Debate sobre “Queermuseu” reúne curador, desembargador federal e procurador do MPF

Realizado na noite da última sexta (20), evento foi organizado pela Parada Livre de Porto Alegre

No Gauchazh

Na noite da última sexta-feira (20), a Parada Livre de Porto Alegre promoveu um debate sobre o fechamento da mostra Queermuseu – Cartografias da Diferença na Arte Brasileira, realizado no Sindicato dos Bancários.  Na mesa estavam o curador da exposição, Gaudêncio Fidélis, o desembargador do Tribunal Regional Federal (TRF4) Roger Raupp Rios e o procurador do Ministério Público Federal Paulo Cogo Leivas. A mediação foi da radialista Kátia Suman.

(mais…)

Ler Mais

A sociedade dos afetos regredidos

Num tempo de sensibilidades afloradas, certas emoções ocupam o centro da política. É neste ambiente que grupos primitivos porém hábeis em manipulação de afetos, como o MBL, tentam emergir

Por Fran Alavina* – Outras Palavras

A experiência do mundo contemporâneo parece ter gerado um consenso estético de que vivemos tempos de insensibilidade. Ainda que possa soar como algo piegas, e independentemente do espectro político – progressista ou conservador – é cada vez mais audível o discurso de que o caos atual, essa desordem programada a que assistimos atônitos, como se fosse uma pura ficção, seria fruto de uma ordem de coisas de natureza insensível. Para direita e para a esquerda, o certo é que este mundo atual não é o melhor dos mundos possíveis. (mais…)

Ler Mais

Canções Escravas e Racismo nas Américas

 O vídeo abaixo divulga o livre “Da senzala ao palco: Canções escravas e racismo nas Américas, 1870-1930”, de Martha Abreu, cujo lançamento foi adiado para o dia 29 de novembro, no IFCH-Unicamp

Por Históri@ Illustrada

Este vídeo trata das expressões musicais criadas por descendentes de africanos escravizados no Brasil e nos Estados Unidos, entre o final do século XIX e o início do século XX. Seu conteúdo está baseado no livro digital “Da senzala ao palco: canções escravas e racismo nas Américas, 1870-1930”, da historiadora Martha Abreu e publicado pela Editora da Unicamp. (mais…)

Ler Mais

Evento na UFBA defende entrada e permanência de negros na pós-graduação pública

2ª Ciclo Formativo Opará Saberes oferece orientações gratuitas de suporte teórico e metodológico, além de apoio psicológico e acompanhamento dos projetos.

G1 BA

Universidade Federal da Bahia (UFBA) recebe, de 24 de outubro a 9 de novembro, o 2º Ciclo Formativo Opará Saberes em Salvador. Aberto ao público, o evento é voltado ao apoio e debate sobre a ocupação negra nas vagas de mestrado e doutorado, por meio da valorização e instrumentalização dos saberes com epistemologias feministas, afrocêntricas e decoloniais. (mais…)

Ler Mais

Estúdio África em Salvador, Bahia

Por Goli Guerreiro, no Buala

Inspirado na história e nas práticas da fotografia africana, o projeto Estúdio África promove uma série de ações voltadas para uma experiência estética original em Salvador. Ao longo do século XX, os africanos se apropriaram da técnica da fotografia e criaram uma estética própria, atualmente exposta nos mais importantes museus do mundo. A ideia é recriar estes espaços de experiência fotográfica como forma de aproximar os baianos da cultura do continente através da arte, simulando uma espécie de estúdio ao ar livre. (mais…)

Ler Mais

Há 100 anos nascia Violeta Parra, “Santa Violeta”, como lhe chamou Neruda

Cantora, compositora, etnógrafa, pintora, tecelã, poetisa. A chilena que soube agradecer à vida nascia há 100 anos.

Na  TSF

Filha de um professor de música e de uma camponesa e cantora popular, que lhe ensinou os primeiros cantos chilenos, Violeta Parra começou a atuar com 9 anos. Com os irmãos, cantava boleros e rancheros em bares e restaurantes e, mais tarde, em 1943, com o nome “Violeta de Maio”, percorre o país com um repertório de músicas espanholas. (mais…)

Ler Mais

Crivella veta no Rio a exposição Queermuseu, censurada em Porto Alegre

Prefeito barra negociações do Museu de Arte do Rio para trazer a mostra à cidade. Instituição cede, mas defende “liberdade de expressão e de manifestações artísticas”

Por María Martín, no El País

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), prometeu neste domingo que não iria permitir a chegada da Queermuseu – cartografias da diferença na arte brasileira à cidade, e cumpriu. O Museu de Arte do Rio (MAR), que procurava um acordo com o curador da mostra, censurada em Porto Alegre após uma onda de ataques conservadores, encerrou as negociações para trazer a exposição aos cariocas. (mais…)

Ler Mais

12 fantásticos artistas que seriam condenados pelo moralismo do MBL

Tudo o que você precisa saber sobre a polêmica do Queermuseu mais uma galeria de obras “degeneradas” de grandes artistas que provocaria escândalo entre os reacionários brasileiros.

Iniciada no dia 16 agosto, em Porto Alegre (RS), e promovida pelo Santander Cultural, a “Queermuseu – Cartografias da Diferença na Arte Brasileira” era para ser mais uma exposição de temática LGBTT, como tantas outras que ocorrem em diversas partes do mundo, como a “Queer British Art 1861–1967” no Tate, o museu nacional de arte moderna do Reino Unido em Londres, ou as que ocorrem no Leslie-Lohman, museu LGBTT em Nova Iorque. (mais…)

Ler Mais