Kaiowá sofrem quatro ataques em menos de um mês na Reserva de Dourados/MS, último ocorreu durante visita da Cidh

Ataques resultam em 19 feridos por tiros de bala de borracha e gude, sendo que 1 indígena foi baleado duas vezes, em datas diferentes e com munição letal

por Michelle Calazans, em Cimi

O histórico de violência na Reserva Indígena de Dourados/MS tem se agravado ano após ano. Os povos indígenas dessa região são vítimas do colapso social que a área centenária está submetida, que reflete o contexto de negligência territorial por parte do Estado brasileiro, da falta de medidas protetivas eficazes, das relações exploratórias que os indígenas estabeleceram com não-indígenas para sobreviverem e da situação de confinamento humano que permite uma descontrolada gama de violências. Atualmente, a reserva indígena de Dourados possui a maior população indígena do país, somando mais de 16 mil pessoas.  (mais…)

Ler Mais

Fórum de Políticas Públicas Indigenistas: uma ação unificada em defesa da Vida

Por Lígia Apel, do Cimi

A defesa da democracia sem criminalização das pessoas, com defesa das liberdades individuais e coletivas, do direito à participação popular nas decisões políticas e do direito à livre manifestação política garantida aos povos pan-amazônicos, indígenas e não-indígenas. Esse foi o preceito estabelecido no Fórum Regional de Políticas Indigenistas, realizado no Centro de Treinamento Irmão Falco, em Tefé, nos dias 12 e 13 de novembro. (mais…)

Ler Mais

ENSP lança Núcleo de Ecologias, Epistemologias e Promoção Emancipatória da Saúde em Encontro de Saberes

No Informe Ensp

A Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) realizará, de 26 a 28 de novembro, o Encontro de Saberes: Ecologias, Epistemologias e Promoção Emancipatória. O encontro marcará o lançamento do Núcleo de Ecologias, Epistemologias e Promoção Emancipatória da Saúde (NEEPES), criado no âmbito da ENSP e que reúne pesquisadores de diversos departamentos e unidades da Fiocruz. Segundo o coordenador do Núcleo, Marcelo Firpo, o principal objetivo do NEEPES é o desenvolvimento conceitual e metodológico na articulação de três campos de conhecimento – a saúde coletiva, a ecologia política e as epistemologias do Sul – em torno das lutas sociais por saúde e justiça (social, ambiental, sanitária e cognitiva) das populações excluídas das cidades, campos e florestas. As inscrições para participar do Encontro devem ser feitas até 22/11, através do link AQUI(mais…)

Ler Mais

Lideranças Guarani Mbya denunciam mapeamento indevido em áreas indígenas no Rio Grande do Sul

De forma velada ou explícita, militares do exército brasileiro, representantes do governo de transição no RS e do Conselho Estadual de Educação Alimentar questionam situação fundiária e processo demarcatório das terras indígenas

Por Michele Callazans, no Cimi

Lideranças indígenas Guarani Mbya das comunidades de Capivari, Canta Galo, Estiva e Itapoã, do Rio Grande do Sul, denunciaram, nesta semana, o questionamento e mapeamento, no mínimo estranhos, de militares do exército brasileiro, de representantes do governo de transição do Estado e do Conselho Estadual de Educação Alimentar, acerca da questão fundiária e do processo de demarcação das terras indígenas na região. É a primeira vez, desde a promulgação da Constituição Federal de 1988, que os povos indígenas são abordados dessa maneira. (mais…)

Ler Mais

Justiça dá prazo de 72 horas para executar despejo de comunidade Guarani Kaiowá

Se não abandonar terra, parte do tekoha Laranjeira Nhanderu pode ser despejada com uso de força policial; comunidade aguarda demarcação há uma década

Por Tiago Miotto, Cimi

A Justiça Federal de Dourados determinou que a comunidade Guarani Kaiowá do tekoha – lugar onde se é – Laranjeira Nhanderu desocupe parte de uma fazenda retomada no município de Rio Brilhante, no Mato Grosso do Sul. Caso não desocupem a área em 72 horas, contadas a partir de quarta-feira (14), a força policial pode ser utilizada para executar a reintegração de posse contra a comunidade. (mais…)

Ler Mais

Indígenas que sofreram impacto com atividades da Mineração Onça Puma serão indenizados pela Vale

Procuradoria Regional da República da 1ª Região

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) decidiu, na última terça-feira (13), que as comunidades indígenas Xikrin e Kayapó devem ser indenizadas pelos danos ambientais e à saúde sofridos com a Mineração Onça Puma, subsidiária da Vale que atua na extração de ferro-níquel no sul do Pará. Também foi determinada a a paralisação das atividades de exploração mineral, até que a empresa cumpra obrigações socioambientais, apresentando programas mitigatórios e compensatórios em favor das etnias atingidas. (mais…)

Ler Mais

Após nove meses, moradores de Barcarena cobram indenizações da Hydro Alunorte

Desde 2000, foram registrados 22 desastres ambientais em Barcarena

Maíra Heinen, da Radioagência, no Brasil de Fato

Doenças de pele, problemas neurológicos e até câncer. Dona Ângela Vieira, da Associação Quilombola de Barcarena, explica que essas são algumas das consequências para moradores atingidos por vazamentos de rejeitos da mineradora Hydro, há nove meses, no município de Barcarena, no Pará. (mais…)

Ler Mais

Dossiê-denúncia: ameaças e violações ao direito humano à água em Minas Gerais

Após três anos do rompimento da Barragem de Fundão, em 05/11/2018, o Movimento pelas Serras e Águas de Minas (MovSAM), disponibiliza para download gratuito, em formato e-book, o Dossiê-denúncia: ameaças e violações ao direito humano à água no Quadrilátero Ferrífero Aquífero de Minas Gerais, documento que foi entregue ao Relator do Direito Humano à Água Segura e Esgotamento Sanitário da ONU, Prof. Léo Heller, em 04/11/2016. (mais…)

Ler Mais