Seguidores de Bolsonaro atacam e ameaçam Amelinha Teles, ex-presa política, no Facebook

Maria Amélia Teles se tornou alvo de eleitores do candidato do PSL depois que deu depoimento para programa de Fernando Haddad

Por Eumano Silva, no Metrópoles

ex-presa política Maria Amélia de Almeida Teles virou alvo de uma onda de ataques na internet por ter gravado um depoimento sobre as torturas que sofreu no início da década de 1970 por agentes da ditadura. Levado ao ar pelo programa eleitoral do presidenciável Fernando Haddad (PT), o testemunho da ex-militante do PCdoB foi repelido por seguidores do candidato do PSL, Jair Bolsonaro, com agressões verbais e xingamentos.

No trecho mais contundente de sua denúncia, Maria Amélia, a Amelinha, conta ter sido visitada na cadeia pelo casal de filhos, que não a reconheceram pelas condições que se encontrava depois de severas sessões de tortura. A história da ex-prisioneira é nacionalmente conhecida e, levada à Justiça, provocou a condenação do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, comandante do Doi-Codi (órgão de repressão da ditadura) de São Paulo na época dos fatos.

“Essa senhora que aparece na propaganda de Haddad chorando é Amelinha Teles, que junto com seu marido matou e esquartejou militares em nome da ditadura do proletariado”, diz mensagem postada no Facebook sobre uma foto da ex-militante (confira abaixo). A postagem com esse texto recebeu mais de 37 mil compartilhamentos.

As acusações de morte e esquartejamento são inverídicas. No processo ao qual respondeu por atuação política, não há qualquer referência a esses crimes. A prisão de Amelinha e de seu marido, César Teles, foi motivada pelo trabalho que ela fazia na gráfica do PCdoB.

No livro A verdade sufocada, publicado em 2006, Brilhante Ustra também não registra os crimes citados no post contra a ex-prisioneira. Processado pela família Teles por prática de tortura, o coronel foi condenado. O processo chegou ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), que manteve a sentença.

Os comentários no post seguiram a mesma linha agressiva contra Amelinha. “Canalha”, “assassina”, “terrorista”, “a cara é de bandida”, “veia feia esquisita” e “ordinária” foram alguns dos termos usados pelos usuários do Facebook.

Buritizável

Candidato derrotado ao governo do Distrito Federal, o general da reserva Paulo Chagas (PRP) também entrou no clima de desconstrução da ex-presa política. Em um longo texto também publicado no Facebook, ele deu uma versão amena da passagem de Amelinha pelo Doi-Codi, fez referências a visitas das crianças à prisão, mas não confirmou as torturas. Tampouco tratou das acusações inverídicas a ela atribuídas pelos apoiadores de Bolsonaro (AQUI).

Procurada pelo Metrópoles, ela reagiu com serenidade às agressões dos seguidores de Bolsonaro. “É um ataque à democracia, à história e à memória brasileira”, afirmou Amelinha. “Não estou entendendo o que estão fazendo, não acho que essas mensagens violentas os favoreçam”, acrescentou. Amelinha disse que, mesmo passados mais de 40 anos de sua prisão, ainda hoje não se sente à vontade para falar sobre as torturas que sofreu. “Mas vou sempre denunciar. É um pedaço do meu corpo e da minha alma”, completou.

Ainda sob o impacto da ira dos seguidores de Bolsonaro, a ex-militante do PCdoB não decidiu se os acionará na Justiça.

***

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

dezessete − 2 =