Mulheres têm sido referência na produção agroecológica no Semiárido

Rompendo os padrões e a violência, as mulheres tem conquistado visibilidade na produção de alimentos

Vanessa Gonzaga, Brasil de Fato

Quando se fala em trabalho no campo, certamente se pensa no trabalho pesado dos trabalhadores para a aragem da terra, plantio, irrigação, colheita e todas as outras etapas até que o alimento chegue à mesa. O que muitas vezes não se imagina é o protagonismo das mulheres que trabalham no campo. Muitas mulheres trabalham na terra, plantando e criando animais, e no Semiárido há muitas experiências de mulheres que produzem agroecologicamente e são referência em suas comunidades. Uma delas é Pedrina Barbosa, que vive desde 2006 na comunidade de Sussuarana, no município de Juazeirinho, a 84 km de Campina Grande (PB). Quando chegou nas terras para produzir, a primeira dificuldade foi a falta de estrutura. Só havia um lago, que enchia no período de chuva e desaparecia durante a seca, o que era insuficiente. (mais…)

Ler Mais

Por que os problemas no transporte público atingem mais as mulheres?

Pesquisador afirma que a violência, o assédio e o excesso de obrigações familiares prejudicam a mobilidade das mulheres da periferia

por Carol Scorce, na Carta Capital

Locomover-se por uma cidade como São Paulo é, para a grande maioria dos moradores, uma batalha inglória: ruas entupidas de carros, ônibus apinhados de passageiros, transportes coletivos  insuficientes nas periferias, calçadas apertadas, ruas esburacas e mal iluminadas. Será que essa missão para mulheres e homens é igualmente difícil, e seus efeitos da mesma forma penosos para ambos os gêneros? (mais…)

Ler Mais

A masculinidade tóxica na copa do mundo (dos homens)

Por Isabela Guimarães Del Monde e Tainã Góis, no Justificando

Pelo menos três vídeos de brasileiros assediando mulheres durante a Copa do Mundo Masculina da FIFA de 2018 viralizaram na última semana. Fosse um evento isolado, seria possível pensar em tolerar o argumento de que foi apenas uma “brincadeira em má hora” ou uma graça “que saiu dos limites”. A similaridade entre as condutas de agentes independentes, porém, coloca a lógica a favor das feministas: existe uma forte questão estrutural que une e explica esses eventos. (mais…)

Ler Mais

Burger King se desculpa por incentivar sexo com craques da Copa

Cadeia de lanchonetes prometeu hambúrgueres gratuitos para russas que engravidassem de jogadores que participam do Mundial. Empresa reconhece campanha veiculada em redes sociais como ofensiva

Deutsche Welle

A cadeia de lanchonetes Burger King pediu desculpas por uma polêmica campanha publicitária lançada pela subsidiária da empresa na Rússia, classificada por críticos de sexista e humilhante.  (mais…)

Ler Mais

Onde está o seu autoritarismo?, por Cândido Grzybowski

do Ibase

Na última quinta feria, dia 7 de junho, a convite do Clube de Engenharia, participei do Painel “Direitos civis e inclusão social”. Foi o quarto de uma série organizada pelo Clube e junto com o Comitê Fluminense do Projeto Brasil Nação, louvável iniciativa dado o momento que viemos. Está difícil até para reencontrar os elos que podem nos conectar e mobilizar nesta conjuntura política altamente desagregadora. Somos uma espécie de “velha guarda da cidadania” em alerta e busca, mas a falta de esperança está estampada no ar e parece maior do que a indignação com tudo o que está acontecendo no Brasil. (mais…)

Ler Mais

Declaração de Ciro é a velha política que quer resolver tudo sendo machista, por Leonardo Sakamoto

no blog do Sakamoto

”Você acha que um marginal como Eduardo Cunha me derrubaria? É preciso ser muito mais homem que eu para me derrubar.”

Ciro Gomes, pré-candidato do PDT à Presidência da República, presta um desserviço ao país com declarações como esta, dada nesta quinta (26). Pois a relação que ele faz, naturalmente, entre ”homem” e ”poder” e ”competência”, mostra que isso está lá dentro, presente em sua visão de mundo. Ela veio a público em meio a um discurso em que criticava o impeachment de Dilma Rousseff. (mais…)

Ler Mais

#DeixaElaTrabalhar: a nova investida de mulheres jornalistas contra o machismo

Campanha encabeçada por repórteres esportivas joga luz sobre a questão do assédio e machismo nos estádios e fora deles

Marina Rossi – El País

Em uma cobertura ao vivo de uma partida de futebol, a repórter Bruna Dealtry, do canal Esporte Interativo, foi beijada, à força, por um torcedor. O episódio ocorreu no Rio de Janeiro, no último dia 14, durante a partida entre o Vasco e Universidad do Chile, pela Libertadores. Constrangida, a repórter disse que a atitude “não foi legal”, mas continuou a transmissão. Três dias antes, em Porto Alegre, um torcedor do Inter insultou e agrediu, fisicamente, a repórter Renata Medeiros, da Rádio Gaúcha, que cobria a partida entre Grêmio e Inter. “Sai daqui, sua puta”, disse o torcedor à jornalista. (mais…)

Ler Mais

Mobilidade assediada, retrato de uma sociedade machista

As mulheres já são quem mais se locomove no espaço urbano — mas as agressões não cessam. Porque cidades são objeto de planejamento de homens brancos, que ignoram o sofrimento feminino

Por Cleo Manhas* – Outras Palavras

Estamos em mais um 8 de março e precisamos  novamente refletir sobre o mundo machista no qual convivemos, circulamos, trabalhamos. Sempre um desafio, pois apesar de estarmos atravessando uma era de intensa velocidade do espaço/tempo devido ao avanço tecnológico, o tempo histórico nos lembra que faz menos de um século que as mulheres começaram a votar no Brasil. (mais…)

Ler Mais