População deveria estar em pânico com a destruição do SUS, único capaz de enfrentar o coronavírus. Artigo de Deisy Ventura

Na Carta Campinas

Em artigo publicado esta semana, a professora titular da USP e coordenadora do doutorado em Saúde Global e Sustentabilidade da Faculdade de Saúde Pública (FSP), Deisy Ventura, fez um alerta sobre como a destruição de um sistema público de saúde, como o SUS, pode ser perigoso em caso de epidemias como o coronavírus e outras emergências.

Os planos de saúde particulares não vão fazer nada e também não podem fazer nada contra a entrada de vírus no Brasil. Esses planos só serão acionados após você já estar infectado. A prevenção é responsabilidade de um sistema público bem organizado, com profissionais bem pagos, valorizados e qualificados. Como bem lembrou postagem de Patricia Jaime, o combate depende de um trabalho de vigilância sanitária e controle epidemiológico. “Todas as manchetes sobre o coronavírus que estão alarmando as populações mundo afora fariam melhor serviço se semeassem o pânico quanto ao desmonte dos sistemas públicos de saúde e à desvalorização da ciência”, afirmou Deisy Ventura. Veja artigo:

(mais…)

Ler Mais

Dataprev: trabalhadores estão parados por tempo indeterminado

Greve contra a privatização da empresa estatal que detém dados da Previdência chega a mais de 20 unidades da federação

por Nara Lacerda, em Brasil de Fato

Servidores da Dataprev estão em greve por tempo indeterminado em mais de 20 estados e no Distrito Federal. A paralisação ocorre em resposta ao processo de privatização da empresa pública de tecnologia, que hoje é responsável por todo o banco de dados da Previdência no Brasil. Os trabalhadores protestam contra o programa de desligamento voluntário em curso, que, segundo eles, esconde um processo de demissão em massa e visa fechar 20 unidades da empresa em diversos estados.

(mais…)

Ler Mais

Bolsonaro insulta jornalistas em vez de dar respostas sobre seu governo. Por Janio de Freitas

Presidente não dá explicação satisfatória às relações comerciais do seu secretário de Comunicação

Na Folha

“Cala a boca!”. “Você tá falando da tua mãe?“. Ainda não foi dessa vez. A repórter e o colega ficaram impassíveis, tal como outros jornalistas profissionais têm suportado as reações de Jair Bolsonaro a perguntas que não pode responder, apesar de legítimas e necessárias. Mas não está eliminada a possibilidade, um dia qualquer, de que um repórter não aceite ver sua mãe em frase de moleques, e reaja à altura. Pode ser outra a frase insultuosa, e sempre será uma situação sem precedente, porém não exótica.

(mais…)

Ler Mais

A refinada operação pelo subdesenvolvimento

Em criminoso “erro”, Agência Nacional de Petróleo admite abandonar refinarias estatais. Medida obrigará país a processar cada vez mais petróleo no exterior. População pagará, pelos combustíveis, o que o mercado global quiser cobrar

Por Artur Araújo*, para a Federação Nacional dos Engenheiros

O Brasil importou 11% da gasolina, 23% do diesel, 33% do gás de cozinha e 12% do querosene de aviação que consumiu em 2018, mesmo em quadro de paradeira econômica e demanda reduzida. Em torno de R$ 70 bilhões foram gastos em moeda estrangeira. Os dados relativos ao ano passado devem ser divulgados ainda no primeiro trimestre de 2020 e certamente terão perfil semelhante.

(mais…)

Ler Mais

Em estudo pelo governo, privatização do Inpi, órgão que analisa patentes, deve encarecer medicamentos

Proposta é criticada por empresários da indústria farmacêutica nacional; já a associação que representa as multinacionais não se opõe à medida

Por Diego Junqueira, no Repórter Brasil

“Insana”, “insensata” e “preocupante”. É assim que empresários brasileiros da indústria farmacêutica e especialistas em acesso a medicamentos avaliam a proposta de privatização do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi), atualmente em estudo pelo Ministério da Economia. 

(mais…)

Ler Mais

Resposta a Bolsonaro. Por Vinícius Fernandes da Silva

No GGN

O presidente Jair Bolsonaro, em conversa com jornalistas no dia de hoje, abordou assuntos a respeito dos livros didáticos e mencionou o Colégio Pedro II, instituto federal de ensino básico sediado no Rio de Janeiro.

Em sua fala o presidente disse que o CPII “acabou”.

Como professor efetivo e com dedicação exclusiva de uma das unidades (temos 11) da centenária instituição, me perguntei sobre as muitas interpretações que o verbo “acabar” pode suscitar. Cheguei a algumas conclusões e tomarei como referência somente o resultado do Campus Centro no ENEM 2018, porém somando as médias de todos os outros campus, o efeito seria praticamente idêntico.

(mais…)

Ler Mais

Entrevista: Sandices de Weintraub abrem as portas para invasão por universidades estrangeiras, diz ex-reitor da UFABC

Por Nathalia Braga, no The Intercept Brasil

POUCAS COISAS PODERIAM ser mais diferentes de uma plantação de maconha do que o laboratório de engenharia onde conversei em meados de dezembro com o professor Luiz Bevilacqua, dentro do campus da Universidade Federal do Rio de Janeiro, a UFRJ. Não que surpreenda que as sandices do atual ministro da educação, Abraham Weintraub, não tenham lastro algum na realidade. Além de descrever as “extensas plantações de maconha” presentes nos campi das federais, Weintraub também gosta de reforçar que as universidades brasileiras – ele é empregado de uma delas – são irrelevantes.

(mais…)

Ler Mais

Como a privatização de duas estatais coloca em risco a segurança dos seus dados

Iniciativa privada pode não garantir segurança de dados sigilosos armazenados por Serpro e Dataprev

Por Nara Lacerda, no Brasil de Fato

Na lista de estatais que o governo Bolsonaro inseriu no chamado Programa de Parcerias de Investimento (PPI) e que podem ser privatizadas estão duas das maiores empresas de tecnologia do país, o Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) e a Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência (Dataprev).

(mais…)

Ler Mais

Nossas torneiras controladas por corporações?

Projeto que privatiza saneamento avançou silencioso no Senado. Represas e rios poderão cair em mãos de transnacionais como Nestlé e Coca Cola, que já controlam fontes em todo mundo. Foi assim com minérios, hidrelétricas, telefonia…

por Paulo Kliass, em Outras Palavras

Tem gente que chama esse tipo de situação de coincidência. Outras pessoas, mais sofisticadas, apelam para Carl Jung e falam em sincronicidade. Enfim, o fato que nos interessa reter no momento é que quase nada acontece por acaso. Ainda mais nesses tempos difíceis do bolsonarismo e da noite de trevas do neoliberalismo em que as forças do conservadorismo pretendem nos enfiar.

(mais…)

Ler Mais

Adeus à Água como Bem Comum?

Bolsonaro e Congresso empurram, a toque de caixa, projeto que pode acabar com empresas públicas de Saneamento. Conheça os antecedentes; a participação da Coca-Cola, do senador Jereissati e dos EUA. E não estranhe o silêncio da mídia…

por José Álvaro de Lima Cardoso*, em Outras Palavras

O problema da falta de água, que é diagnosticado em várias partes do mundo, afeta sempre a sociedade de forma diferenciada. Como todo direito básico existente, quem enfrenta dificuldades no acesso a água são sempre os mais pobres, o que ocorre tanto nos países imperialistas centrais, quanto nos subdesenvolvidos. Os EUA e a Europa também enfrentam grandes problemas de falta de água, a maioria dos rios dos EUA e do Velho Continente estão contaminados. No caso dos EUA, o próprio desenvolvimento recente da indústria extrativa de gás de xisto contribui para a contaminação dos lençóis de água.

(mais…)

Ler Mais