Bacia do rio Doce sofre mais uma contaminação: rompe lagoa de dejetos e contamina o rio Casca em MG

No Mab

O rio Casca, afluente do rio Doce, foi atingido na noite de quinta-feira (30) pelo rompimento de lagoa de dejetos de uma granja de suínos. A provável fonte poluidora está localizada na zona rural do município de Urucânia, próximo ao município de Ponte Nova, em Minas Gerais. A lagoa recebe dejetos sem tratamento e tem volume estimado de 12 mil m3. Além do rio, foram atingidas casas de cinco famílias de uma comunidade próxima a lagoa e um córrego com percurso de 1,2km.

A contaminação foi identificada no município de rio Casca, mesmo nome do rio que banha o território. A polícia ambiental recolheu uma tonelada de peixes mortos e outros animais maiores, como capivaras.

O rio Casca é essencial para o abastecimento de várias cidades e para o sustento das famílias que dependem da atividade da pesca, para a irrigação e cultivo de alimentos e para o lazer, como a população ribeirinha que se relaciona com o rio como sendo a principal fonte da vida.

Esse crime demonstra mais uma vez a contaminação da bacia do rio Doce e mais uma vez expõe o sofrimento das populações que vivem do rio. Quatro anos e meio se passaram desde o rompimento da barragem de Fundão em Mariana, das mineradoras Vale, Samarco e BHP Billiton e o Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB insiste na luta e no reconhecimento dos direitos de quem vive do rio. 

É preciso investigar e confirmar a fonte da contaminação, entender a dimensão dos danos causados à biota e às populações atingidas ao longo do percurso do rio para que sejam feitas as medidas necessárias de reparação. Sobretudo, para que o crime não se repita.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

3 × três =