Justiça argentina absolve líder indígena Milagro Sala

Ativista de grupo Tupac Amaru foi indiciada como coautora de caso “Tiroteio de Azopardo”, em 2007, mas acabou inocentada por falta de provas; ao longo dos anos, entidades como ONU e OEA pediam libertação de líder social

Por Lucas Berti, no Opera Mundi

O Tribunal Criminal da província argentina de Jujuy absolveu nesta quinta-feira (27/12) a líder social Milagro Sala, ativista do grupo Tupac Amaru, que havia sido acusada de mandar matar um homem em 2007. Sala estava detida desde 2016 e aguardava uma sentença de 12 anos de prisão, conforme foi pedido pela promotoria. 

O caso conhecido como “Tiroteio de Azopardo” ocorreu em San Salvador de Jujuy, capital provincial, e terminou com uma menina de 11 anos ferida. Um dos atiradores acusados, Fabián Ávila, cumpre pena de seis anos por tentativa de homicídio, enquanto outro suspeito, Alberto Cardozo, acabou absolvido. 

Em um processo demorado na Justiça, Milagro havia sido indiciada como coautora do crime, mas acabou sendo inocentada pelo princípio jurídico de presunção de inocência e por falta de provas. Após a sentença, a liderança social disse que pôde crer em uma “justiça verdadeira”. 

“É uma pequena luz de esperança de que temos que começar a crer na justiça verdadeira, que não se sente amarrada ao poder político”, comentou.

A ativista também denunciou torturas contra os acusados e também criticou o governo do presidente da Argentina, Mauricio Macri, cujo governo, segundo Sala, promove “uma perseguição a alguns setores políticos”. 

“Me dói como pessoa, porque valorizo a vida muitíssimo, que tenham torturado [Alberto] Cardozo, [Fabián] Ávila e outros companheiros, só para me manter parada aqui”, disse. 

Após a decisão da Justiça, o senador Geraldo Morales, que representa a província pelo partido União Cívica Radical, escreveu em sua conta pessoal no Twitter que a determinação é “vergonhosa” e acusou os inocentados de “roubarem o povo”. 

“Pena vergonhosa que absolve dois criminosos como Milagro Sala e Beto Cardozo. Se há uma coisa que todos os jujeños sabem, é a violência que exerceram e quanto roubaram do povo. A luta contra a impunidade continua”, disse Morales.

Pedidos de libertação

Desde 2016, quando Milagro Sala foi detida de forma preventiva, várias entidades internacionais e autoridades argentinas já haviam protestado contra a prisão da líder comunitária. 

Em abril de 2017, a então procuradora-geral da Argentina, Alejandra Gils Carbó, declarou que a detenção da ativista era ilegal, arbitrária e que deveria ser revogada.

Além de Carbó, o Comitê contra Discriminação Racial das Nações Unidas, a Comissão de Direitos Humanos da OEA (Organização dos Estados Americanos) e o líder da organização interamericana, Luis Almagro, também se manifestaram nesse período, pedindo a libertação de Sala. 

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

1 × quatro =