Um dos agrotóxicos liberados em janeiro pelo governo Bolsonaro chama-se Topatudo

Empresa gaúcha que pediu o registro do pesticida, uma variação do cancerígeno glifosato, tem conexões familiares com gigantes do ramo da soja no Mato Grosso e com o vice-governador do estado, Otaviano Pivetta; produto é importado da chinesa Rainbow Chemical

Por Julia Dolce, em De Olho nos Ruralistas

Topatudo. É esse o nome de um dos agrotóxicos “extremamente tóxicos” liberados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento neste início de ano. Uma variação do glifosato, a marca está na lista de pesticidas liberados de forma recorde – dois a cada três dias – pelo governo Bolsonaro: “Conheça as empresas que pediram os novos pesticidas ‘extremamente tóxicos’“. De Olho nos Ruralistas se perguntou: quem lucra com o Topatudo?

(mais…)

Ler Mais

Los dueños del agro y la alimentación

Informe revelan que grandes empresas del sector de alimentos no muestran preocupación por “el hambre, el cambio climático, la sostenibilidad, la enfermedad y la injusticia”. El modelo de agronegocio sobreexplota los ecosistemas. Más del 20 por ciento de las superficies agrícolas sufre degradación del suelo y ese mal avanza a la velocidad alarmante de doce millones de hectáreas por año.

Por Darío Aranda, en EcoPortal / Servindi

Un informe de organizaciones alemanas muestra cómo unas pocas corporaciones manejan el sistema alimentario del planeta. El agronegocio y la complicidad de los gobiernos. El caso argentino: los pueblos fumigados y la expulsión de Monsanto de una localidad cordobesa.

(mais…)

Ler Mais

Agrotóxicos e autismo: relação demonstrada

Maior pesquisa já feita sobre a exposição a venenos agrícolas, durante a gravidez, conclui que ela aumenta risco de desenvolver transtorno. Dados parecem devastadores

Por Raquel Torres, no Outra Saúde

Durante a gravidez e na primeira infância, a exposição a alguns dos agrotóxicos mais usados no mundo está ligada a um maior risco de as crianças desenvolverem o Transtorno do Espectro Autista. Essa é a conclusão de um dos maiores estudos já realizados sobre esses efeitos, e o artigo foi publicado ontem no British Medical Journal.

(mais…)

Ler Mais

Marcelo Firpo: ‘Se quisermos retornar a democracia teremos que construir um outro modelo de desenvolvimento’

Por Daiane Batista, no blog do CEE-Fiocruz

“Temos uma relação de neoextrativismo e envenenamento, não só dos trabalhadores e da população, mas das bases civilizatórias da democracia e da proteção da vida e do meio ambiente. Estamos em um grande abismo civilizatório”. A análise é do pesquisador Marcelo Firpo da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Ensp/Fiocruz). Coordenador do Núcleo Ecologias, Epistemologias e Promoção Emancipatória da Saúde (Neepes) da instituição, Marcelo discute o atual cenário brasileiro no que tange à liberação desregulamentada de agrotóxicos no país, em comentário ao blog do CEE-Fiocruz. Em 2019, já são 74 produtos ligados a agrotóxicos – cerca de um por dia – liberados, sendo já com formalização no Diário Oficial da União. “A forma com que a regulação está sendo violentamente quebrada, só é possível porque o Brasil é um caso absurdo do que alguns autores chamam de paraíso da poluição”, explica.

(mais…)

Ler Mais

Agrotóxico e câncer, não; agroecologia, sim. Por Gilvander Moreira[1]

Já está acionada a luz vermelha sobre a relação da ‘epidemia’ de câncer com o uso e a aplicação de agrotóxicos nas lavouras de monoculturas do café, da cana, do eucalipto, do feijão, da soja e outras. Está comprovado pelo Programa de Avaliação de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos – PARA -, da ANVISA[2]: a) a presença de resíduos de agrotóxicos em alimentos acima dos limites máximos “recomendados”; b) a presença em muitos alimentos de venenos não permitidos.  Afora isso, nas fiscalizações junto às empresas produtoras de agrotóxicos observa-se, recorrentemente, muitas irregularidades. “No Município de Lucas de Rio Verde, no Mato Grosso, constatou-se a contaminação do leite materno, das águas da chuva, do solo e até do ar” (MOREIRA, 2016b, p. 224). Estima-se que, a cada ano, 25 milhões de trabalhadores são contaminados por agrotóxicos apenas nos países empobrecidos.

(mais…)

Ler Mais

Por que o Brasil deveria se importar com a morte de abelhas

País enfrenta mortandade de colmeias em vários estados. Diminuição das espécies tem impactos na agricultura, meio ambiente e economia. Mas tema ainda é negligenciado.

Por Clarissa Neher, na Deutsche Welle

A morte de abelhas não é um fenômeno recente: é observada por pesquisadores ao menos desde a década passada. No entanto, nos últimos meses, a mortandade alcançou números alarmantes no Brasil.

(mais…)

Ler Mais

MST no sul de MG e Agroecologia: que beleza! Por Gilvander Moreira[1]

Para Combate Racismo Ambiental

O Projeto de Assentamento (PA) Primeiro do Sul, do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), em Campo do Meio, no sul de Minas Gerais, foi formado, primeiro, para produzir alimentos com a finalidade de matar a fome e eliminar a miséria que reinava no seio das 48 famílias camponesas assentadas. Ainda não se tinha a consciência do paradigma agroecológico. Diferentemente, o PA Santo Dias, em Guapé, de 12 de maio de 2006, distante 70 quilômetros de Campo do Meio, nasceu dentro da concepção agroecológica e, por isso, sua produção é hoje, basicamente, agroecológica. É o que informa Sílvio Neto, da Direção Nacional do MST: “No PA Santo Dias, em Guapé, desde que os Sem Terra pisaram lá não jogaram nem uma gota de agrotóxico no assentamento. Lá tem 19 modelos agroecológicos sendo praticados. Temos, inclusive, homeopatia para o manejo do gado. Enfim, temos no PA Santo Dias um amplo processo agroecológico, coisa que não existe em nenhuma outra propriedade da região sul de Minas”.

(mais…)

Ler Mais

Justiça europeia exige acesso público a estudos sobre glifosato

Agência alimentar europeia argumentava que tornar públicos seus levantamentos sobre efeitos do controverso herbicida sobre a saúde humana e o meio ambiente contrariava interesses comerciais de empresas produtoras.

Na Deutsche Welle

Uma corte europeia determinou nesta quinta-feira (07/03) que cidadãos têm o direito de ter acesso a estudos sobre os efeitos do herbicida glifosato, amplamente utilizado na agricultura.

(mais…)

Ler Mais

Licença para envenenar. Por Janio de Freitas

No Congresso já houve CPI dos agrotóxicos; todos acharam melhor seguir ‘o curso normal’

Na Folha

Jair Bolsonaro está preocupado. Com a banana.

Não a que lhe dão. A que representa uma incógnita nas suas reflexões sobre o que vê como um ataque externo ao Brasil. Em síntese: “Não consigo entender como uma banana do Equador viaja 10 mil quilômetros até a Ceagesp [mercadão paulista] e compete no preço com a banana do Vale do Ribeira” –por coincidência, a do seu sobrinho produtor. A reflexão não alcançou deduzir que produtores e exportadores equatorianos, somados, são menos gananciosos do que o parente bananeiro, tal como os outros produtores na região onde os Bolsonaros têm muitas empresas.

(mais…)

Ler Mais

Consulta pública da Anvisa sobre uso de glifosato no Brasil manipula dados

Documento afirma, por exemplo, que apenas 0,03% da água potável apresenta resíduo de glifosato acima do limite permitido, porém esconde que o limite no Brasil é cinco mil vezes superior ao da União Europeia

por Redação RBA 

consulta pública aberta pela Anvisapara reavaliação do uso de glifosato no Brasil, o agrotóxico mais utilizado no país, contém informações que podem confundir a população sobre o assunto. A opinião é de Larissa Mies Bombardi, pesquisadora do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo (USP) e autora do Atlas Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia

(mais…)

Ler Mais