A preservação das abelhas em pauta

Por Rodrigo de Medeiros Silva

Na Estação Terras Baixas-ETB, Campus Universitário em Capão do Leão-RS, neste dia 09 de agosto, pela terceira vez reuniram-se pesquisadores e advogados ambientalistas preocupados com a preservação das abelhas ameaçadas e vitimadas pelos agrotóxicos e pela transgenia. O modelo do agronegócio vem prejudicando criadores de abelhas e o meio ambiente como um todo, dada a função delas no ecossistema para a garantia da vida. (mais…)

Ler Mais

Justiça suspende registro do glifosato, agrotóxico mais utilizado no Brasil

Outras duas substâncias também foram suspensas até que a Anvisa conclua os procedimentos de reavaliação toxicológica, com prazo máximo até o dia 31 de dezembro

Em Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida

Uma decisão judicial concedeu na sexta-feira, 3, uma tutela antecipada para que a União suspenda em 30 dias o registro de todos os agrotóxicos à base de glifosato (o mais utilizado pela agricultura brasileira, sobretudo nas lavouras de soja), abamectina e tiram. Essa decisão se aplicará até que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) conclua os procedimentos de reavaliação toxicológica (iniciada há dez anos) até o dia 31 de dezembro. (mais…)

Ler Mais

PL do Veneno ainda ameaça

Pacote do Veneno: “É um desmonte da regulação brasileira”, diz o pesquisador Fernando Carneiro

Por Raquel Torres, do Outra Saúde

Evidências para barrar o chamado Pacote do Veneno (PL 6299/2002) não faltam. Para reuni-las em um só lugar e facilitar o debate e a divulgação, a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) e a Associação Brasileira de Agroecologia (ABA) lançaram em maio um dossiê científico e técnico contendo várias notas técnicas já lançadas a respeito do PL – além das notas propriamente ditas, há análise de seus argumentos. E o objetivo não é só fomentar a luta contra a aprovação desse projeto, mas também garantir a instituição da Política Nacional de Redução dos Agrotóxicos (PNaRA). (mais…)

Ler Mais

‘Os dados que apareceram já são muito ruins e mostram o agravamento dos problemas do campo brasileiro’. Entrevista com Paulo Alentejano

Feito a cada dez anos, Censo Agropecuário do IBGE foi divulgado parcialmente, e os primeiros dados mostram um retrato nada bom, comentado pelo geógrafo Paulo Alentejano, professor da Universidade estadual do Rio de Janeiro

Portal EPSJV – EPSJV/Fiocruz

No dia 26 de julho, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou os primeiros dados do Censo Agropecuário 2017. A pesquisa, feita a cada dez anos, é o retrato mais completo do campo brasileiro. Ou pelo menos, era. Uma das polêmicas que cerca o levantamento é a redução de perguntas. A justificativa do órgão do governo federal é o custo, mas pesquisadores denunciaram no ano passado que havia viés na escolha do que eliminar e do que deixar, com prejuízo para as informações sobre agricultura familiar. Os números divulgados são parciais – a pesquisa completa será divulgada apenas em 2019. Mas aumento na concentração de terras e no número de propriedades que utilizam agrotóxicos são alguns dos destaques negativos deste retrato. Nesta entrevista, Paulo Alentejano, professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), explica por que as notícias não são boas. (mais…)

Ler Mais

A pedido do MPF, Justiça determina suspensão de registro de produtos que contenham herbicidas

Substâncias são nocivas à saúde humana e a reavaliação dos registros dos agrotóxicos é adiada há anos

A Justiça Federal do DF acolheu pedido do Ministério Público Federal (MPF/DF) e determinou que todos os produtos que possuam como ingredientes ativos abamectina, glifosato ou tiram tenham os registros suspensos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em até 30 dias. A decisão liminar proibiu ainda que a agência reguladora conceda novos registros de agrotóxicos que contenham essas substâncias. (mais…)

Ler Mais

Mortandade de abelhas ameaça agroextrativismo no oeste do Pará

Declínio de polinizadores causa diminuição direta na produção de frutos e sementes, diz pesquisador

Bob Barbosa, Brasil de Fato

A mortandade das abelhas no Planalto Santareno tem efeitos que vão além do prejuízo causado aos produtores de mel, pela perda de suas colmeias, afetadas pelos agrotóxicos e pelo desmatamento crescente na região. O Planalto Santareno engloba grandes áreas dos municípios de Belterra, Mojuí dos Campos e Santarém, no Pará. (mais…)

Ler Mais

Fórum Gaúcho de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos realiza audiência pública em Santa Cruz do Sul (RS)

Evento no dia 24 debaterá os impactos do uso de agrotóxicos na saúde e no meio ambiente

Ministério Público Federal no Rio Grande do Sul

O Fórum Gaúcho de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos (FGCIA) – iniciativa do Ministério Público Federal (MPF) no Rio Grande do Sul (RS), do Ministério Público do Trabalho (MPT) e do Ministério Público de Estado (MP/RS) – convida a sociedade para audiência pública sobre os impactos do uso de agrotóxicos na saúde humana, meio ambiente e consumidor. O encontro acontecerá no Anfiteatro do curso de Direito, bloco 18, campus da UNISC, situado na Avenida Independência, nº 2293, Bairro Universitário, Santa Cruz do Sul (RS). (mais…)

Ler Mais

26 mil brasileiros foram intoxicados por agrotóxicos nos últimos dez anos

Levantamento inédito feito pela Pública revela ainda que 1.824 morreram por causa de venenos agrícolas

Bruno Fonseca, da Agência Pública

Cerca de 40 mil pessoas foram atendidas no sistema de saúde brasileiro após serem expostas a agrotóxicos nos últimos dez anos, segundo um levantamento inédito feito pela Pública com base nos dados do Ministério da Saúde. Desse total, 26 mil pacientes tiveram intoxicação confirmada por médicos, com sinais clínicos como náuseas, diarreias ou problemas respiratórios, ou mesmo alterações bioquímicas no sangue e urina detectadas por exames laboratoriais. A média equivale a sete pessoas intoxicadas por dia. Homens são a maioria dos afetados por agrotóxicos agrícolas e a maioria dos pacientes tem ensino fundamental incompleto. (mais…)

Ler Mais

Crianças de povoado cearense de Tomé apresentam malformações relacionadas a agrotóxicos, aponta pesquisa

O povoado de Tomé, de cerca de 2,5 mil habitantes, fica no município de Limoeiro do Norte, no Ceará. É famoso na região. Mas, o motivo não é tão bom: a comunidade fica encurralada por territórios do agronegócio, e é conhecida pela contaminação por agrotóxicos. Fato comprovado por cientistas, segundo a professora de Medicina da Universidade Federal do Cariri, Ada Pontes, que também faz parte do grupo de pesquisa Tramas, da Universidade Federal do Ceará

por Sumaia Villela, em Radioagência Nacional / IHU On-Line

“A água que ia para a comunidade tá contaminada, o ar da comunidade tá contaminado, já houve processo de intoxicação de escolas, de trabalhadores, de moradores. Tanto tem muitas pessoas na comunidade que trabalham nessas empresas, principalmente os homens, como também mesmo as pessoas que não trabalham, que não manipulam diretamente esses produtos, elas estão expostas. Algumas casas ficam contíguas às plantações” (mais…)

Ler Mais

Chuva de veneno

Ataques aéreos com agrotóxicos são a atual forma de intimidação às comunidades quilombolas

Do Século Diário

Do céu deveria vir apenas as abençoadas chuvas que ajudam a regar as lavouras e aumentar as produções agrícolas. Entretanto, no Espírito Santo, assim como em outros estados, um mal tem provocado doenças e riscos ainda inimagináveis para comunidades rurais: as pulverizações aéreas de agrotóxicos.  (mais…)

Ler Mais