Exército veta participação de alunos de colégios militares em Olimpíada de História alegando ideologia da prova

Na primeira fase da Olimpíada Nacional de História do Brasil, da Unicamp, foram abordados temas como identidade de gênero e acesso de indígenas às universidades. Exército alega que o exame não segue a proposta pedagógica do seu sistema de ensino.

Por Nathalia Zorzo, na CBN

O Departamento de Educação e Cultura do Exército proibiu os alunos de todos os colégios militares do país de participar da 11ª edição da Olimpíada Nacional de História do Brasil, organizada pela Unicamp, alegando que as questões da primeira fase da prova têm ‘viés ideológico conflitante’ com os princípios do Exército Brasileiro. 

A Olimpíada trata de temas interdisciplinares, como geografia, literatura, arqueologia, urbanismo e atualidades. Uma das questões da primeira fase foi uma análise sobre um rap da cantora Triz, que fala sobre identidade de gênero. Outra foi sobre o acesso de indígenas a universidades federais.

Pelo menos 39 alunos dos 13 colégios militares do Brasil estão impedidos de participar. Eles chegaram a fazer a primeira fase da olimpíada, que consistia em responder a uma série de perguntas online. No entanto, um dia antes de enviarem as respostas, na sexta-feira, receberam a informação de seus orientadores de que não poderiam submeter as respostas porque o departamento havia considerado que algumas perguntas tinham ‘viés ideológico conflitante’.

O estudante do terceiro ano Luiz Buscarolli resolveu mandar as respostas mesmo assim e recorreu da decisão do Exército. O resultado da prova saiu nesta segunda-feira, e ele foi aprovado para a segunda fase, mas não sabe se vai poder continuar. Luiz, que estuda do Colégio Militar de Brasília, está inconformado:

‘Foi realmente um misto de chateação com raiva, eu me senti muito mal. Porque, querendo ou não, foi um ato de censura por parte do departamento’, afirma. ‘Ele cerceou o nosso direito de participar de uma Olimpíada. Ele cerceou o nosso direito de participar de uma prova por um, aspas, viés ideológico conflitante que, por si só, já demonstra muita coisa. Se tem um viés conflitante, é porque a instituição tem um viés ideológico, que não deveria ter, porque alega não ter’. 

Em nota, o Departamento de Educação e Cultura do Exército disse à CBN que ‘não será possível a manutenção da participação dos alunos do Sistema Colégio Militar do Brasil na Olimpíada, em face de conflitos com o Calendário Pedagógico e por não atender à Proposta Pedagógica do Sistema’. 

A olimpíada ainda tem mais cinco etapas online, com questões de múltipla escolha e dissertativas, até chegar à final, na Universidade Estadual de Campinas, com a participação de 200 equipes. Os vencedores ganham medalhas.

Livro censurado pela Inquisição. Foto: Daniel Rocha

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

6 + dezenove =