Ministério Público do Rio de Janeiro questiona escolas cívico-militares de Witzel

Comissão de Educação da Alerj também contesta proposta que ainda não aprovada pelo Legislativo

Eduardo Miranda, Brasil de Fato 

O governo do estado do Rio de Janeiro está sendo questionado em diferentes instâncias sobre a inconstitucionalidade na criação de escolas cívico-militares. Apesar de o ano letivo já ter começado, a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) ainda não votou o projeto de lei do governador Wilson Witzel (PSC) que cria 11 instituições militares de educação, ecoando no estado uma das propostas do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

(mais…)

Ler Mais

Pastor indicado para Ancine preocupa até agentes da cultura ligados ao governo

Por Matheus Leitão, no G1

A indicação do pastor Edilásio Barra, o Tutuca, para a direção da Agência Nacional do Cinema (Ancine) gerou preocupação até em agentes da cultura ligados ao governo pelo fato de o religioso integrar a chamada “ala ideológica”.

Conforme apurou o blog, integrantes da área de Cultura acreditam que Tutuca não é a pessoa indicada para pacificar os ânimos no setor audiovisual brasileiro também pelo desconhecimento técnico da área.

(mais…)

Ler Mais

Eu respeito o seu amém, você respeita o meu axé

As pesadas críticas aos governos municipal, estadual e federal devem marcar o Carnaval 2020 e irritar especialmente Bolsonaro e Crivella

Por Pai Rodney, na Carta Capital

O Carnaval 2020 vem com uma alma rebelde. Sinal dos tempos, sobretudo na cidade do Rio de Janeiro, onde, apesar da grandiosidade do espetáculo, que atrai turistas de todo o Brasil e do mundo inteiro, as escolas de samba estão enfrentando cortes significativos nas verbas e restrição de espaços, entre outras dificuldades. Uma verdadeira guerra que o prefeito evangélico Marcelo Crivella, ligado à Igreja Universal, tem travado de maneira sistemática, sem levar em consideração a quantidade de empregos e renda que a festa gera. Por essa razão, a cada ano mais agremiações aderem aos enredos críticos.

(mais…)

Ler Mais

Evangélicos fazem ofensiva para dominar política externa do Brasil para África

Por João Fellet, na BBC News Brasil

O esvaziamento da política externa brasileira para a África, relegada ao segundo plano após ser tratada como prioridade nos anos Lula (2003-2010), abriu caminho para o avanço de igrejas evangélicas no continente.

Com o apoio do governo Jair Bolsonaro, congressistas ligados a grupos neopentecostais vêm ocupando espaços para liderar a agenda do Brasil com países africanos, antes influenciada fortemente por empreiteiras golpeadas pela Lava Jato.

(mais…)

Ler Mais

Rabino Michel Schlesinger: “Uma sociedade de escuta e diálogo nos aproxima da defesa dos Direitos Humanos”

Por Renato Barreto, na Sur

Desde muito jovem, Michel Schlesinger, nascido em São Paulo, já se envolvia com projetos voltados à comunidade judaica. Após graduar-se em Direito pela Universidade de São Paulo (USP), ele escolheu dedicar-se ao rabinato, prosseguindo com estudos rabínicos e mestrado no Instituto Schechter, em Jerusalém. Em 2005, completou a sua formação em Israel, recebendo a ordenação rabínica e o seu título de mestre em Talmude e Lei Judaica.

(mais…)

Ler Mais

O discurso dos pequenos ‘Bolsonaros bolivianos’

Dois candidatos menores são comparados ao presidente brasileiro, com quem têm em comum algumas propostas radicais e o apoio de igrejas evangélicas

Por Fernando Molina, no El País

A vitória de Jair Bolsonaro no Brasil no ano passado foi aplaudida por um setor da população boliviana, em especial em Santa Cruz, a região mais próspera da Bolívia, onde a oposição ao presidente Evo Morales é mais forte. Agora, dois candidatos menores às eleições deste domingo são comparados ao capitão da reserva e presidente brasileiro, com o qual têm em comum algumas propostas e também a articulação de seus partidos com as igrejas evangélicas, muito ativas e populares no país.

Um dos candidatos considerados pela imprensa “um Bolsonaro boliviano” é Víctor Hugo Cárdenas, o primeiro indígena a ocupar o cargo de vice-presidente do país, entre 1993 e 1997. Assim como muitos outros indígenas originários da área do lago Titicaca, no norte do país, Cárdenas foi criado como protestante. Depois de uma longa trajetória no indigenismo, primeiro, e posteriormente como opositor moderado ao presidente Morales, entrou nesta campanha como candidato de um partido tradicional, a União Cívica Solidariedade, acompanhado por Humberto Peinado, pastor evangélico e líder de um movimento contra a descriminalização do aborto. Cárdenas logo mostrou que tinha como principal inimigo a chamada “ideologia de gênero”, ou seja, o feminismo e o avanço das sexualidades alternativas. Entre outras ideias relacionadas às de Bolsonaro, propôs combater a violência contra as mulheres entregando a elas armas de fogo.

MAIS INFORMAÇÕES

As pesquisa atribuíam a Cárdenas 3% das intenções de voto, por isso não parecia que sua candidatura expressasse uma tendência social importante, mas no meio da campanha surgiu outro aspirante religioso, um médico chamado Chi Hyun Chung, que mudou essa impressão ao aparecer nas pesquisa com 7% (e subindo).

O “Dr. Chi”, como dizem os bolivianos para não ter de pronunciar seu nome completo, é um candidato atípico por várias razões. Em primeiro lugar, porque é o primeiro candidato a presidente que se beneficia da mudança constitucional de 2009, que eliminou a exigência de que os presidentes fossem originários do país. Chung nasceu na Coreia do Sul e se mudou para a Bolívia aos 12 anos, quando a Igreja Presbiteriana da Coreia encarregou seus pais de criar uma missão religiosa no país andino. A missão foi muito bem-sucedida, já que conta com 70 igrejas, uma clínica, uma universidade e outros negócios. Depois de fazer uma controvertida carreira como empresário e pastor, o “Dr. Chi”, que aparentemente estava esperando uma oportunidade de entrar na política, encontrou-a na crise do antigo Partido Democrata Cristão, que foi fundado e dirigido por várias gerações de católicos, mas não duvidou em usá-lo para substituir seu candidato original, que renunciou no meio da campanha.

Chung chamou a atenção, desde o começo, com seu lema “Chi puede”, uma aliteração de “sí, se puede”, versão em espanhol do famoso slogan de campanha do ex-presidente americano Barack Obama “yes, we can” (“sim, podemos”). E seu protagonismo não parou de aumentar, impulsionado por declarações surpreendentes, como a de que os incêndios florestais  ocorridos no país seriam um “castigo de Deus” pela existência de homossexuais na Bolívia. O “Dr. Chi” atrai principalmente eleitores inexperientes, que consideram atraentes slogans como “transformar a Bolívia em uma Coreia” e “salário mínimo para os parlamentares”. Segundo os analistas, votar nele é uma forma de protestar contra os candidatos principais, que são políticos de longa data e “já não falam a linguagem do povo”.

O sociólogo especializado em temas religiosos Julio Córdova acredita que “à medida que avança a agenda de direitos para as mulheres e diversidades sexuais, a reação conservadora religiosa fica mais visível e com potencial de influir nas eleições do futuro”. Isso ocorre porque “se perdeu quase totalmente a típica postura protestante de separação entre Igreja e Estado”. Os dois candidatos citados fizeram uso intenso —segundo Córdova, “descarado”— de templos e redes evangélicas. “Com o beneplácito de líderes evangélicos conservadores que veem na instrumentalização política de sua fé uma oportunidade de influir no Estado”, conclui o especialista, houve “uma ‘Santa aliança’ entre política partidária e religião”.

O candidato Chi Hyun Chung. Foto: David Mercado / Reuters

Ler Mais

Fundamental participar: eleição para conselhos tutelares, neste domingo, é palco de batalha ideológica

“No Rio, o Ministério Público investiga a atuação de milicianos e grupos religiosos nas eleições. Em uma das reclamações, um candidato apoiado por um vereador estaria oferecendo cestas básicas em troca de votos na zona norte.”

Por Thaiza Pauluze/Folhapress, no Gaúcha ZH

Responsáveis por zelar pelos direitos de crianças e adolescentes, Conselhos Tutelares terão neste domingo (6) eleições pelo país permeadas por disputas ideológicas entre evangélicos, católicos, entidades progressistas e partidos políticos.

(mais…)

Ler Mais

PFDC solicita ao governo informações sobre medidas de combate à crescente intolerância religiosa no Brasil

Levantamento realizado pela Procuradoria dos Direitos do Cidadão aponta que ameaças,invasões e queima de terreiros têm sido crimes praticados contra religiões de matriz afro

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC) solicitou à Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) – vinculada ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos – informações acerca das medidas que vêm sendo adotadas pelo governo federal para o enfrentamento à intolerância religiosa em todo o país.

(mais…)

Ler Mais

Religiosos pedem liberdade e respeito em caminhada no Rio

Por Alana Gandra , na Agência Brasil

A Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa chegou hoje (15) à sua décima segunda edição, reunindo na Praia de Copacabana representantes de todos os segmentos religiosos. Este ano, o evento contou com a participação de pastores afro-americanos da Igreja Luther King, de Atlanta, Estados Unidos, e de Arabá Agbaye Olu Isese de Ilè Ifè, considerado o sacerdote supremo de Ifá na Nigéria.

(mais…)

Ler Mais

MPF realiza inspeções em Careiro (AM) e expede nova recomendação ante cultos religiosos semanais em prédios públicos do município e outras irregularidades

Um ano após a realização da 15ª edição do projeto MPF na Comunidade na cidade de Careiro (a 88 quilômetros de Manaus), uma equipe de servidores e membros do Ministério Público Federal (MPF) no Amazonas retornou à cidade e verificou que, mesmo registrando diversos avanços, parte significativa dos problemas apontados em 2018 segue sem solução. A ocorrência de cultos religiosos semanais em prédios públicos do município, com relatos de constrangimento de funcionários que não participavam dessas atividades, foi ainda alvo de recomendação expedida durante a estada na cidade, uma vez que a prática fere a laicidade do Estado.

(mais…)

Ler Mais