Um antídoto contra a barbárie: mais de 300 dos ensaios-conferências organizados por Novaes disponíveis on-line

Tania Pacheco

“A razão pela qual decidi elogiar o sentimento do medo em uma época em que vivemos assolados pelo terror, em suas duas modalidades políticas — o terrorismo de grupos minoritários ou populações rebeladas e o terror de Estado que responde na mesma moeda — é que acredito que não é dado a nós, humanos, desconhecer o medo. O que há de terrível no mundo em que vivemos não é a presença do medo, e sim o fato de que toda a enorme variedade dos sentimentos de medo ficou encoberta por sua dimensão mais opressiva, mais empobrecedora, que é o temor em relação a nossos semelhantes. O homem, que só sobrevive física e psiquicamente em aliança com seus semelhantes, vê hoje no outro, qualquer que ele seja — estrangeiro ou vizinho, familiar ou desconhecido —, a ameaça mais temida.”

O texto acima inicia a conferência “Elogio do medo”, feita por Maria Rita Kehl em 2007 dentro do ciclo Ensaios sobre o Medo, organizado por Adauto Novaes. A novidade é que ele, assim como as demais palestras do evento, podem agora ser acessadas on-line. No site Artepensamento, está sendo disponibilizado todo o material produzido ao longo dos 32 anos de ciclos de conferências organizados por Adauto desde os tempos em que a Funarte ocupava um dos lugares de destaque na vida cultural brasileira.

Até o momento, já podem ser acessados 315 ensaios (menos de 50% do total previsto) e mais de 25 horas de filmes, selecionáveis por autoria, ano, formato e categoria. De acordo com Ricardo Bello, produtor da plataforma,

“O objetivo é dar acesso gratuito aos mais de setecentos ensaios já publicados. É certo que a nova geração está cada vez mais ligada às novas formas de pesquisa/leitura e, através da plataforma, além de um evidente trabalho cultural, a plataforma pretende tornar mais visíveis ainda os ensaios que, como escreveu Antonio Cândido, constituem ‘um dos feitos mais importantes da atividade cultural brasileira do nosso tempo’. (…) 
Lá o público poderá encontrar Os sentidos da paixão, O olhar, O desejo, Ética, Civilização e barbárie, O silêncio dos intelectuais e muitos outros, além de poder baixar, gratuitamente, ensaios de Marilena Chaui, Francis Wolff, Sérgio Paulo Rouanet entre outros”. 

Entre 127 @s autor@s já acessíveis, brasileiros e estrangeiros, a diversidade é notável, valendo citar como exemplos Ailton Krenak e Jacques Rancière.

Enfim, uma iniciativa da maior importância -ainda mais nestes tempos de ameaças de barbárie-, que pode ser acessada diretamente aqui.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

três + 3 =