“As pessoas não lembram que havia um ecossistema para as araucárias”

Para Clóvis Borges, da SPVS, não há tempo para grandes campanhas nacionais para salvar a floresta com araucária. Ele defende incentivos econômicos para preservar o que restou em terras privadas

Por Alexandre Mansur, no Blog do Planeta

Não há motivo algum para orgulho ou celebração no Dia Nacional da Araucária, neste sábado (24). A árvore, símbolo do Sul do Brasil, faz parte do ecossistema mais devastado e ameaçado do país. Poucos brasileiros sabem que a araucária originalmente faz parte de uma floresta temperada nacional, numa paisagem praticamente varrida do nosso mundo. Essas florestas de coníferas do Brasil cobriam 200 mil quilômetros quadrados, o equivalente ao território do Paraná. Na última estimativa, feita pela Fundação de Pesquisas Florestais do Paraná em 2001, restava 0,8% da floresta. Mas de lá para cá o desmatamento continuou.  Restaram poucas manchas da floresta original. E elas estão em perigo. Apesar de o corte ser proibido, a tentação dos proprietários é grande para converter em madeira o que restou das araucárias em floresta nativa. Esse quadro quase desesperador é traçado por Clóvis Borges, diretor da Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS). Ele tem esperança de salvar os últimos nacos da floresta com araucária com incentivos econômicos.

ÉPOCA – Por que devemos nos preocupar com a floresta com araucárias?

Clóvis Borges – É a floresta temperada de coníferas brasileira. Um ecossistema típico do Sul do Brasil. Rico em biodiversidade, inclui os campos naturais. Ao longo das últimas décadas, a madeira dessa floresta foi usada para alimentar um ciclo econômico insustentável em Santa Catarina e no Paraná. Houve um tempo em que a economia da região girou em torno da madeira. Mas esse ciclo se exauriu na década de 1960. Hoje restam poucos remanescentes dessa floresta. E com pouca proteção.

ÉPOCA – Por quê?

Clóvis – A araucária é o símbolo de vários municípios. Está na bandeira de Curitiba. O nome da cidade significa “região de muitos pinhões”. Apesar dessa carga simbólica toda, a sociedade não tem um entendimento do patrimônio natural como um bem comum de todos. Não valoriza. Ficamos atrás da Argentina, que tem uma cultura de parques próxima à dos Estados Unidos. Falta em geral aos brasileiros um orgulho de ver a área natural protegida. De saber que pode visitar e desfrutar. Quando surge um novo parque, é como se fosse uma guerra. O reflorestamento ou a plantação de florestas é sistematicamente usado na mídia para se referir a plantações de espécies exóticas, como eucalipto e pinus. A floresta é um tipo de vegetação complexa. A monocultura de pinus e eucalipto não é floresta. A usurpação dessa terminologia pela monocultura é sabiamente utilizada no mal sentido para colocar tudo na mesma bandeja.

ÉPOCA – Como explicar que a floresta com araucária está ameaçada se há tantas árvores de araucária no Sul?

Clóvis – É uma grande confusão. Que talvez não tenha surgido por acaso. O fato de ter uma árvore ou outra perdida em Curitiba cria a ilusão de que não precisamos salvar a floresta. As pessoas olham para a árvore na rua ou no quintal de casa e não lembram que havia um ecossistema. São dois problemas. O primeiro é a falta de entendimento popular. A segunda é uma tendência da academia de apoiar a ideia de que as últimas áreas com araucária precisam passar por manejo. Um proprietário que tem 200 hectares de floresta com araucária deve, pela legislação vigente, proteger essa área. Mas a mentalidade predominante é antiga. Dizem que é preciso deixar o proprietário cortar as araucárias para poder sobreviver. Senão ele detona toda a floresta e vai plantar soja. É uma estratégia perniciosa de interesse do proprietário que tem esse patrimônio.Eles não enxergam a floresta como patrimônio natural. Mas como metro cúbico de madeira.

ÉPOCA – Como está a floresta com araucária hoje?

Clóvis – A floresta é um ambiente associado à Mata Atlântica. Havia 200.000 quilômetros quadrados de floresta com araucária no Sul do Brasil. Ela era predominante no Paraná e em Santa Catarina. Com manchas no Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Mas essa floresta foi extirpada entre os anos 1940 e 1960. Em 1965, surgiu o Código Florestal. Só a partir daí houve algum controle da exploração de floresta nativa. Mesmo assim, entre 1965 e 2006, apesar do Código Florestal, os órgãos ambientais do Paraná e de Santa Catarina licenciaram planos de manejo de floresta com araucária. Eles não reconheceram o decreto federal da Mata Atlântica de 1993, que proíbe o corte da floresta. Eles se recusam a admitir que a floresta com araucária é parte da Mata Atlântica, e tem o mesmo nível de proteção, embora o decreto de 1993 diga isso de forma bem clara. Em 2001, saiu um levantamento sobre a situação da floresta com araucária. No Paraná, restou 0,8% da floresta original. E 0,1% dos campos naturais.

ÉPOCA – Se a floresta com araucária é o bioma mais ameaçado do Brasil, por que essa luta não foi encampada por todo o país? Por que essa floresta não é motivo de preocupação nacional, como a Amazônia?

Clóvis – Escrevi há alguns anos uma carta ao Greenpeace perguntando se eles não queriam criar uma campanha pela preservação da floresta com araucária. Responderam que só trabalham para grandes causas. Que só conseguem se concentrar na Amazônia. Para não diluir as campanhas. Os biomas mais ameaçados do Brasil pagam por uma situação unilateral. Todos os grandes esforços internacionais vão para salvar a Amazônia. Mas precisamos cuidar de todos os ecossistemas da América do Sul. Temos um problema de foco.

ÉPOCA – Qual é o melhor lugar para uma pessoa conhecer uma floresta com araucária?

Clóvis – A Área de Preservação Ambiental da Escarpa Devoniana é uma característica topográfica do Paraná. Ao longo dela há trechos de floresta. Alguns têm cachoeiras e fauna, como lobo-guará. Mas os deputados do estado querem reduzir em dois terços a proteção da área. O Cânion de Itaimbezinho oferece uma imersão. Mas esse lugares mostram a floresta de solo ruim, arenoso. As florestas mais exuberantes, com árvores de 5 metros de diâmetro, não existem mais. Eram chamadas de floresta preta, pela densidade da mata. O sol não passava. Você ia de Curitiba a Foz do Iguaçu passando por estradinhas no escuro, quase sem ver o sol, pela cobertura das árvores gigantes. Esse era o relato dos viajantes. É isso que perdemos.

ÉPOCA – Qual é a prioridade agora para salvar a floresta com araucária?

Clóvis – Não temos mais grandes áreas para proteger. Só áreas pulverizadas. Acredito mais no instrumento econômico que incentive os pequenos proprietários a preservar. Isso é mais importante do que uma campanha agora para a sociedade ficar ligada na importância do ecossitema. Não dá tempo. A situação é desesperadora. As últimas áreas estão sendo desmatadas. O proprietário que ainda tem algo precisa ser reconhecido, premiado, remunerado. Agora é corpo a corpo para salvar cada área. Fizemos um programa de desmatamento evitado para proteger 40 áreas privadas no Rio Grande do Sul e Paraná. Durante cinco anos, remuneramos mensalmente o proprietário. Depois que o programa acabou, um terço dos proprietários criou Reserva Particular do Patrimônio Natural [RPPNs] em suas áreas.

Foto: Lídia Lucaski

Enviada para Combate Racismo Ambiental por Isabel Carmi Trajber.

 

Ler Mais

Organizações da sociedade civil denunciam: veto às MPs 756 e 758 é mera manobra

Vale considerar ainda o fato de Temer ter divulgado o veto exatamente antes de embarcar para viagem à Rússia e à Noruega, cujo Ministro do Meio Ambiental divulgou dura nota (AQUI) ameaçando retirar os recursos para a proteção da Amazônia por conta do aumento do desmatamento na região. (TP)

***

Nota pública de organizações da sociedade civil contra a manobra do governo Temer para reduzir nível de proteção de quase 600 mil hectares de unidades de conservação (mais…)

Ler Mais

Governo da Noruega dá bronca em Brasil sobre floresta, às vésperas de visita de Temer

Ministro do Meio Ambiente norueguês manda carta a Sarney dizendo que “futuro da parceria” com Brasil dependerá da reversão da alta do desmatamento na Amazônia; presidente veta MPs polêmicas, mas destino de áreas protegidas é incerto

Por Cláudio Angelo, no Observatório do Clima

O ministro do Meio Ambiente da Noruega, Vidar Helgesen, enviou na última sexta-feira uma carta a seu colega brasileiro, Sarney Filho (PV-MA), manifestando dúvidas sobre a continuidade e a utilidade do Fundo Amazônia diante da alta das taxas de desmatamento e da série de propostas em discussão no governo e no Congresso para enfraquecer a proteção ambiental no Brasil. (mais…)

Ler Mais

‘O modelo agroexportador brasileiro é completamente contrário ao Acordo de Paris’

Por André Antunes – EPSJV/Fiocruz

O presidente Michel Temer regulamentou na semana passada o Acordo de Paris, que estabelece metas de redução das emissões de gases causadores do efeito estufa. O gesto, que foi interpretado como uma tentativa de buscar apoio em meio à crise política que ameaça seu governo, veio poucos dias após o anúncio, pelo presidente Donald Trump, da retirada dos Estados Unidos do Acordo, firmado em 2015 durante a Cúpula do Clima de Paris, a COP 21. O doutor em Ciências Atmosféricas e professor da Universidade Estadual do Ceará (UECE) Alexandre Costa, fala, nesta entrevista, sobre o significado geopolítico da saída dos Estados Unidos, segundo maior emissor mundial de gases de efeito estufa, do Acordo de Paris, e também sobre o que significa sua regulamentação pelo governo brasileiro. Segundo ele, ao que tudo indica o gesto deve ser apenas simbólico, uma vez que uma das principais bases de sustentação do governo Temer é a bancada ruralista, que vem se mobilizando para garantir a aprovação, no Congresso Nacional, de inúmeros projetos que flexibilizam a legislação ambiental brasileira. De acordo com Alexandre, o avanço da agenda da bancada que representa os interesses do agronegócio no Congresso significa retrocessos para o combate ao desmatamento, a principal causa de emissão de gases de efeito estufa no Brasil. O professor da UECE fala também sobre as limitações do Acordo de Paris, que ele considera insuficiente, e sobre a resistência da indústria dos combustíveis fósseis ao avanço das medidas de combate ao aquecimento global. (mais…)

Ler Mais

Governo está prestes a aprovar projetos a favor de grilagem e outras crimes ambientais

Por Mauricio Torres, Sue Branford, no The Intercept Brasil

“Não é pra tirar madeira, é pra tirar minério que eu quero a terra”, explicou-nos no final de abril um grileiro do Pará que se dizia dono de alguns milhares de hectares dentro do Parque Nacional do Jamanxim. A madeira retirada de lá, ele já saqueou e “esquentou” com documentos que atribuíam outra origem a ela e possibilitaram sua venda. Mas um garimpo de grandes dimensões para extração de cassiterita, como é de seu interesse agora, dificilmente passaria despercebido como a pilhagem madeireira, uma vez que as Unidades de Conservação (UCs) constituem um enorme obstáculo ao negócio. (mais…)

Ler Mais

Madeireiros se reúnem e ameaçam invadir aldeia Pyhcop Catiji Gavião (MA) a qualquer momento

Por Assessoria de Comunicação – Cimi

Integrantes da Guarda Florestal Indígena do povo Pyhcop Catiji Gavião, da aldeia Rubiácea, bloquearam nesta terça-feira, 13, uma estrada aberta por madeireiros utilizada para a retirada ilegal de madeira da Terra Indígena Governador, no sudoeste do Maranhão. Um integrante do bando criminoso forçou a passagem e o conflito se estabeleceu, ainda sem notícia oficial de feridos. Desde então, em represália, os madeireiros passaram a se concentrar e ameaçam invadir a aldeia Rubiácea a qualquer momento. (mais…)

Ler Mais

Audiência pública evidencia relação entre desmatamento do Cerrado e crise hídrica em centros urbanos

Evento realizado na Câmara dos Deputados em Brasília pede aprovação de lei que transforma Cerrado e Caatinga em patrimônios nacionais.

Por Emmanuel Ponte e Juliana Câmara, na CPT

Na manhã desta quinta-feira (01/06), aconteceu audiência pública destinada a “Debater os desdobramentos da PEC 504/2010, que reconhece os biomas, Caatinga e Cerrado como Patrimônio Nacional, nas políticas públicas de desenvolvimento urbano e moradia popular”, no âmbito da Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara dos Deputados. Solicitada pelo deputado Luiz Couto (PT-PB) ao presidente da Comissão Givaldo Vieira (PT-ES), a audiência tratou das consequências da devastação do Cerrado e da Caatinga nos centros urbanos do país. Ao fim do evento, Vieira se comprometeu a encaminhar indicação para que o plenário da Câmara vote a Proposta de Emenda Constitucional. (mais…)

Ler Mais

Desmatamento na BA cresce 207% em um ano; uma das causas, expansão da fronteira agrícola

Relatório da SOS Mata Atlântica em parceria com o Inpe mostra aumento de 57% no Brasil; pecuária, carvão e eucalipto aparecem como fatores de destruição

Por Izabela Sanchez, De Olho nos Ruralistas

O nível de desmatamento da Mata Atlântica aumentou 57,7% em todo o território nacional em um ano. Os dados são do Atlas da Mata Atlântica, produzido pela SOS Mata Atlântica em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O bioma está presente em 17 estados. Entre 2015 e 2016, período monitorado, perdeu 29 mil hectares de floresta nativa. (mais…)

Ler Mais