Jornalismo, jornalistas e mentiras

por Elaine Tavares, em Palavras Insurgentes

A mídia brasileira foi pega de surpresa pelo presidente eleito nas últimas eleições quando este não quis saber de entrevistas nem de jornalistas para falar com seu eleitorado logo depois da vitória. Transmitiu suas palavras direto de casa, pelo celular, na sua rede social, sem mediações. Depois, nos dias que se seguiram chutou o pau da barraca de uma série de empresas de comunicação acusando os jornalistas de “fabricantes de mentiras”. Entre seus seguidores não há um que respeite a mídia. Os comentários são os mais estapafúrdios: a rede Globo é comunista, a Folha de São Paulo é do Lula. Ou seja: duas coisas que foram sistematicamente demonizadas durante a campanha eleitoral, comunismo e PT. A coisa beira ao surreal.  (mais…)

Ler Mais

E o velho jornalismo passa o pano para Bolsonaro

Em quase todas as matérias, ele é “polêmico” e “controverso” — mas nunca “fascista”, “de extrema direita” ou “violento”. Crônica de uma “imparcialidade” muito tendenciosa

Por Fabiana Moraes*, da Piauí, no Outras Palavras

Às vezes, estamos procurando um calmante, um Rivotril da vida, e acabamos tomando, sem querer, uma dose do jornalismo diário brasileiro. Se o primeiro tranquiliza e dá sono, o segundo causa algo desastroso para o cotidiano: confunde, desorienta. Principalmente quando não nomeia as coisas pelo que elas são. Um exemplo: quando chama crime de “polêmica”. Ameniza, doura a pílula, deixa soft. Lembro-me de quando a revista Placar lançou, em abril de 2014, uma capa com o ex-jogador Bruno na qual víamos seu rosto em quase pôster. Na foto, ele nos olhava diretamente, e a manchete dizia, em letras garrafais: “Me deixem jogar.” O título era seguido pela chamada “Goleiro fala da vida no cárcere, da morte de Eliza Samudio e do sonho de cumprir o contrato que assinou com um time mineiro.” Um desavisado poderia facilmente pensar, a partir daquela construção, que se tratava de alguém que sofria uma injustiça, que apenas queria voltar a exercer sua profissão. Que havia perdido um amor. Pobre Bruno. (mais…)

Ler Mais

Meios de comunicação tradicionais usam da gramática para manipular informações

De acordo com autora do livro “Gramática da Manipulação”, a repetição de palavras, termos e informações fundamenta estereótipos capazes de criar uma realidade paralela àquela de fato real

por Redação RBA

ara a jornalista Letícia Sallorenzo, desde a eleição da ex-presidenta Dilma Rousselff (PT), há quase quatro anos, veículos da mídia tradicional vêm aplicando, também nestas eleições, uma fórmula de repetição diária de palavras, termos e informações a fim de criar uma “realidade paralela” junto à opinião pública, ou seja, os eleitores. Com críticas diretas aos jornais O Globo e Folha de S. Paulo, em palestra para jornalistas e sindicalistas do Coletivo de Comunicação da CUT nesta quarta-feira (26), em Brasília, a autora do livro “Gramática da Manipulação”, lamentou o atual jornalismo feito também pelo veículo O Estado de S. Paulo. (mais…)

Ler Mais

Midiativismo de Favela: Contrapúblicos para Direitos Humanos no Brasil

por Sharonya Vadakattu, em RioOnWatch

Armados com uma mistura de evolução em jornalismo e tecnologia, cidadãos, anteriormente marginalizados, têm agora a capacidade de fazer ouvir suas vozes entre os moradores de suas comunidades e entre o público em geral. Este é o tema do Favela Media Activism: Counterpublics for Human Rights in Brazil (Midiativismo de Favela: Contrapúblicos para Direitos Humanos no Brasil), o primeiro livro do cientista social brasileiro Dr. Leonardo Custódio. (mais…)

Ler Mais

Entrevista Manchetômetro – Afonso de Albuquerque

Por Juliana Gagliardi, no Manchetômetro

Afonso de Albuquerque é professor do Departamento de Estudos Culturais e de Mídia e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense (UFF). Pesquisador do CNPq desde 1998, atua principalmente nas áreas de Comunicação Política, Jornalismo e Comunicação Comparada, nas quais publicou diversos artigos em revistas nacionais e internacionais de referência. (mais…)

Ler Mais

O exército de pinóquios: Como operam dez dos maiores sites de notícias falsas do país, pagos até com verba de gabinete para disseminar boatos

Por Helena Borges, na Época

“Estão entregando dinheiro na mão de terrorista!”, dizia o vídeo publicado no dia 26 de janeiro pelo site Gospel Prime, um portal de notícias focado no público evangélico com média de quase 2,8 milhões de leitores ao mês. De acordo com a denúncia do site, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o presidente Michel Temer estavam tentando desviar dinheiro de uma obra, por meio de uma Medida Provisória de ocasião, para financiar terroristas palestinos. No Facebook, o líder da bancada evangélica na Câmara dos Deputados, o pastor Takayama (PSC-PR), gravou outro vídeo com um comentário que teve cerca de 4 mil visualizações. “Estão nos comunicando que muito do que é enviado para a Palestina é para patrocinar terrorismo”, disse, grave. (mais…)

Ler Mais

Jornais noticiaram Esquadrão da Morte de acordo com clima político

Veículos paulistanos foram mudando de posicionamento frente ao grupo paramilitar de acordo com a situação política do País

Por , no Jornal da USP

Em meio ao regime militar, surge, em 1968, um grupo paramilitar formado por policiais intitulado Esquadrão da Morte. Seu objetivo era simples: perseguir e executar criminosos potencialmente perigosos à sociedade. Mas como, em um regime militar, a mídia se portou perante esse grupo? De acordo com a tese de doutorado da pesquisadora Márcia Gomes, na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, a mídia apresentou diversas facetas e mudou de posicionamento ao longo do tempo, adaptando-se aos diversos contextos vividos nos dez anos em que o Esquadrão da Morte foi ativo. (mais…)

Ler Mais

Facebook anuncia recadastramento de páginas contra manipulação em eleições. Por Leonardo Sakamoto

No blog do Sakamoto

O Facebook anunciou, nesta sexta (6), o recadastramento de páginas ”com um grande número de seguidores” em sua rede social. De acordo com a empresa, caso os perfis que as administram não consigam comprovar que não são falsos, mas correspondam a pessoas reais, serão impossibilitados de atualizá-las.

A empresa não informou, por questões estratégicas, a linha de corte para o ”grande número de seguidores”. Quer evitar que os responsáveis por páginas baseadas em perfis falsos driblem as regras, com a criação de páginas menores para propagar conteúdo voltado à manipulação. (mais…)

Ler Mais

Para o pastor Ariovaldo Ramos, a mídia brasileira é uma ‘escola de fake news’

Integrante de comunidade evangélica defende Estado laico e critica uso da religião como instrumento para “ganhos particulares”. Ele vê o racismo como “a maior agressão que se pode fazer a Deus”

por Redação RBA

São Paulo – O pastor evangélico Ariovaldo Ramos, convidado de Juca Kfouri no programa Entre Vistas, às 21h desta terça-feira (3), na TVT, é voz pouco usual no meio religioso televisivo. Aliás, Ariovaldo é absolutamente contrário a que instituições religiosas usufruam de concessões de rádio ou televisão. “Uma concessão pública, como a que a Record tem, me parece que só é possível numa perda total da noção da laicidade do Estado”, diz, lembrando que cabe ao Estado a outorga de concessões. (mais…)

Ler Mais