#ODS_4: O incentivo à leitura forjado em bibliotecas cidadãs

Atitudes de pessoas comuns fazem a diferença em suas comunidades e municípios e são fonte de inspiração em um país no qual o analfabetismo é ainda um desafio a se superar; são exemplos na busca do Objetivo do Desenvolvimento Sustentável 4 (ODS-4), na seara da educação
 

Por Sucena Shkrada Resk, no Blog Cidadãos do Mundo

Algumas histórias fazem a diferença no percurso de vida de milhares de pessoas por este Brasil em um contexto desafiador que revela ainda um número considerável de analfabetos no país: 11,3 milhões de pessoas, que correspondem a 6,8% da população, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na atual Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad contínua). Como de analfabetos funcionais, que representam 30% da população, de 15 a 64 anos, de acordo com o Indicador Nacional de Alfabetismo Funcional (INAF), coordenado pela Ação Educativa e pelo Instituto Paulo Montenegro, com realização da Ação Social do Ibope. São iniciativas despretensiosas de incentivo à leitura – um dos componentes principais neste processo -, que se traduzem em exemplos de bibliotecas cidadãs em diferentes estados.

(mais…)

Ler Mais

PFDC contesta projeto de lei que pretende acabar com cotas raciais para acesso ao ensino superior

Nota Técnica encaminhada ao Congresso Nacional aponta importância das ações afirmativas para o acesso à educação e no enfrentamento ao racismo e às desigualdades sociais

PFDC

As ações afirmativas são importante instrumento de combate ao racismo e de promoção da igualdade racial no Brasil, constituindo medidas positivas imprescindíveis para viabilizar o acesso mais igualitário à universidade pública, em caráter de verdadeiro mandamento constitucional. 

(mais…)

Ler Mais

Carta aberta ao ministro da Educação

Por Laura Sito*, no Sul21

“Que ninguém roube a nossa capacidade de sonhar”

Caro Ministro da Educação, Ricardo Vélez-Rodriguez,

Tenho 27 anos e sou uma jornalista formada na Universidade Federal do Rio Grande do Sul pela política de cotas. Minha mãe – mãe solteira e empregada doméstica – teve a alegria de ir ao salão de atos da UFRGS por duas vezes para ver suas filhas receberem seus diplomas. Na última década de profunda transformação no ensino superior do Brasil, pude ver primas, amigos, vizinhos e colegas poderem dar a mesma alegria a suas mães.

(mais…)

Ler Mais

O nome dela é Jhenyfer, ex-aluna de escola pública, negra e aprovada em medicina na USP aos 17 anos: ‘Universidade é para todos’

Jovem defende política de cotas e maior possibilidade de acesso de pobres e negros ao ensino superior.

Por Luiza Tenente, G1

Jhenyfer Rosa, de 17 anos, foi aprovada em medicina na Universidade de São Paulo pelas cotas do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Eram 15 vagas reservadas a ex-alunos de escolas públicas que sejam negros, pardos ou indígenas. A jovem orgulha-se de estar nesse grupo e defende que as universidades deixem de ser elitizadas.

(mais…)

Ler Mais

Ufba aprova cotas na graduação para trans e refugiados

Serão 88 vagas para trans e 88 para refugiados por ano

Por Mário Bittencourt, no Correio

A Universidade Federal da Bahia (Ufba) oferecerá a partir de janeiro de 2019 cotas para transexuais, transgêneros e travestis e refugiados ou imigrantes em situação de vulnerabilidade social, ampliando o leque de oferta de vagas diferenciadas, que já contempla quilombolas e índios aldeados.

(mais…)

Ler Mais

PFDC e Andifes discutem medidas para assegurar políticas de cotas nas universidades brasileiras

Além das comissões de verificação, esteve em debate a reserva de vagas para docentes pretos e pardos

A adoção de medidas para garantir a implementação da política de cotas raciais nas universidades e institutos federais em todo o país foi tema de diálogo entre a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão do Ministério Público Federal (PFDC/MPF) e a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes). (mais…)

Ler Mais

“Bolsonaro é candidato a formar um Reich”, diz especialista em neonazismo

Em entrevista à Fórum, Adriana Dias, doutora em antropologia social que pesquisa o neonazismo há mais de 15 anos, explicou como a ascensão de Jair Bolsonaro fomentou a atuação de grupos de extrema direita no Brasil e como o militar da reserva está mais próximo do neonazismo do que muitos acreditam

Por Ivan Longo, Revista Fórum

A candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) está muito mais próxima do neonazismo do que muitos acreditam. A afirmação é de Adriana Dias, doutora em antropologia social que estuda o fenômeno da extrema direita no Brasil há mais de quinze anos. (mais…)

Ler Mais

Levantamento dos resultados das políticas de ação afirmativa na universidades federais em 2016

O Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa (GEMAA), do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da UERJ (IESP-UERJ) acaba de publicar em seu site o Levantamento sobre a Evolução da Lei Nº 12.711 Nas Universidades Federais (2016).

Este estudo apresenta resultados do acompanhamento das políticas de ação afirmativa realizado anualmente pelo GEMAA (Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa), com foco nas universidades federais brasileiras. A aprovação da Lei Federal 12.711, em 2012, demandou que as universidades federais – muitas das quais já possuíam programas de ação afirmativa – se adequassem às suas prescrições, de modo que a lei fosse cumprida nos processos seletivos para 2013. (mais…)

Ler Mais

RJ – Colóquio Brasil-Nigéria discute Conhecimentos Tradicionais e Saúde

Na COC

A Casa de Oswaldo Cruz (COC)/Fiocruz realiza o Colóquio Brasil-Nigéria, cujo tema “Conhecimentos Tradicionais e Saúde” será debatido por pesquisadores, no dia 13 de junho, na Tenda da Ciência Virgínia Schall do Museu da Vida. Participará da abertura do evento o rei Ooni de Ifé, cidade de Osun, no Oeste daquele país africano. Pela primeira vez no Brasil, o rei é representante da etnia iorubá. A viagem ao país integra a Década Internacional dos Afrodescendentes, estabelecida pela Unesco de 2015 a 2024. (mais…)

Ler Mais