Acampamento da Resistência contra o despejo Centro de Formação Paulo Freire

Programação conta com assembleia, atos políticos, religiosos e culturais; veja como participar e contribuir

MST

Neste fim de semana (14), será montado um acampamento permanente em defesa do Centro de Formação Paulo Freire, localizado no Assentamento Normandia, na cidade de Caruaru, em Pernambuco.

O objetivo do acampamento é mostrar resistência diante da decisão de despejo solicitada pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), e aceito na última quinta (5) pelo juiz federal da 24ª Vara Federal de Caruaru, que determinou imediata reintegração de posse. 

O acampamento da resistência está sendo formado a partir da história de avanços e conquistas do espaço, em defesa da educação. A expectativa é que cerca de 2 mil pessoas do campo e da cidade estejam presentes de forma direta com o acampamento.

Os interessados em apoiar esta campanha poderão participar da programação, que terá atos políticos, religiosos e culturais nos dias 14 e 15 de setembro, ou também em doar valores e suprimentos.  Confira a carta de apoio:

Em Defesa do Centro de Formação Paulo Freire

Carta aos amigos e amigas do Centro de Formação Paulo Freire

A partir deste sábado, dia 14 de setembro vamos montar em frente ao Centro de formação no Assentamento Normandia um Acampamento Permanente de Resistência, contra o despejo e em defesa do Centro de Formação Paulo Freire e do Assentamento Normandia.

Situado no Assentamento Normandia em Caruaru (PE), o Centro de Formação Paulo Freire (CFPF) é um dos principais espaços de educação popular do Nordeste. Foi fundado há 20 anos com apoio do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (INCRA). Órgão que agora, sob administração do Governo Federal, quer a desocupação da área.

O Centro já realizou 38 turmas do Curso Técnico de Práticas em Agroecologia (Pé no Chão), onde foram formados mais de 1.500 assentadas(os) e acampadas(os) em produção de alimentos saudáveis. Serve de espaço de ensino e pesquisa para a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Universidade Estadual de Pernambuco (UPE), Instituto Federal de Pernambuco (IFPE), Fundação Osvaldo Cruz (FIOCRUZ), Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Unidade Acadêmica de Garanhuns (UAG) e Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA).

Fundado o Centro de Formação Paulo Freire em 1999, dentro da legalidade com apoio do INCRA em comum acordo, passamos a fazer a construção do Centro de Formação com apoio de outras organizações. Com as campanhas, passamos a construir os alojamentos, fizemos o auditório, fomos construindo parcerias com todas as entidades para termos hoje o espaço de formação constituído e disponível para os trabalhadores e trabalhadoras.

Durante esse processo de luta, ocorreram muitas mobilizações, com destaque a dez companheiros e companheiras acampados que estiveram onze dias em greve de fome, o que culminou com a desapropriação do Assentamento Normandia.

O Centro de Formação esclarece que, diferente do que afirma o INCRA, temos feito tudo dentro da legalidade em comum acordo. Ressaltamos os quatro anos de luta e resistência no processo que tornou o Centro de Formação símbolo da conquista dos trabalhadores e trabalhadoras. Conclamamos a todos os parceiros e parceiras que ao longo dessa trajetória tem contribuído para construção dessa nova sociedade a mais uma vez se somarem nessa luta em defesa do nosso Centro de Formação, instrumento fundamental para a formação popular.

Realizaremos a partir do dia 14 de setembro de 2019 um Grande Acampamento da Resistência, onde estaremos reunindo aproximadamente 2.000 (duas mil) pessoas do campo e da cidade. Certo das nossas vitórias, vamos construir juntos para celebrar nossas lutas e nossas conquistas.

O Acampamento será organizado por famílias acampadas e assentadas e por representantes de todas as organizações do campo e da cidade que desejam participar deste momento histórico de mobilização e resistência, podendo participar de forma permanente ou neste momento mais importante dos atos políticos, religiosos e culturais dos dias 14 e 15 ou a qualquer momento de acordo com a disponibilidade ou necessidade objetiva.

Da mesma forma convidamos todos e todas a nos ajudar a construir as condições de estrutura e logística (palco, som, barracas, circo, lonas, transporte, água, banheiros, material de higiene, alimentação, entre outras necessidades) para a construção do acampamento permanente da resistência.

A direção da associação do Centro de Formação e a direção do MST, através desta carta, convoca a todas e todos à apoiar o acampamento e disponibilizamos uma conta da associação do Centro de Formação Paulo Freire para apoio financeiro, podendo também apoiar diretamente com alimentação, material de higiene, água e outras formas.

PROGRAMAÇÃO PROVISÓRIA PARA OS DOIS PRIMEIROS DIAS DO ACAMPAMENTO

a) CHEGADA – Todos os grupos devem chegar pela manhã do sábado dia 14, tanto para a militância externa e para as regionais – montar acampamentos e montar espaços das cozinhas;

b) 14:00 – Atividades culturais (música e audiovisual) , reuniões e plenárias;

c) 16:00 – atividades interreligiosas;

d) 17:00 – Ato Político;

e) Noite: Mística, caminhada, shows com artistas amigos e vigília;

f) Domingo – atividades culturais e as 15 horas assembleia da resistência;

g) A partir de segunda-feira, todos os dias acontecerão assembleias, debates, oficinas, atividades políticas e culturais.


Contribuição para essa luta:


Financeiras:

Titular: Associação Centro de Capacitação Paulo Freire

CNPJ: 03.868.566/0001-28

Banco: Brasil

Agência: 0159-7

Conta Corrente: 28554-4


Demais Contribuições:

Acampamento da Resistência

Assentamento Normandia

Secretaria Estadual do MST (Rua Jader Figueiredo de Andrade e Silva, 155, Vassoural – Caruaru. Antiga 5ª Travessa do Vassoural)

Armazém do Campo Recife (Avenida Martins de Barros, 387, Bairro Santo Antônio)


O Centro de Formação Paulo Freire é Patrimônio Popular!

#DespejoNão!

#MSTCentrodeFormaçãoPauloFreireResisite!

***

Centro de formação do MST sofre ameaça de despejo na zona rural de Caruaru. Reintegração de posse foi pedida pelo Incra, Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. O terreno está há 20 anos sob gestão da Associação Comunitária do Centro de Capacitação Paulo Freire (ACCPF), um dos mais renomados centros de formação do campo de Pernambuco. A remoção foi determinada pelo juiz federal Tiago Antunes de Aguiar, da 24ª Vara Federal de Caruaru. A fazenda havia sido ocupada pelo MST em 1993, passando por um processo de resistência de remoções e reocupações. Em 1998, com a criação do assentamento Normandia, “a equipe técnica do Incra orientou que a sede fosse utilizada de forma coletiva para a capacitação e formação dos assentados do estado e, assim foi feito”, diz nota do MST.Saiba mais em video do Centro de Formação Paulo Freire – Assentamento Normandia (Caruaru-PE). #MST #Pernambuco #Caruaru #Liberdade #ReformaAgraria #Normandia

Publicado por Mídia Ninja em Terça-feira, 10 de setembro de 2019

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

oito + 9 =