Caixa Cultural celebra luta dos povos indígenas com mostra de cinema

“Corpos da Terra – Imagens dos Povos Indígenas no Cinema Brasileiro” exibe 39 filmes sobre a vida e a história dos primeiros povos do país, com destaque para as lutas por seus territórios

por Redação RBA

São Paulo – No mês em que se celebra o Dia do Índio, a Caixa Cultural Rio de Janeiro promove, até o dia 16, a mostra Corpos da Terra – Imagens dos Povos Indígenas no Cinema Brasileiro. Trinta e nove filmes apresentam diversos aspectos da vida e da história dos primeiros povos do Brasil e fazem um panorama da relação entre eles e o cinema. Além da exibição de produções recentes e de obras consagradas, o evento contará com debates e uma roda de bate-papo.

Com curadoria de Eric Macedo, Flora Bezerra, Gabriel Meyohas e Thiago Ortman, a mostra reúne curtas, médias e longas-metragens que destacam obras que problematizam a relação entre os povos indígenas e a terra, seus diferentes modos de ocupação do espaço e histórias de usurpação de seus territórios tradicionais.

“Os filmes selecionados dão ao público a oportunidade de conhecer um pouco da vida cotidiana dos povos indígenas que habitam o território brasileiro. Mas demos um enfoque particular à luta desses povos pelo reconhecimento de seus territórios e às histórias de resistência às violências que seguem atingindo-os 500 anos depois do início da colonização portuguesa”, diz o curador Eric Macedo.

Entre as produções recentes realizadas por indígenas estão os documentários Bicicletas de Nhanderu, de Patrícia Ferreira e Ariel Ortega, Índio Cidadão, de Rodrigo Siqueira, e Karai Ha’egui Kunhã Karai ‘ete: Os Verdadeiros Líderes Espirituais, do cineasta guarani Alberto Alvares. Também será exibido o clássico Descobrimento do Brasil, dirigido por Humberto Mauro em 1936, com trilha sonora de Heitor Villa-Lobos, que narra a chegada da frota portuguesa às costas brasileiras a partir de textos extraídos da carta de Pero Vaz de Caminha.

Outro destaque da programação é o longa-metragem Martírio, do cineasta e indigenista Vincent Carelli com co-direção de Ernesto de Carvalho e Tita. O documentário que será exibido no dia 16 de abril, às 17h, refaz o percurso da insurgência pacífica e obstinada dos Guarani Kaiowá pela retomada de seus territórios sagrados.

Nesta terça (4), às 19h, haverá uma exibição especial do longa Taego Ãwa, de Marcela e Henrique Borela. Depois de terem encontrado cinco fitas VHS em um armário de uma faculdade, os diretores foram ao encontro da tribo Ãwa, na Ilha do Bananal. Nos dias 7 e 14, serão exibidos os filmes Uaka e 500 Almas, ambos com presença dos respectivos diretores, Paula Gaitán e Joel Pizzini.

Na próxima quinta-feira (6), às 19h, a mostra promove o debate “Demarcação: Uma questão de primeira ordem”, com o antropólogo Eduardo Viveiros de Castro e com Francineia Fontes, vice-coordenadora do Departamento de Mulheres Indígenas da Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (FOIRN).

No domingo (9), às 19h, a jornalista e especialista em etnomídia Renata Tupinambá e o cineasta Alberto Alvares discutem as diferentes maneiras como os índios foram e são retratados no cinema brasileiro no debate “Olhares e Construções: Indígenas nas Telas”. E no dia 13, às 19h, o tema do bate-papo é “Mulheres indígenas na cidade”, com participação da jornalista, indígena urbana e fotógrafa Sallisa Rosa, e de Sandra Benites, guarani-nhandeva e mestranda em Antropologia.

Confira a programação completa da mostra Corpos da Terra – Imagens dos Povos Indígenas no Cinema Brasileiro no site da Caixa Cultural Rio de Janeiro.

Corpos da Terra – Imagens dos Povos Indígenas no Cinema Brasileiro
Quando: de 4 a 16, de terça a domingo
Onde: nos cinemas 1 e 2 da Caixa Cultural Rio de Janeiro
Avenida Almirante Barroso, 25, Centro, Rio de Janeiro
Quanto: R$ 2 (meia-entrada) e R$ 4 (inteira)
Mais informações: (21) 3980-3815
Programação completa: no site da Caixa Cultural RJ

Foto: ‘As Hiper Mulheres’, de Leonardo Sette, Takumã Kuikuru e Carlos Fausto, será exibido nesta sexta (7), às 15h

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.