fome desde o dia 31 de julho em Brasília (DF) continuam recebendo, diariamente, visitas e manifestações de apoio. Neste domingo (19), foi a vez de os grevistas contarem com a presença de cerca de 120 representantes da Escola Nacional de Formação da Contag (Enfoc), a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura. (mais…)

Ler Mais

Roupas de refugiados sendo queimadas mostram ao mundo um Brasil sem governo. Por Leonardo Sakamoto

No blog do Sakamoto

Parte da responsabilidade pelas turbas enfurecidas de brasileiros que perseguiram refugiados com paus e pedras, derrubaram suas tendas e queimaram seus pertences, neste sábado (18), em Pacaraima (RR), em resposta ao assalto e agressão a um comerciante local, deve entrar na conta de políticos, comunicadores e figuras públicas que vêm elevando o tom contra os venezuelanos que fogem da catástrofe social sob o governo Nicolás Maduro. (mais…)

Ler Mais

Candidato do Novo incita crime “contra a esquerda” em propaganda eleitoral

Por João Filho, no The Intercept Brasil

Se há algo que me tira do sério são os abutres que têm surgido no cenário eleitoral querendo se aproveitar da carniça que virou a política brasileira nos últimos anos. Aqueles que se vendem como novidade para enfeitiçar o eleitor cansado, perdido e que não se sente representado por ninguém. Aberrações como João Doria Jr. e o partido Novo, por exemplo, se apresentam com alguns penduricalhos pretensamente inovadores, mas na essência representam o que há de mais antiquado. Não há novidade quando empresários e banqueiros milionários — que enriqueceram à sombra da velha política  — abrem mão de salário público e fundo partidário para poder arrotar superioridade moral. O que há é demagogia. Tentam conferir um ar de anti-establishment para si próprios, mas nasceram e se criaram dentro do sistema e nenhuma das novidades propostas pretende arranhar seus privilégios. (mais…)

Ler Mais

Caracas pede que Brasil garanta direitos de venezuelanos atacados em Roraima

Chancelaria venezuelana expressou sua “preocupação” pelos ataques, “atos que violentam as normas de direito internacional, além de vulnerar” direitos humanos

No Opera Mundi

O governo da Venezuela pediu às autoridades brasileiras respeito aos direitos humanos dos venezuelanos radicados em Pacaraima, Roraima, que foram vítimas neste sábado (18/08) de ataques de parte da população local. A Chancelaria expressou sua “preocupação” pelos ataques aos imigrantes venezuelanos, somados aos desalojamentos massivos, “atos que violentam as normas de direito internacional, além de vulnerar seus direitos humanos”. (mais…)

Ler Mais

Governo recorreu a inverdades para desconsiderar tratados internacionais. Por Janio de Freitas

Comitê da ONU diz que país deve garantir o direito de Lula disputar a eleição

Na Folha

O Direito de Curitiba prospera, com a velocidade da regressão brasileira. O governo adotou-o para sua reação imediata ao comunicado do Comitê de Direitos Humanos da ONU pelo direito de Lula à candidatura, mesmo preso. Por intermédio de dois ministros, o governo desconsiderou um tratado e um pacto internacionais, como se tornou usual aqui com a Constituição e com os códigos penais. E recorreu a uma inverdade, como é comum e premiado nas delações dirigidas. Nada de mais, portanto, a não ser pelo comprometimento moral do país já no plano das suas responsabilidades internacionais. (mais…)

Ler Mais

Escola sem Partido ‘disfarçada’ avança na Câmara Municipal de São Paulo

PL 816/2017, do ex-vereador Gilberto Nascimento Jr (PSC), prevê que as escolas consultem pais sobre atividades que os filhos podem participar por “motivos de crenças, opiniões ou valores familiares”

Por Cida de Oliveira, da RBA

São Paulo – Há em todo o país pelo menos 125 projetos de lei para a criação da chamada Escola sem Partido em estabelecimentos de ensino municipais e pelo menos 25 para que essa ideologia seja implementada na rede estadual, conforme mapeamento do coletivo Professores contra o Escola sem Partido. (mais…)

Ler Mais

Nancy Fraser: necessitamos de “reformas não-reformistas”

Diante do crescimento do populismo de direita em todo o mundo, Nancy Fraser sustenta: há revolta positiva no ar; é preciso dar-lhe sentido

Entrevista a Shray Mehta, no Outras Palavras

“Quando emergem na cena política personagens como Jair Bolsonaro, parte da esquerda tende a uma atitude defensiva. Em face de um perigo corretamente associado ao fascismo e à violência, seria o caso de preservar a normalidade do sistema institucional, e mesmo de convocar alianças em seu favor. A repercussão que o discurso de ódio encontra entre parcelas amplas da sociedade indicaria que é hora de refrear o passo, até que a onda regressiva se esvazie. (mais…)

Ler Mais

Carta aberta ao General Mourão, o índio do Amazonas. Por José Ribamar Bessa Freire

“Vamos à luta, lutar para vencer. Se for preciso, lutar até morrer”.
(Flávio de Souza, 1968)

Exmo, Sr. General de Exército Antônio Hamilton Martins Mourão
Mui digno candidato a vice presidente da República

O senhor acaba de se identificar oficialmente como “indígena” ao registrar candidatura no Tribunal Superior Eleitoral. Isso foi logo após a repercussão negativa de sua fala a empresários da Câmara de Indústria e Comércio de Caxias do Sul, quando afirmou que o Brasil é subdesenvolvido, porque“herdou a cultura de privilégios dos ibéricos, a indolência dos índios e a malandragem dos africanos”, o que desagradou seus próprios eleitores que não gostaram de se ver assim retratados.  Parece que a mão esquerda tentou consertar, então, o que fez a mão direita, mas disso decorrem problemas de raciocínio. Por isso, desejando elucidar a lógica de sua estreia espalhafatosa no cenário político nacional, me inspiro no saudoso Waldick Soriano e lhe “escrevo essa carta, mas não repare os senões”.  (mais…)

Ler Mais