Temer, o homem que era quinta-feira, por José Ribamar Bessa Freire

No Taqui Pra Ti

“A literatura é uma das formas de felicidade; talvez nenhum outro escritor tenha
me proporcionado tantas horas felizes como Chesterton”. (Jorge Luis Borges)

Quando o procurador-geral da República (PGR), Rodrigo Janot, disparou nesta quinta-feira (14) suas flechas de bambu, acertou com pontaria certeira o chefe do Poder Executivo Michel Miguel Elias Temer Lulia, acusando-o de chefiar uma organização criminosa que embolsou mais de meio bilhão de reais em propinas. A notícia me evocou dois personagens: o padre Brown, sacerdote-detetive, e o homem que era quinta-feira, criados pelo escritor inglês G.K. Chesterton, autor de contos e romances policiais. (mais…)

Ler Mais

A pergunta que não quer calar: e o Aécio?

Por George Marques, no The Intercept Brasil

Delações, inquéritos, denúncias, sentenças. A cada dia não param de surgir nomes de políticos envolvidos em escândalos nos quatro cantos do país. Com a divulgação da delação da JBS há quatro meses, um nome dado como certo para cair de vez nas garras da Justiça era o do senador e candidato derrotado à presidência em 2014, Aécio Neves (PSDB-MG). Gravado pedindo R$ 2 milhões a Joesley Batista, dono da empresa, ele chegou a ser afastado de suas funções parlamentares, mas retornou em julho. Agora, procura ser discreto, enquanto aguarda que o Supremo Tribunal Federal (STF) decida por um pedido de prisão pendente, feito pela Procuradoria Geral da República (PGR). Ao todo, Aécio responde a nove inquéritos na Corte, mas segue incólume. (mais…)

Ler Mais

Em primeira viagem ao Norte, Temer ‘inaugura’ ponte inexistente

Por Carla Araújo, enviada especial, O Estado de S.Paulo

XIMBIOÁ – O calor de quase 40 graus na região do rio Araguaia, entre as cidades de Ximbioá (TO) e São Geraldo (PA), foi o palco escolhido pelo presidente Michel Temer para anunciar uma ponte que não ficará pronta até o final de sua gestão. Foi a primeira vez dele como chefe do Executivo na Região Norte do País. A visita mudou a rotina de Ximbioá, que tem apenas 11.645 habitantes. As pequenas ruas – muitas sem asfalto – foram tomadas por homens do Exército que mantiveram o presidente e sua comitiva blindados de qualquer possível incidente. A  região foi palco da guerrilha do Araguaia, entre o final da década de 1960 até o final de 1974. (mais…)

Ler Mais

Deputado Wlad emplaca irmão no comando da Superintendência do Incra no Tapajós

Réu no STF e com mandato cassado pelo TRE, Wladimir Costa (SD-PA) também recebeu emendas como agrado do governo Temer, cujo nome ele “tatuou” no ombro direito

Por Cauê Seignemartin Ameni – De Olho nos Ruralistas

Ele é conhecido no Congresso como Wlad. E por certas excentricidades. Em seu segundo mandato, agora um milionário, o deputado federal Wladimir Costa (SD-PA) é aquele que tatuou a imagem de Michel Temer no ombro direito. Mas não eternamente: era uma tatuagem removível. Tornou-se um personagem folclórico do impeachment, ao atirar confetes no plenário da Câmara, no dia 17 de abril de 2016. Em julho, ajudou a barrar a investigação contra o presidente com um discurso empolgado: “Tenham vergonha na cara! Temer é um homem ético, transparente”. (mais…)

Ler Mais

Tentar tirar Janot sugere dificuldade para desmonte factual das acusações, por Janio de Freitas

Na Folha

Celebremos.

Parecia, ou era mesmo, um dos assuntos guardados na área de proteção. Por certo, foi um dos motivos destacados para a pretensão de Michel Temer de afastar o procurador-geral Rodrigo Janot, mesmo vendo-o a poucos passos da porta de saída (a da frente, até aqui). Eduardo Cunha raspou no assunto, de leve, nas armadilhas que, sob a forma de perguntas, da cadeia mandou a Temer. Não houve resposta. Uma decisão virtuosa de Sergio Moro, mais uma, poupou Temer de ver-se ante pontos de interrogação intransponíveis. Mas Lúcio Funaro, o intermediário profissional, o atrevido e ameaçador, não falhou. (mais…)

Ler Mais

Em defesa de Geddel: tecnicamente inocente, por José Ribamar Bessa Freire

No Taqui Pra Ti

O ex-ministro Geddel Vieira (PMDB vixe vixe), preso na sexta-feira (8) por guardar malas no valor de mais de 51 milhões de reais, será solto outra vez – aguardem – porque tecnicamente é inocente. Vejam bem: estou enfatizando o “tecnicamente”, coisa que os leigos famintos de justiça não entendem, porque desconhecem as leis e o latinorum. Ignoram que as decisões de um magistrado são sempre amparadas em “critérios técnicos”, como já esclareceu Gilmar Mendes, o mais “técnico” de todos os juízes. O juiz tem que ser “técnico”, não pode ficar atendendo a sede de justiça do populacho.  (mais…)

Ler Mais

Oito hipóteses sobre a nova crise

Rodrigo Janot está ameaçado, mas é a ponta do iceberg. As novas gravações abalam a casta política – e por isso, paradoxalmente, estimulam um “acordão”. A esquerda aceitará?

Por Antonio Martins | Imagem: Aroeira, Chocando Janot Outras Palavras

1. Ocorrida ao que tudo indica devido a um acidente bizarro, a revelação da conversa mantida em 17 de março por Joesley Baptista, dono da JBS, e Ricardo Saud – diretor da empresa, seu braço direito e confidente – tem potencial para provocar um novo tsunami político. Ela atinge em primeiro lugar o procurador-geral da República, Rodrigo Janot; e beneficia dois de seus grandes desafetos, Michel Temer e Gilmar Mendes. Mas esta é apenas a ponta de um gigantesco iceberg. Joesley e a JBS são paradigmas da corrupção da política, do sequestro da democracia pelos grandes grupos empresariais. Sua capacidade de financiar partidos e mandatos, e de obter em troca decisões que dobram a República a seus interesses, só é comparável à da Odebrecht. O dono do grupo confessou ter pago cerca de 600 milhões de reais em propina, para 1829 candidatos de 28 partidos. Mas a gravação indica que a JBS também cultivou relações capazes de “explodir o Executivo e o Judiciário”. Chega a insinuar detalhes picantes, que levaram a ministra Carmen Lúcia, presidente do STF, a falar em “conteúdo gravíssimo”, em ameaça “à dignidade institucional deste Supremo Tribunal Federal e a honorabilidade de seus integrantes”. (mais…)

Ler Mais

Guardar R$ 51 mi em dinheiro, comprar joias e gado ou ter conta na Suíça?, por Leonardo Sakamoto

Blog do Sakamoto

Quando a Polícia Federal estourou um ”cativeiro” em Salvador, libertando mais de R$ 51 milhões (R$ 42.643,500,00 e US$ 2.688.000,00) que estavam presos em caixas e malas, nesta terça (5), veio à tona uma preocupação importante destes tempos insanos: como manter a salvo o dinheirinho pelo qual muito político vendeu a alma, rifou o país e até suou a camisa? (mais…)

Ler Mais