No Chile, um Francisco apocalíptico dá missão a universidades católicas

Na IHU On Line

Nos majestosos arredores da Pontifícia Universidade Católica do Chile, na noite dessa quarta-feira, 17, o Papa Francisco fez um dos discursos mais inteligentes de seu pontificado, dando uma clara direção para as instituições educacionais católicas dos nossos tempos. A reportagem é de Austen Ivereigh, publicada por Crux, 18-01-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

***

Como eu geralmente destaco, Francisco é, se não sombrio, certamente apocalíptico sobre estes tempos. Ele acredita que a sociedade contemporânea enfrenta cada vez mais uma escolha de vida ou morte.

O resultado dessa consciência pública em desaparecimento, sob a onda do individualismo, dificulta a construção de uma nação ou até de qualquer comunidade, e, do modo como o papa vê isso, as consequências são cruéis.

“Sem o ‘nós’ de um povo, de uma família, de uma nação, e, ao mesmo tempo, sem o ‘nós’ do futuro, dos filhos e do amanhã; sem o ‘nós’ de uma cidade que ‘me’ transcenda e seja mais rica do que os interesses individuais, a vida será não só cada vez mais fraturada, mas também mais conflitiva e violenta”, disse Francisco.

A missão da universidade, nesse contexto, é gerar aquilo que Francisco chamou de “processos educativos também transformadores, inclusivos e de convivência”. Isso parece bastante banal, mas Francisco deixa claro que, por “processos”, ele não se refere a conteúdos, mas ao ensino de uma nova maneira de raciocinar e de pensar “de forma integrada” – uma forma mentis.

O termo que ele usou para isso em espanhol é “alfabetización integradora”, um novo tipo de alfabetização que permita que as pessoas pensem de forma integrada.

O que Francisco apresentou em Santiago foi um argumento para esse tipo de pensamento, não um modo sistemático de alcançá-lo.

(Esse, é claro, é o argumento da Laudato si’: o “paradigma tecnocrático” produziu uma mentalidade antagônica à Criação que leva à instrumentalização, mercantilização e exploração do mundo natural e das outras criaturas.)

Todo cenário acadêmico, disse Francisco, conterá “a tentação latente de reduzir a Criação a alguns esquemas interpretativos, privando-a do Mistério próprio que moveu gerações inteiras a buscar o que é justo, bom, belo e verdadeiro”.

“Quando um professor, pela sua sapiencialidade, se converte um ‘mestre’, então, sim, é capaz de despertar a capacidade de assombro em nossos estudantes”, disse Francisco, acrescentando: “Assombro perante um mundo e um universo a descobrir!”.

O primeiro é o equivalente acadêmico da “cultura popular evangelizada” sobre a qual ele fala na Evangelii gaudium.

Assim como a Igreja precisa se reconectar com o Cristo presente na religiosidade das pessoas comuns, ele pede com força que a sala de aula universitária se conecte com aquilo que ele chama de “sabedoria dos povos que formam esta abençoada terra” – incluindo, é claro, seus povos originários.

Essa “sinergia tão enriquecedora” entre “rigor científico e intuição popular” ajudará a preencher as fissuras intelectuais de hoje entre razão e ação, disse Francisco, entre pensar e sentir, entre conhecer e viver, e entre profissão e serviço.

A segunda ideia é que a forma mentis da universidade deve estar ao serviço da “convivência nacional”, tornando-se aquilo que ele chama de “um laboratório para o futuro do país” – que “consegue incorporar em seu seio a vida e o caminhar do povo, superando toda lógica antagônica e elitista do saber”.

“Profético” é precisamente a palavra que ele usa no fim para descrever o papel da universidade católica no futuro líquido.

“Essa profecia que nos é pedida, impulsiona a buscar espaços recorrentes de diálogo mais do que de confronto; espaços de encontro mais do que de divisão; caminhos de amistosa discrepância, porque se discorda com respeito entre pessoas que caminham na busca honesta de avançar em comunidade rumo a uma renovada convivência nacional.”

Como slogan, isso pode parecer um pouco restrito. Mas ninguém pode dizer que o papa não deu uma missão às universidades católicas.

Em Agosto de 2016, depois do sismo que atingiu o centro de Itália, Francisco visitou uma das localidades mais afectadas, Amatrice. Foto: Osservatore Romano

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

quatro × dois =