As Guerreiras da Floresta: coragem e luta das Guajajara

Há cinco anos um grupo de 32 mulheres atua na defesa da terra e na preservação da cultura na TI Caru, no Maranhão

por Erisvan Guajajara, em Amazônia Real / IHU On-Line

“A mata, para nós, é como se fosse a nossa vida. Protegemos como a nossa mãe. Dependemos dela para manter nossas tradições culturais”. Usando um cocar que caracteriza a história viva de um povo que resiste há 518 anos de violações de direitos, Marcilene Guajajara faz essa afirmação. Ela é a atual coordenadora da Coordenação das Organizações e Articulações dos Povos Indígenas do Maranhão (Coapima). Marcilene fala com clareza sobre a importância da defesa da terra para os povos indígenas, como parte das Guerreiras da Floresta, um grupo de mulheres que atua em defesa do meio ambiente na aldeia Maçaranduba, na Terra Indígena (TI) Caru, no estado do Maranhão.

(mais…)

Ler Mais

Amazônia está sendo transformada em Cerrado, diz Carlos Nobre

A grande mortalidade de espécies de árvores e o aumento da duração da estação seca na região, causados pelo desmatamento, queimadas e aquecimento global, sinalizam alterações irreversíveis

Na RBA

Há fortes suspeitas de que a Amazônia caminha a passos largos para deixar de ser a maior cobertura florestal do mundo e se transformar em bioma semelhante ao do Cerrado brasileiro ou à savana africana – o processo chamado de savanização. Os sinais, que preocupam cientistas, são a morte de espécies de árvores amazônicas e o aumento da duração da estação seca no Sul e no Sudeste da região. 

(mais…)

Ler Mais

Baixo Amazonas, um canto em que o Brasil ainda é colonial. Entrevista especial com Rogério Almeida

por Patricia Fachin, em IHU On-Line

Quando o Brasil ainda era um ponto visível apenas por embarcações fora de rota ou no destino de degredados, a exploração dessas terras já ocorria de uma forma muito sutil. Na medida em que se descobriu que o Brasil era muito mais do que uma ilha e que por aqui havia muito mais do que belos papagaios, o Estado português decidiu ocupar e colonizar estas terras. Era o século XVI, tempos de expansão territorial, de colonização e colonialismo, em que o local era tido como exótico e passível de expropriação. Quando se mergulha nos confins do norte do país, região do Baixo Amazonas, se percebe que, de lá para cá, pouca coisa mudou. O Brasil, embora agora Estado soberano, continua dizimando seus povos originários e espoliando a matéria-prima da terra em nome de um tal desenvolvimentismo, um novo nome para as ações colonizadoras. “A nossa condição colonial tem sido ratificada ao longo dos mais diversos processos econômicos e políticos que o país vivenciou”, destaca o professor Rogério Almeida, que conhece em detalhes a realidade dessa região.

(mais…)

Ler Mais

Conflitos fundiários no Acre podem voltar ao nível da década de 80

Território das conquistas obtidas a partir da vida e da morte de Chico Mendes está sob ameaça; líderes históricos do extrativismo avaliam os retrocessos de Bolsonaro e temem a volta da violência letal na região

Por Cristina Uchôa e Glauco Faria, em Xapuri (AC), em De Olho nos Ruralistas

No dia 15 de dezembro de 2018, o advogado Gomercindo Rodrigues compartilhava com algumas centenas de pessoas em Xapuri, a pouco mais de 200 quilômetros de Rio Branco, algumas de suas preocupações atuais:

(mais…)

Ler Mais

Pesquisadores usam torre na Amazônia para investigar relação da floresta com o clima global

por Maria Fernanda Ziegler, em Uatumã | Agência FAPESP

Para fazer ciência na Amazônia, além de enfrentar longos desafios logísticos, também é preciso subir degraus. Muitos deles. Quase 1,5 mil e, se possível, de uma só vez. O esforço vale a pena, pois tem levado a descobertas sobre o impacto tanto das mudanças climáticas na Amazônia quanto da floresta no clima de todo o planeta.

(mais…)

Ler Mais

Assim lutam os Guajajara, guardiões da floresta

Abandonado pelo Estado, sob assédio de madeireiros e pistoleiros, povo protege com a própria vida o que resta de selva amazônica no Maranhão

por Instituto Socioambiental

Desde maio, José Gomes Guajajara não pode deixar sua aldeia na Terra Indígena Araribóia, no Maranhão. É marcado para morrer pelos madeireiros da área, uma retaliação pelo trabalho de proteção territorial dos Agentes Indígenas Ambientais da Araribóia. José é um dos 120 agentes que circulam pela TI na busca por invasores, tentando manter de pé a única floresta que restou dessa zona do Maranhão. Uma função que cabe ao Estado e seus órgãos de fiscalização foi na prática assumida pelos próprios indígenas. A reação dos madeireiros tem sido violenta.

(mais…)

Ler Mais

Estudo denuncia epidemia de garimpos na Amazônia brasileira

Levantamento em seis países amazônicos identifica mais de 2.500 locais de mineração não regulamentada, 453 deles no BrasilMercúrio usado no garimpo do ouro contamina fauna e populações locais

por Deutsche Welle / IHU On-Line

Apesar de décadas de combate à mineração não regulamentada, a Amazônia ainda abriga mais de 2.500 garimpos ilegais, e quase um quinto deles está localizado no Brasil, aponta um mapa divulgado nesta segunda-feira (10/12) pela Rede Amazônica de Informação Socioambiental (Raisg).

(mais…)

Ler Mais

‘Amazônia é totalmente estratégica para nossa sobrevivência enquanto espécie’. Entrevista especial com Marcela Vecchione

por Vitor Necchi e Patricia Fachin, em IHU On-Line

Nos últimos 60 anos, as propostas de desenvolvimento para a Amazônia e os povos tradicionais que habitam a região, como indígenas, quilombolas e amazônidas, visam “integrar a região – e as várias ‘regiões’ dentro da Amazônia – ao país”, diz a pesquisadora Marcela Vecchione à IHU On-Line. No entanto, lamenta, “dificilmente há um debate sobre desenvolvimento de dentro da região para fora, com contribuições endógenas para o desenvolvimento nacional”. O desenvolvimento regional entendido como integração, argumenta, “produz mais periferização”. (mais…)

Ler Mais

Encontro de Formação reúne caciques e jovens indígenas de 26 aldeias da TI Apinajé/TO

O Encontro de Formação trouxe, ainda, a reflexão acerca da importância de fortalecer a união em defesa dos povos e da Amazônia

Cimi

Cerca de 70 indígenas, de 26 aldeias da Terra Indígena Apinajé/TO participaram, de 06 a 08 de novembro, na Aldeia Macaúba, do Encontro de Formação “Na defesa dos direitos indígenas e do Bem Viver: resistência e incidência política neste contexto de ameaças à democracia”. O evento foi realizado pelo Conselho Indigenista Missionário Regional Goiás/Tocantins (Cimi/Goto). (mais…)

Ler Mais