Organizações de imprensa entregam ao governo dossiê sobre violência contra jornalistas

Na Abraji

A Associação Brasileira em Jornalismo Investigativo (Abraji) e outras organizações de defesa da liberdade de imprensa nacionais e internacionais produziram um dossiê com relatos da grave situação de insegurança para cobertura jornalística no Brasil, acirrada pelos movimentos golpistas que organizaram acampamentos em quartéis e rodovias e invadiram as sedes dos Três Poderes em Brasília, no dia 8 de janeiro. O documento, que será entregue ao governo federal nesta quarta-feira (8.fev.2023), data que marca um mês das agressões, traz uma série de pedidos de medidas para mitigar a violência sofrida pelos profissionais de imprensa. (mais…)

Ler Mais

As Intransferíveis Tarefas da Cidadania Ativa. Por Cândido Grzybowski

Em Sentidos e Rumos

Inicialmente, quero clarificar os conceitos de cidadania que uso e seu sentido. Em democracia políticas reais sempre acaba sendo estabelecido, em suas constituições, um conceito político de cidadania, como sua única força instituinte e constituinte, base legal e jurídica dos direitos políticos iguais, em especial o de votar e com isto definir mandatos temporários para chefes de governos e legisladores, como seus representantes no Congresso. Fundamental, sem dúvida, mas insuficiente. Sempre é possível ter cidadania legítima clamando por democracia, sem ter nenhum reconhecimento constitucional/legal, como é o caso predominante de quem luta contra ditaduras e fascismos. E sempre haverá cidadania política para além do voto legalmente definido em democracias de qualquer tipo, das meramente eleitoreiras até aquelas de alta intensidade, de mais e mais democracia. Aliás, nunca podemos esquecer que o que diferencia democracias transformadoras de democracias de baixa intensidade é a cidadania ativa e se ela está em ação para buscar mais direitos iguais na diversidade, contra negações, exclusões, violações e invisibilidades existentes, assim como para não abdicar de seu direito intransferível de força instituinte e constituinte de votar e lutar por direitos e por políticas públicas voltadas aos direitos. (mais…)

Ler Mais

Pesquisa analisa aspectos da Covid-19 longa no Brasil

Fernanda Marques, Fiocruz Brasília

Uma pesquisa com brasileiros que tiveram Covid-19 mostrou que quase 60% deles desenvolveram Covid-19 longa, tendo apresentado sintomas durante, pelo menos, três meses após a fase aguda. Realizado pela Rede de Pesquisa Solidária em Políticas Públicas e Sociedade, o estudo utilizou um questionário on-line divulgado por e-mail e nas redes sociais, e dirigido a pessoas que tiveram Covid-19. Para a análise, foram considerados os 1.230 participantes que responderam ter tido seu diagnóstico de Covid-19 confirmado por teste PCR. Desses, 720 mantiveram sintomas por três meses ou mais, e 496 relataram ainda não estar totalmente recuperados no momento da pesquisa. Os efeitos prolongados da doença foram mais frequentes entre os indivíduos não vacinados e mais de 80% dos participantes com Covid-19 longa demandaram serviços de saúde por causa da persistência dos sintomas. (mais…)

Ler Mais

Câmara: um nome que esconde as deputadas

Casa legislativa brasileira traz a marca do patriarcado em sua nomenclatura oficial, o que reflete o baixo percentual de mulheres eleitas. Rebatizá-la será parte do processo de reconstrução nacional. Chile mostra a força deste ato político

Por Juliana Romão, em Outras Palavras

Fevereiro abre ano legislativo e nacionalmente parlamentares tomam posse dos mandatos num Congresso em reabilitação pós-destruição dos atentados antidemocráticos da extrema-direita.  Entre as tantas urgências a deliberar, uma que toca o plano linguístico e, apesar de mais silenciosa, é também uma emergência democratizadora. Trato da re-nomeação da constitucionalmente chamada Câmara dos Deputados para Câmara Federal ou Câmara das Deputadas e dos Deputados, tema inadiável e entrelaçado ao simbolismo do Brasil real que subiu a rampa do Planalto inaugurando 2023. Uma oportunidade histórica.  (mais…)

Ler Mais

Orçamento Participativo é forma de ‘instigar pessoas a serem protagonistas’, diz Olívio Dutra

Em entrevista ao BdF, ex-ministro defendeu a participação social para que o povo seja “sujeito e não objeto da política”

por Glauco Faria, em Brasil de Fato

Em um restaurante no Mercado Municipal de Porto Alegre, Olívio Dutra está em uma mesa com mais três pessoas. Logo, é abordado por um casal pedindo a famosa selfie com o celular. A cena se repete nos próximos minutos com outros pedidos, sempre bem recebidos pelo ex-governador do Rio Grande do Sul. Um deles chama mais a atenção: um homem pede a foto exibindo, em seu braço direito, o rosto de Olívio tatuado. (mais…)

Ler Mais

O que eles estão pensando? Estadão: “A democracia precisa do Supremo”

Enquanto a Folha de São Paulo se dedica a defender quem usa rede social para fazer enquete sobre o assassinato do presidente da República, o Estadão abre editorial em defesa do Supremo e da democracia. Diz ele: “não poucas vezes o STF poupou o País dos efeitos mais nefastos da agenda reacionária de Jair Bolsonaro. Tanto que o custo dessa altivez foi o ódio dos bolsonaristas não só à Corte, cuja sede foi a mais vandalizada em 8 de janeiro, mas aos seus ministros e familiares”. E acrescenta; desqualificar a Suprema Corte “é desqualificar a própria ideia de Justiça como alternativa civilizatória à barbárie.” Vale ler.(TP)

*** (mais…)

Ler Mais

AGU responde a editorial da Folha que defendeu jogador de vôlei

Jornal disse que o jogador “é um profissional do setor privado”. AGU rebateu: “os fatos ocorridos nos últimos quatro anos mostram que normalizar condutas criminais é perigoso”

No Brasil 247

A Advocacia-Geral da União (AGU) reagiu ao editorial da Folha de S. Paulo deste sábado (4), que chama de  ‘bola fora’ a decisão da AGU defender o banimento do jogador de vôlei Wallace, que incitou o assassinato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). (mais…)

Ler Mais