Após perseguição, índios voltam a construir malocas

Habitação coletiva indígena foi combatida por religiosos nos anos 1940 e 1950

Por Fabiano Maisonnave, na Folha

SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA (AM) – Quando o baniua Luiz Laureano nasceu, em meados dos anos 1940, toda a sua aldeia cabia na maloca. Então vieram os missionários salesianos e evangélicos. De repente, a habitação coletiva virou pecado —e que cada família tivesse a sua casa.

A mudança foi avassaladora. Após o processo de cristianização do Alto Rio Negro, entre os anos 1920 e 1950, contavam-se nos dedos as aldeias com malocas, todas em áreas de difícil acesso, na fronteira com a  Colômbia. (mais…)

Ler Mais

São João de Meriti lança campanha contra a intolerância religiosa

Por Cíntia Cruz, no Extra

A ialorixá Mãe Martha Britto ainda lembra assustada dos murros que cerca de dez homens encapuzados deram no portão de seu terreiro, a Casa de Oxalá e Oxum, na Venda Velha, em São João de Meriti, Baixada Fluminense. O episódio aconteceu há dois anos. Ela deixava o local com filhos de santo quando foram cercados pelos criminosos.

— Eles usavam luvas e toucas ninjas e diziam “Sai, Satanás’’. Tivemos que sair correndo — lembra a religiosa. (mais…)

Ler Mais

MPF acusa afiliada da Band no Pará de discriminação racial contra quilombola de Santarém

RBA TV veiculou reportagem de cunho racista contra quilombola de Santarém

Ministério Público Federal no Pará

O Ministério Público Federal (MPF) ajuizou ação nesta quarta-feira (18) em que pede à Justiça Federal decisão urgente para obrigar a RBA TV de Santarém, afiliada da Rede Bandeirantes de Televisão no oeste do Pará, a reparar danos causados pela veiculação de reportagem de cunho racista contra quilombola do município. (mais…)

Ler Mais

Por que mulheres negras são as que mais morrem na gravidez e no parto?

A tenista Serena Williams escancarou os dados relacionando racismo e mortalidade materna nos EUA. No Brasil, a realidade não é diferente

por Isabela Cavalcante no Metropoles

Serena Williams emocionou os seguidores de suas redes sociais após falar das dificuldades sofridas no pós-parto. A tenista, de 36 anos, deu a luz ano passado a sua primeira filha e quase morreu devido a uma embolia pulmonar.

(mais…)

Ler Mais

PGR denuncia Jair Bolsonaro por racismo contra quilombolas, indígenas, refugiados, mulheres e LGBTs. E Eduardo Bolsonaro por ameaças

Os dois parlamentares utilizaram expressões discriminatórias e ofensivas

A Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou ao Supremo Tribunal Federal (STF), nesta sexta-feira (13), o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ) por racismo praticado contra quilombolas, indígenas, refugiados, mulheres e LGBTs. Filho de Jair e igualmente deputado federal, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) também foi denunciado por ameaçar uma jornalista. Se condenado, Jair Bolsonaro poderá cumprir pena de reclusão de um a três anos; a PGR também pede o pagamento mínimo de R$ 400 mil por danos morais coletivos. Já no caso de Eduardo, a pena prevista – de um a seis meses de detenção – pode ser convertida em medidas alternativas, desde que sejam preenchidos os requisitos legais. (mais…)

Ler Mais

Jurema Werneck: a voz da resistência

Negra, lésbica, nascida no morro, a médica Jurema Werneck luta contra o preconceito desde criança. Dos episódios de bullying na escola aos ataques virulentos nas ruas, fez da exclusão o combustível para defender os direitos humanos. Essa militância a levou a assumir, no ano passado, o cargo mais importante da Anistia Internacional no Brasil. Agora, é uma das principais vozes a cobrar respostas sobre o atentado que matou a vereadora Marielle Franco, sua parceira de luta

Por Adriana Ferreira Silva, na Marie Claire (mais…)

Ler Mais

PGR para Bolsonaro: Você é livre para falar, mas responsável pelo que diz. Por Leonardo Sakamoto

No blog do Sakamoto

Jair Bolsonaro (PSL-RJ) foi denunciado ao Supremo Tribunal Federal pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, nesta sexta (13). Ela pede a condenação de deputado federal e pré-candidato à Presidência da República nos termos da lei 7.716/1989 (”Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional”), contra quilombolas e refugiados estrangeiros. Também citou preconceito e ódio contra indígenas, mulheres e população LGBTT.

A pena prevista é de um a três anos de cadeia. Dodge solicitou que ele fosse denunciado duas vezes pelo mesmo crime, devido a repetidas manifestações. (mais…)

Ler Mais

Bolsonaro é denunciado no STF pelo crime de racismo

“Eu fui num quilombo. O afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada! Eu acho que nem para procriador ele serve mais.”

Por Isabella Souto, no R.M.

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ) poderá responder pelo crime de racismo na Justiça. A procuradora-geral da República Raquel Dodge apresentou denúncia contra o pré-candidato a presidente da República nesta sexta-feira. (mais…)

Ler Mais

Mantidas condenações da Rede Record e Rede Mulher para conceder direito de resposta a religiões afro-brasileiras

Ação contra emissoras de televisão foi movida pelo MPF, Itecab e Ceert por causa de constantes agressões veiculadas em programas

Procuradoria Regional da República da 3ª Região

O Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) manteve, por unanimidade, as condenações da Rede Record e da Rede Mulher, em ação civil pública que pedia que religiões de matriz africana obtivessem direito de resposta em razão de agressões veiculadas na programação das duas emissoras. A ação foi proposta em 2004 pelo Ministério Público Federal (MPF), pelo Instituto Nacional de Tradição e Cultura Afro-Brasileira (Itecab) e pelo Centro de Estudos das Relações de Trabalho e da Desigualdade (Ceert).  (mais…)

Ler Mais

Movimento Anti-Racismo no Brasil se inspira em Martin Luther King Jr. e Marielle Franco

“A injustiça em qualquer lugar é uma ameaça à justiça em todos os lugares. Estamos presos em uma rede inescapável de mutualidade, atados em um único laço do destino. Algo que aja sobre alguém diretamente age sobre todos indiretamente.” ― Martin Luther King Jr., Carta de Uma Prisão em Birmingham

por Hari Pannum, em RioOnWatch

Cinquenta anos separam os assassinatos do grande defensor dos direitos civis dos Estados Unidos, Martin Luther King Jr., e da vereadora do Rio, Marielle Franco. No entanto, a discussão do racismo nunca foi tão primordial para o povo do Rio de Janeiro. No dia 5 de abril, um evento organizado pelo movimento de juventude RUA em parceria com o Teatro do Oprimido, conduziu uma discussão inspiradora no Centro de Teatro do Oprimido no Centro do Rio. O painel contou com Ronilso Pacheco, integrante do grupo de estudantes negros do Coletivo Nuvem Negra, da PUC Rio; Daniella Monteiro, membro do RUA e do Movimento Negro Unificado (MNU); e Wesley Teixeira, também do RUA e do Pré-Vestibular Popular + NÓS. A noite também incluiu uma gama de talentos musicais em homenagem a Marielle Franco, incluindo o Grupo Maracatu Baques do Pina, Banda XIX, e Supremacia Records, entre muitos outros. (mais…)

Ler Mais