MST arrecada livros de literatura infantil

Os livros serão entregues no 1º Encontro Nacional de Crianças Sem Terrinha

Por Webert da Cruz, da Página do MST

“A importância de ouvir muitas, muitas histórias, escutá-las é o início da aprendizagem para ser um leitor, e ser leitor é ter um caminho absolutamente infinito de descoberta e de compreensão do mundo”, afirmou Fanny Abramovich, escritora infanto-juvenil brasileira em 1994. (mais…)

Ler Mais

8° International Uranium Film Festival convida para filmes atômicos e debates sobre energia e segurança nuclear

Um final de semana atômico: Filmes atômicos, debates sobre energia e segurança nuclear, de 8 a 10 de junho de 2018, 17 horas – com degustação de Cachaça Magnífica gratuita

Uranium Film Festival

O Rio de Janeiro International Uranium Film Festival convida para filmes atômicos, debates sobre energia e segurança nuclear e degustação de Cachaça Magnífica, na Cinemateca do MAM Rio, nos dias 8 a 10 de junho de 2018, às 17 horas. Doze filmes de doze países: Alemanha, Brasil, Espanha, EUA, Índia, Italia, Suiça, Dinamarca, Ucrânia, Portugal, Inglaterra. Entrada Franca! (mais…)

Ler Mais

Os Krahô em Cannes: “Sabíamos que tínhamos de fazer um filme com a paciência do mundo”

Era uma vez o cinema… inventado junto dos krahô, povo indígena do Brasil. João Salaviza e Renée Nader Messora foram à procura de algo que só podia nascer sobre os restos de uma maneira de produzir e de filmar de que Montanha, que ele realizou e em que ela foi assistente, foi para eles o estertor. Fugiram. Encontraram.

Por Vasco Câmara, no Público

Talvez se entre para Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos com medo do que se vai encontrar. Como se uma parte de nós estivesse em perda com a ruptura que João Salaviza – “sequestrado” por Renée Nader Messora – fez com o cinema e a vida que antes quis e conheceu. (mais…)

Ler Mais

A Academia do Oscar fez justiça ao expulsar Polanski e Cosby por crimes contra as mulheres?, por Eliane Brum

A potência dos movimentos feministas ao romper com a normalidade da violência de gênero amplia a oportunidade para refletir sobre que mundo queremos

por Eliane Brum, em El País Brasil

O assédio sexual, o abuso e o estupro de mulheres começa a deixar de ser um fato natural e uma contingência de um destino feminino. O “é assim que funciona” começa a não funcionar mais assim. Essa mudança só aconteceu pela enorme força colocada em movimento pelas mulheres ao começarem a falar. A conquista de campanhas como #MeToo e Time’s Up, assim como no Brasil o #MeuPrimeiroAssédio, derrubaram uma ideia de normal que sujeita as mulheres por milênios e já se tornaram uma marca positiva deste momento histórico em que quase tudo são trevas e retrocesso. A violência sexual não é uma exceção, mas a regra na vida das mulheres. O assédio, o abuso e o estupro determinam e estruturam a experiência das mulheres com o seu corpo e com o outro. Até mesmo na linguagem, a palavra que nomeia o sexo das mulheres é envolta em proibição e repulsa. Ser mulher é ser um corpo que, de algum modo, estava (e para a maioria das mulheres ainda está) destinado a ser violado ao viver neste mundo. (mais…)

Ler Mais

Antonio Gramsci Jr: Recordando meu avô

Através do uso de arquivos familiares e outras novas fontes, o neto do revolucionário italiano Antonio Gramsci procura reconstruir a contribuição cultural e política de seu avô para construir e defender o movimento operário italiano e o socialismo internacional em face das distorções stalinistas, hostilidades capitalistas e do atual regime reacionário russo

No PortSide, da New Left Review

(mais…)

Ler Mais

Žižek: A atualidade de Marx

Por Slavoj Žižek, no blog da Boitempo

Quando penso no bicentenário de Karl Marx comemorado este ano, logo me ocorre uma deliciosa piada soviética sobre a rádio Yerevan. Um ouvinte pergunta: “É verdade que Rabinovitch ganhou um carro novo na loteria?”. E a rádio responde: “A princípio, é verdade, sim. Só que não foi um carro novo, foi uma bicicleta velha, e ele não ganhou ela, ela lhe foi roubada.” Não seria possível dizer que algo semelhante não vale também para o destino do ensinamento de Marx hoje, 200 anos após seu nascimento? (mais…)

Ler Mais

Morre, aos 97 anos, Dona Ivone Lara

O Globo

RIO – Baluarte do samba, cantora e compositora, Dona Ivone Lara morreu na noite desta segunda-feira, na Coordenação de Emergência Regional (CER) Leblon, Zona Sul do Rio. Ela sofreu uma parada cardiorrespiratória. A sambista estava internada desde a última sexta-feira — dia em que completou 97 anos — quando deu entrada com quadro de anemia, e estava no Centro de Terapia Intensiva (CTI). Na tarde desta segunda-feira, o quadro de saúde piorou. Em agosto de 2017, a sambista esteve internada no mesmo hospital, com crise de hipoglicemia.

A sambista será velada nesta terça-feira na quadra do Império Serrano, em Madureira, na Zona Norte do Rio. O sepultamento será no cemitério de Inhaúma, na tarde desta terça. (mais…)

Ler Mais

Hélio Eichbauer: O escultor dos vazios

Por Mariana Filgueiras e Ronaldo Pelli, na Continente

Assim como Michelangelo, para quem o bloco de mármore já continha a escultura que ele apenas revelaria ao desbastar a pedra, o principal cenógrafo brasileiro, Hélio Eichbauer, enxerga nos vazios de um palco virgem todas as formas que precisam ser retiradas para compor um cenário. Fica apenas o essencial. Para o polivalente e minimalista artista de 76 anos, o espaço é a sua principal matéria-prima. (mais…)

Ler Mais

A invenção da infância sem corpo, por Elaine Brum

O que há de tão ameaçador em um homem nu junto a uma criança?

No El País

Quando publiquei a entrevista com Wagner Schwartz, a primeira que ele deu depois de ser atacado como “pedófilo” após uma performance realizada no Museu de Arte Moderna (MAM) de São Paulo, acompanhei bem de perto os comentários de leitores. Um grande número de intervenções admitia que ele não era um pedófilo, mas afirmava ser inaceitável que um homem nu fosse tocado por uma criança, mesmo acompanhada da mãe, mesmo em público e mesmo no contexto artístico. O uso político e possivelmente planejado do episódio pelas milícias de ódio da internet já é bem conhecido. Mas por que milhões de pessoas aderiram ao linchamento digital de Wagner, mais de uma centena ameaçando-o de morte? O que perturbou tanto essas pessoas, homens e mulheres que encontramos o tempo todo no elevador ou no supermercado e que tudo indica não serem particularmente más? (mais…)

Ler Mais