Tensões políticas levaram Brasil a fracassar no combate à covid-19, aponta relatório

Polêmicas sobre isolamento social e uso de medicamentos sem eficácia contra a doença causaram danos extensos e profundos no combate à pandemia

Por Júlio Bernardes, Jornal da USP

Brasil é um dos maiores fracassos no combate à covid-19, ao lado dos Estados Unidos. A conclusão está em um relatório elaborado por pesquisadores de 16 países e divulgado em janeiro, que analisou as respostas à pandemia em cada nação, levando em conta as relações entre saúde pública, política e economia. No Brasil, de acordo com o trabalho, as tensões políticas levaram a polêmicas sobre isolamento social e uso de medicamentos e causaram danos extensos e profundos no combate à doença e agora prejudicam o planejamento da vacinação. O projeto Comparative Covid Response: Crisis, Knowledge, Politics (CompCoRe), que realizou o estudo, teve a colaboração de pesquisadores da USP e da Universidade de Campinas (Unicamp), que prosseguem com as pesquisas sobre como as autoridades e a população percebem e lidam com a covid-19.

O projeto busca analisar as políticas, processos decisórios e respostas à pandemia de covid-19 em 16 países, incluindo o Brasil. “A ênfase é nos esforços nacionais empreendidos para identificar conhecimentos epidemiológicos e biomédicos, decisões relacionadas à saúde pública, gerenciamento das consequências econômicas da pandemia e apoio político para implementação das medidas necessárias”, conta a professora Gabriela Di Giulio, da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP, que integra a equipe do projeto.

O trabalho comparou os países com base no princípio de que a saúde pública, a economia e a política são sistemas interligados. “A equipe se valeu de uma matriz analítica, contendo um conjunto de variáveis a serem estudadas em cada país, mapeamento e análises das principais controvérsias observadas, e construção de uma linha do tempo a partir do que tem sido divulgado na mídia”, relata Gabriela. 

De acordo com Marko Monteiro, professor da Unicamp, que também participa do projeto, o relatório questiona a busca de receitas prontas que orientem a resposta à crise sanitária provocada pela covid-19.  “Não existem tais receitas, e ignorar os aspectos particulares de cada país ajuda no seu fracasso. Outra questão de destaque é a centralidade da política, disputas de poder e sobre significados, de indicadores, das respostas, do papel da ciência, etc., no entendimento do sucesso ou fracasso das respostas”, afirma.  “Assim como em alguns países houve maior consenso sobre medidas, o que ajudou na adesão da população e no consequente resultado positivo, houve contextos, como no Brasil e Estados Unidos, onde as disputas e desentendimentos, pela sua severidade e onipresença, são parte central da razão dos fracassos percebidos.”

Pensar que apenas a “boa ciência” por si convence populações ou autoridades sobre as melhores formas de agir não explica o funcionamento real dos países observados, nem funciona como orientação para a política pública, observa o professor da Unicamp. “Entender o papel da política é perceber que junto com a boa ciência é preciso atentar para as relações de poder e as disputas entre os envolvidos, a fim de negociar de forma mais robusta as políticas mais adequadas”, enfatiza. “Em muitos países, incluindo o Brasil, os desentendimentos se deram sobre todos os aspectos da doença, desde sua severidade, até os números de casos e mortes, chegando às formas de tratamento e mitigação dos problemas. Entender isso melhor é parte crucial do preparo para as próximas crises.”

Fracasso

No estudo, o Brasil foi apontado como um dos fracassos no combate à pandemia, ao lado dos Estados Unidos.

Segundo a professora da FSP, ao longo de 2020 e no início de 2021, ficou evidente a controvérsia pública a respeito das diferentes respostas à pandemia da covid-19 no País, envolvendo desde disputas entre isolamento “vertical” e “horizontal”, em torno do uso da hidroxicloroquina e ivermectina, e as tensões políticas que levaram o Brasil a trocar de ministro da Saúde por três vezes, causando danos extensos e profundos no combate à pandemia. “O que observamos agora, nessa segunda onda da pandemia, é o jogo político em torno das vacinas”, salienta. “Como discutimos em recente artigo assinado pela nossa equipe brasileira (https://www.4sonline.org/the-politics-of-covid-19-vaccines-in-brazil-seeing-through-the-lens-of-sts/), o espetáculo político da ‘guerra das vacinas’ expôs ainda mais a fragilidade do Brasil interna e externamente, colocando em risco a continuidade da vacinação em massa em todo o País.”

Um primeiro relatório com os principais resultados obtidos até o momento foi divulgado no evento global Schmidt Futures Forum, que ocorreu de forma on-line nos dias 12 e 13 de janeiro. “O relatório ganhou repercussão, inclusive, em uma matéria publicada pelo jornal The New York Times, nos Estados Unidos, que citou o projeto e os resultados que evidenciam a necessidade de analisar as condições preexistentes para entender as diferenças de resposta à pandemia observadas nos diversos países”, aponta Gabriela. “Os pesquisadores devem, em meados deste ano ainda, produzir e publicar um livro do projeto. A equipe brasileira atualmente realiza investigações sobre discursos e estratégias de comunicação de risco frente à pandemia, fatores que influenciam a percepção da doença junto à população e o papel da sustentabilidade para analisar crises e promover mudanças.”

O projeto CompCoRe é coordenado pelos pesquisadores Sheila Jasanoff (Harvard Kennedy School) e Stephen Hilgartner (Cornell University) e financiado pela National Science Foundation, agência governamental dos Estados Unidos que promove o progresso da ciência, e pelo Schmidt Futures, instituição privada que busca aproximar cientistas da política pública. 

O projeto conta com uma equipe de mais de 60 pesquisadores de 16 países (Austrália, Áustria, Brasil, China, França, Alemanha, Índia, Itália, Japão, Holanda, Singapura, Coreia do Sul, Suécia, Taiwan, Reino Unido e Estados Unidos) e contribuições de pesquisadores da Indonésia, Peru e África do Sul. 

No Brasil, além de Gabriela e Monteiro, participam do CompCoRe Alberto Urbinatti, pós-doc da Unicamp, Phillip Macnaghten, professor da Wageningen University, Ione Mendes e Felipe Reis Campos, doutorandos da FSP.

Enviada para Combate Racismo Ambiental por Sonia Rummert.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.