Jurados pela polícia e pelo tráfico

Em São Paulo, burocracia e atrasos em repasses de verbas deixam crianças e adolescentes ameaçados de morte sem proteção; em 2017, segundo a Defensoria Pública, 48% das ameaças vieram de policiais e 36% do crime organizado

por José Cícero da Silva, da Agência Pública

Diante dos Defensores Públicos da Vara da Infância e Juventude de São Paulo, Gorete afirma se sentir mal com a possibilidade de “perder” o filho, ameaçado por policiais militares em fevereiro. Ela pede que D., que deixou a Fundação Casa recentemente, seja atendido pelo Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte (PPCAAM), instituído em 2007 pelo governo federal. “Eles entraram na minha casa com o intuito de matar o meu filho. Não tinham nem a identificação na farda”, conta emocionada, ao relembrar o episódio. (mais…)

Ler Mais

MPF sedia ato denúncia por direitos e contra a violência no campo esta tarde

Atividade ocorre nesta terça-feira (23) e pretende construir compromissos para conter conflitos e retrocessos nas políticas agrárias

PFDC/MPF

Trabalhadores rurais, indígenas, quilombolas, defensores de direitos humanos, parlamentares e ativistas por justiça e paz no campo estarão reunidos esta terça-feira (23), às 14h, em um ato denúncia que pede direitos e o fim da violência no campo. (mais…)

Ler Mais

Estado omisso contribui para aumento da violência, afirmam entidades

Manifestação programada para amanhã (23), em Brasília, pretende denunciar processo de “desmonte” no atual governo

por Redação RBA

O Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) e entidades diversas realizam amanhã (23), a partir das 14h, um ato de denúncia que pretende chamar a atenção para a ameaça de perda de direitos e para o aumento da violência no campo. A manifestação será realizada no Memorial do Ministério Público Federal (MPF), em Brasília.  (mais…)

Ler Mais

Ato Denúncia: “Por direitos e contra a violência no campo”

No Cimi

Diante da intensificação da violência no campo, o Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH), em conjunto com organizações da sociedade civil e órgãos públicos de atuação em defesa dos direitos humanos, realiza no próximo dia 23 de maio (terça-feira), às 14h, no Memorial do Ministério Público Federal (MPF), em Brasília, o ATO DENÚNCIA “Por direitos e contra a violência no campo”. (mais…)

Ler Mais

O juvenicídio, a ilusão das facilidades e o falso projeto de futuro. Entrevista especial com Maurício Perondi

Patricia Fachin – IHU On-Line

Do mesmo modo que o termo feminicídio tem sido utilizado para classificar as mortes ocasionadas por questões de gênero, a palavra juvenicídio tem sido cunhada para explicitar os “assassinatos sistemáticos de pessoas jovens”, explica o pesquisador Maurício Perondi à IHU On-Line. Somente no Brasil, que é o país “com um dos mais altos índices de morte de jovens”, informa, houve um crescimento de “669,5% em duas décadas” de “homicídios por arma de fogo na população de 15 a 29 anos”. Os dados, avalia, “são assustadores, pois cerca de 25 mil jovens de 15 a 29 anos foram mortos no Brasil em 2014. Isso é o equivalente a quase 70 jovens mortos por dia”. (mais…)

Ler Mais

Coimbra: Seminário “Aonde nos leva tanta violência? Lutas e Resistências dos Povos Indígenas das Américas: Guarani Kaiowá e outras experiências”

No CES

Por todo o mundo os direitos territoriais, culturais, ambientais e sociais dos povos indígenas se encontram ameaçados pela violência, degradação dos ecossistemas dos quais dependem para sua sobrevivência, perdas territoriais, reassentamentos forçados, negação dos direitos à autodeterminação, à participação nos processos decisórios que afetam suas vidas, assassinatos de lideranças e até massacres. (mais…)

Ler Mais

Comandada por ruralistas, CPI da Funai criminaliza indígenas

CPI sugere a extinção da Funai e indicia mais de 100 pessoas, entre antropólogos, indígenas, religiosos e procuradores da República.

Por PT na Câmara, no Nossa Política

O relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Funai e Incra 2, que sugere a extinção da Funai e indicia mais de 100 pessoas, entre antropólogos, indígenas, religiosos e procuradores da República, deve ser votado nesta terça-feira (16).  Comandada por ruralistas, a comissão não indiciou um único fazendeiro. (mais…)

Ler Mais