Como a tecnologia pode levar o racismo a um novo grau de perversidade, por Leonardo Sakamoto

No blog do Sakamoto

O que acontece quando uma tecnologia nova, como a Inteligência Artificial, encontra algo antigo e ainda presente, como o nosso racismo?

Essa questão, colocada neste Dia da Consciência Negra, pode parecer boba considerando que está em curso um genocídio de jovens, negros e pobres nas periferias das cidades e que a violência contra a mulher negra segue aumentando, indo no sentido contrário da violência contra a mulher branca, que segue diminuindo. Mas não é. E pode estar reforçar essa mesma violência, aumentando a injustiça e reforçando o racismo de forma aparentemente invisível. (mais…)

Ler Mais

Racismo não dá descanso e impacta a saúde e o trabalho dos negros no Brasil

Racismo não admitido dá menos oportunidades e afeta ascensão profissional dos negros. Eles têm salários menores, ainda que com o mesmo tempo de estudos de não negros

Beatriz Sanz – El País

“É coisa de preto”, teria dito o jornalista William Waack minutos antes de entrar no ar em uma transmissão ao vivo. A fala repercutiu como rastilho de pólvora acesa queimando o que houvesse pelo caminho. Foi afastado de sua função de apresentador no mesmo dia e incendiou a discussão sobre o racismo velado no Brasil. Enquanto jornalistas e até o ministro do Supremo Tribuna Federal (STF) Gilmar Mendes manifestaram apoio a Waack, nas redes sociais, os internautas resgatavam a memória e os feitos de grandes personalidades negras utilizando a hashtag #Écoisadepreto. Para a psicanalista Maria Lúcia da Silva, casos como esse são positivos pois descortinam o racismo e promovem o debate acerca do tema num país onde 54% da população se declara preta ou parda. (mais…)

Ler Mais

‘Mercado exclui mais os negros do que universidade’

Reitor da Universidade Zumbi dos Palmares diz que adoção de cotas ‘abriu uma brecha na porta’ para inclusão, mas que sozinha não resolve desigualdades. Entrevista com José Vicente

Por Juliana Diógenes, em O Estado de S. Paulo

O Dia da Consciência Negra, celebrado nesta segunda-feira, 20, representa um pedido de desculpas ao povo negro. É o que afirma o reitor da Faculdade da Cidadania Zumbi dos Palmares, o advogado, sociólogo, mestre em Administração e doutor em Educação, José Vicente, de 58 anos. (mais…)

Ler Mais

Seis estatísticas que mostram o abismo racial no Brasil

No Brasil, a população negra é mais atingida pela violência, desemprego e falta de representatividade

Por Tory Oliveira*, na Carta Capital

A população negra é a mais afetada pela desigualdade e pela violência no Brasil. É o que alerta a Organização das Nações Unidas (ONU). No mercado de trabalho, pretos e pardos enfrentam mais dificuldades na progressão da carreira, na igualdade salarial e são mais vulneráveis ao assédio moral, afirma o Ministério Público do Trabalho. (mais…)

Ler Mais

No Dia da Consciência Negra, polêmicas evidenciam racismo ‘enraizado’ no país

Acadêmicos falam como o caso William Waack revela um ‘problema estrutural’

Por Felipe Gelani*, no Jornal do Brasil

Nesta segunda-feira (20), data na qual se comemora o dia da Consciência Negra no país, a questão do racismo ganha protagonismo com um combustível a mais: a recente polêmica envolvendo o jornalista William Waack, da Rede Globo, que ganhou proporções internacionais após ser gravado falando frases racistas durante gravações. O comportamento do jornalista, e as repercussões nas redes sociais, levantam a questão sobre o combate ao racismo, e quanto o país avançou, ou regrediu, nesse sentido. (mais…)

Ler Mais

Negros são 64% dos desempregados, 66% dos domésticos e 67% dos ambulantes

Segundo o IBGE, desemprego e exclusão atingem mais pretos e pardos (classificação do instituto), mulheres e nordestinos

Na RBA

São Paulo – O desemprego e a exclusão do mercado de trabalho atingem, principalmente, pretos e pardos (classificação usada pelo IBGE), mulheres e moradores da região Nordeste, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, com dados regionais divulgados hoje (17) pelo instituto. Dos 13 milhões de desempregados no país, 8,3 milhões (63,7%) eram pretos ou pardos. A taxa de desemprego entre eles foi de 14,6%, enquanto a dos brancos chegou a 9,9%. (mais…)

Ler Mais

Terror na madrugada: o relato do ator Diogo Cintra sobre o racismo no Brasil

Por Diogo Cintra, na Carta Campinas

Eu tava andando na rua depois de sair de uma balada por volta das 5h da manhã. Estava próximo do Terminal Parque Dom Pedro II quando fui abordado por dois homens, que pediram meu celular e meu dinheiro.

Eu reagi e saí correndo pra tentar me abrigar no próprio Terminal de ônibus. Chegando lá, ainda sendo perseguido eu tentei pedir ajuda pra uma segurança, que virou pra mim e disse: “Meu, só corre. Sai daqui”. Eu corri pra pedir ajuda pra outros seguranças que estavam lá. E aí os mesmos homens que me abordaram poucos minutos antes, apareceram – agora em maior número – dizendo que era eu que tinha roubado eles. (mais…)

Ler Mais

Consciência negra é coisa de preto?

A história de resistência do povo negro encontrou no 20 de novembro sua data de celebração, mas o mito da democracia racial ainda faz crer que essa luta não tem sentido

por Pai Rodney — CartaCapital

Afinal, por que precisamos do Dia da Consciência Negra? E consciência negra é só pra negros? Qual a dificuldade em entender o sentido da data? Perguntas oportunas, necessárias, especialmente quando se percebe que alguns setores sempre ameaçam se rebelar contra o feriado e ainda há cidades que o revogam sem o menor constrangimento. (mais…)

Ler Mais

Coisa de preto todo mundo tem: classe informa raça, raça informa classe

Por Rayane Andrade, no Justificando

Coisa de preto todo mundo tem. Essa frase inicia a música “coisa de preto”, homônimo ao título ao primeiro álbum da cantora potiguar Khrystal, lançado em 2007. Os recentes acontecimentos envolvendo o jornalista WIlliam Waack e a circulação de sua declaração racista feita em 2016, me remeteram diretamente a essa memória sonora. (mais…)

Ler Mais

A quem interessa a onda de intolerância religiosa que sacode o Brasil?

Os mais perseguidos são os locais de culto das religiões de matriz africana, mas também atinge outros templos

Por Juan Arias, El País Brasil

O Brasil está destruindo um dos seus maiores valores, sua proverbial tolerância religiosa e a coexistência pacífica entre as diferentes confissões. A quem interessa essa onda iconoclasta que – como este jornal publicou – cresceu 4.960% em apenas cinco anos, que registra uma denúncia de hostilidade ou profanação de locais de culto e pessoas que os dirigem a cada 15 horas? (mais…)

Ler Mais