Depois que o fogo apaga

Por Caio Castor, na Pública 

Durante 45 dias acompanhamos o dia a dia de Noemi, Adilson, Grivalda e Jéssica no acampamento que se levantou em frente aos escombros do edifício Wilton Paes, no Largo do Paissandú, no Centro de São Paulo.

Os quatro desabrigados são parte das mais de 150 famílias que ficaram sem-teto com o incêndio e desabamento do edifício ocupado pelo movimento LMD (Luta por Moradia Digna) na madrugada de terça-feira, 1 de maio de 2018.

Depois de 23 dias acampadas e à espera de uma solução do poder público – que ainda não veio – Noemi e a filha Jéssica buscaram abrigo em outra ocupação no centro da cidade. Adilson e a esposa Grivalda, porém, resolveram seguir acampados em condições insalubres.

Na cidade mais rica do país, esses personagens escancaram as dificuldades cruéis de uma parcela cada vez maior da população na luta por moradia digna.

Enviado para Combate Racismo Ambiental por Isabel Carmi Trajber.

Foto: Willian Moreira /Futura Press /Estadão Conteúdo

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

5 + doze =