Ataque a indígenas em Caarapó, há três anos, foi articulado por Whatsapp

Conversas no aplicativo mostram como fazendeiros planejaram a violência, em junho de 2016; engenharia do ataque contra retomada envolve funcionários do Sindicato Rural, da cooperativa Coamo e funcionários das fazendas da região

Por Igor Carvalho, no De Olho nos Ruralistas

Dia 14 de junho de 2016, por volta de 8 horas: aproximadamente 70 pessoas, distribuídas em 40 camionetes, chegam até a sede da Coamo em Caarapó, no Mato Grosso do Sul. Nas dependências da maior cooperativa agroindustrial da América Latina, um dos principais atores do agronegócio brasileiro, homens circulam e conversam em rodinhas. A movimentação anormal chama a atenção dos trabalhadores que circulam pelo local.

Quase duas horas depois, o grupo parte em comboio. Nas caçambas dos veículos, homens sacam suas armas e vestem capuzes. Alguns minutos mais tarde estaria consumado o episódio conhecido como “Massacre de Caarapó”, que resultou na morte de um indígena e levou outros seis para o hospital.

O grupo de 70 pessoas que ocupava as camionetes formou-se a partir de uma articulação de cinco fazendeiros: Nelson Buainain Filho, Virgílio Mettifogo, Jesus Camacho, Dionei Guedin e Eduardo Yoshio Tomonaga.

Os detalhes da história se tornam públicos graças a uma investigação do Ministério Público Fedeferal (MPF) concluída em outubro de 2016, a que o De Olho Nos Ruralistas teve acesso. A Força Tarefa Avá Guarani, que culminou na denúncia, ganhou robustez com a quebra de sigilo dos celulares dos envolvidos e acesso às conversas de Whatsapp.

EQUIPES TINHAM ‘CAPITÃES’

Para compreender a engenharia que culminou no assassinato de Clodiode Aquileu Rodrigues de Souza, da etnia Guarani Kaiowá, é preciso voltar ao dia 29 de maio de 2016, quando foi criado no Whatsapp um grupo de conversa chamado “Produtores do Cone Sul”. Nele fazendeiros, sindicalistas rurais e funcionários das fazendas se unem para fiscalizar a atuação indígena no Mato Grosso do Sul, trocando informações sobre possíveis retomadas.

“Bom dia a todos. Fomos informados por um índio morador da aldeia que haverá uma reunião no dia 2 de junho para dividir as equipes”, anuncia um dos participantes. “Cada uma delas coordenadas por um capitão. Está previsto aproximadamente 600 índios. A finalidade é a invasão de todas as fazendas vizinhas da aldeia”. Trata-se de Cleir Inácio de Mateus Pereira, na época gerente da fazenda Conchita-Cuê, depois supervisor de planejamento agronômico da Agrícola NovAmérica.

Em tom de alarme, Cleir faz avisos aos demais integrantes do grupo: “Os peões já estão tirando a mudança”. “Os tratores já foram retirados da fazenda”. Ele informa, então, que está “contratando segurança armada para a fazenda”. A Conchita-Cuê pertence a Roberto Diniz Junqueira, que não foi denunciado pelo MPF.

No dia 13 de junho de 2016, a Fazenda Yvu é ocupada por um grupo de Guarani Kaiowá. Ademir Bacchi, proprietário da Fazenda Nossa Senhora Aparecida, também em Caarapó, informa os demais membros do grupo no Whatsapp. Imediatamente, fazendeiros, funcionários e administradores das propriedades rurais começam a articular uma reunião na sede da Coamo.

O presidente do Sindicato Rural de Caarapó, Antônio Maram, passa a comandar as ações no grupo. “Vamos nos reunir e decidir o que será feito, estamos esperando o proprietário”, afirma. Bruno Chichorro de Oliveira, outro integrante da direção do sindicato, intima os demais membros: “Se decidirem por retirar, tem que ser dentro de 48 horas. Terei o maior prazer em organizar.”

Cleir Pereira volta a falar: “Cadê o pessoal do grupo? Vamos ajudar o amigo a reintegrar sua posse. Amanhã poderá ser sua propriedade”. Jaime Fernandes Costa, funcionário da fazenda Taquarassu, é mais explícito na convocação. “Precisamos largar o paletó, arregaçar as mangas e lutar por um dos bens mais preciosos que Deus nos deu, a nossa terra.” Evaldo Oliveira, funcionário da fazenda Cascavel, confirma a ação para o dia seguinte, data em que Clodiode foi assassinado. “Amanhã, às 9h, todos na fazenda Yvu.”

Em seguida, um integrante não identificado pelo MPF afirma: “Iremos comparecer, é dever de toda a população de bem colaborar com a estabilidade jurídica e proteção do direito de propriedade. É o básico de qualquer democracia”. Neste momento, Eduardo Yoshio Tomonaga, proprietário da fazenda Água Boa, marca um ponto de encontro com os demais integrantes do grupo, de onde deveriam sair para a área ocupada pelos indígenas. “Poderíamos nos encontrar na frente da Coamo, às 8h”, sugere o ruralista.

Por volta das 21 horas do dia 13 de junho, Bruno Chichorro envia um áudio ao grupo. “Eu já participei de algumas desocupações indígenas em Amambaí e eu vou falar uma coisa pra todos: só se resolve com atitude e tem que ser imediata, dentro das 48 horas… então, por favor, vamos se articular [sic] e fazer logo”.

Em seguida o dirigente do Sindicato Rural de Caarapó pede cautela com homicídios. “Claro que a gente tenta fazer pacificamente, não pode acontecer morte indígena, isso será ruim pra todos, mas tem que ser feito uma atitude concreta de retirada logo! É isso que vai resolver, não fiquem lendo muita coisa, porque se ler muita coisa vocês vão ficar com medo”.

FAZENDEIROS FORAM ATÉ SEDE DA PF

Na mesma noite, sempre de acordo com a denúncia do MPF, Nelson Buainain, acompanhado por Virgílio Mettifogo, segue até a sede da Polícia Federal em Dourados, no Mato Grosso do Sul. Lá, os fazendeiros conseguem o apoio de agentes federais, que acompanham a “ação de retomada” organizada pelos ruralistas.

No dia seguinte, um grupo de 70 pessoas, comandados por fazendeiros da região, reúne-se na sede da Coamo em Caarapó, onde combinam os termos do ataque. Outro grupo, menor, parte da sede do Sindicato Rural de Caarapó. Esses dois tiveram apoio de outros dois grupos, oriundos de Laguna Carapã e Amambaí, municípios próximos. Ao todo, 300 homens são liderados pelos produtores rural.

Segundo o MPF, foram utilizadas na operação 40 camionetes, três pás carregadeiras e uma quantidade não identificada de armas. Antes do comboio dos fazendeiros, quem se aproximou da área ocupada para falar com os indígenas foram os agentes da Polícia Federal e da Polícia Militar. Sem sucesso na negociação, os policiais voltam pela estrada e passam pelos veículos estacionados na beira da estrada, sem nada fazer.

Quando tomam ciência da intenção dos indígenas em manter a ocupação da área, os fazendeiros ordenam o ataque. Na entrada da Fazenda Yvu, um jagunço grita, do alto de uma pá carregadeira: “Eu vou enterrar vocês aqui”. A ação tem seu início.

ORDEM FOI OUVIDA: ‘MATA ESSE GORDO’

Dois meses depois, no dia de 18 de agosto de 2016, os fazendeiros Nelson Buainain Filho, Virgílio Mettifogo, Jesus Camacho, Dionei Guedin e Eduardo Yoshio Tomonaga foram presos após denúncia formulada pelo MPF. Para os procuradores, os produtores rurais articularam “para o fim de constituir, organizar e integrar milícia particular, grupo ou esquadrão, com a finalidade de praticar crimes contra indígenas, tal como homicídio, lesão corporal, constrangimento ilegal, dano qualificado, ou qualquer outro necessário à expulsão dos índios da área denominada Fazenda Yvu, pelo uso imoderado da força e à revelia dos poderes constituídos”.

Nelson Buainain Filho é o proprietário da Fazenda Yvu, onde ocorreram as agressões. A propriedade ocupada pelos indígenas foi adquirida em 1961 pelo seu sogro, Sylvio Mendes Amado, respeitado no estado por ter fundado a Federação da Agricultura e Pecuária do Mato Grosso do Sul (Famasul). De acordo com o MPF, Nelson Buainain usou de sua influência para acionar o Sindicato Rural de Caarapó e a Famasul. E ofereceu autorização para que o grupo de produtores rurais entrassem armados em sua propriedade, a fim de empreender violência contra os ocupantes.

Virgílio Mettifogo é proprietário da Fazenda Edurama, vizinha da Yvu. O MPF afirma que o fazendeiro permitiu que a retomada indígena fosse atacada a partir de sua propriedade. Em sua camionete, transportou homens encapuzados e armados. De acordo com testemunhas, Mettifogo estava armado com um revólver calibre 38 e atirou na direção dos indígenas. Ordenou a um jagunço que estava próximo de Clodiode: “Mata esse gordo, mata esse gordo”.

Jesus Camacho e Dionei Guedin são acusados de emprestarem suas pás carregadeiras para que a operação fosse realizada. Os veículos rurais foram utilizados para abrir espaço na mata, para que as camionetes com jagunços entrassem na propriedades e tivessem uma melhor posição para disparar contra os indígenas. Segundo o MPF, eles garantiram, portanto, “mobilidade à milícia”.

Eduardo Yoshio Tomonaga, de Laguna Caarapã, convidou outros fazendeiros da região para a emboscada. O MPF ainda localizou uma conversa do ruralista com um homem identificado apenas como Rodrigo Vargas sobre como agir em caso de “invasões”. O diálogo ocorreu duas semanas antes do episódio em Caarapó.

Após indagações de Tomonaga, Vargas faz recomendações: “Vocês podem ter calibre 12 registrado na Polícia Federal e usar munição de borracha. Como 12 não dá balística, vocês podem ter várias. Mas não sou eu que estou dizendo. Só tem um detalhe: Em hipótese alguma pode morrer alguém. Bater, pode bater à vontade. Se morrer, nunca mais terão paz na região. E é isso que ONG’s como o Cimi querem. Querem que haja conflito, e morra algum indígena. Serve como desculpa daí”.

Em outro trecho da conversa, Vargas recomenda que Tomonaga procure o Departamento de Operação de Fronteira (DOF), órgão de segurança vinculado à Secretaria de Justiça e Segurança Pública do Mato Grosso do Sul. Segundo o conselheiro, o DOF “está do lado dos produtores… Tentem que eles façam rondas de vez em quando”.

ACUSADOS CONTINUAM SOLTOS

No dia 25 de outubro de 2016, 47 dias após a prisão dos cinco fazendeiros, o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que todos fossem soltos. Em 27 de setembro de 2017, a Primeira Turma da Corte negou seguimento ao pedido de habeas corpus e determinou o encarceramento dos suspeitos pelo assassinato de Clodiode Aquileu Rodrigues de Souza. Em 27 de dezembro de 2017, os produtores rurais voltaram a ter a liberdade garantida e aguardam o julgamento em casa.

Em novembro de 2017, o MPF denunciou à Justiça Federal de Dourados (MS), por falso testemunho, sete funcionários da Coamo. À época de seus depoimentos, os trabalhadores da empresa afirmaram que não presenciaram movimentação alguma na manhã de 14 de junho de 2016 nas dependências da cooperativa. A investigação e outros depoimentos revelaram que eles cooperaram com os fazendeiros.

Velório de Clodiodi. Foto: Ana Mendes/Cimi

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

onze − 7 =