Em livro lançado na França, Jacques Rancière faz diagnóstico preciso da atualidade

No IHU

“O raciocínio desmascara a retórica dos que proclamam as vantagens do neoliberalismo como remédio contra a corrupção (como se não tivessem o exemplo recente de uma crise mundial provocada pela voracidade de bancos e mercados desregulados), quando no fundo apenas combatem a igualdade. Não é o Estado, mas o Estado de direito que mais os incomoda”, escreve Bernardo de Carvalho, romancista, em artigo publicado por Folha de S. Paulo, 03-09-2017. Eis o artigo: (mais…)

Ler Mais

‘Práticas fascistas são fundamentais para manutenção do modelo capitalista’

Para o juiz e doutor em Direito Rubens Casara, elementos do fascismo contribuem para formar um pensamento homogêneo que elimina a diferença, só admitida “se puder ser transformada em mercadoria”

por Glauco Faria, para a RBA

São Paulo – Um Estado que retoma o ideário neoliberal e fortalece seu poder repressivo para conter parte da população “indesejável”. Esse é o modelo que caracterizaria a “pós-democracia”, conceito utilizado pelo juiz do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro e doutor em Direito Rubens Casara. (mais…)

Ler Mais

A subordinação da esquerda brasileira ao neoliberalismo e o abandono da Teoria da Dependência. Entrevista especial com Carlos Eduardo Martins

Patricia Fachin – IHU On-Line

Com origem nos anos 1960, as “Teorias da Dependência surgiram como crítica às teses nacionais-desenvolvimentistas que apontavam que, com a industrialização, Brasil e América Latina superariam seus problemas de subdesenvolvimento, desemprego, instabilidade política e falta de autonomia, criando formações sociais com soberania tecnológica, consumo de massas, predomínio das camadas médias e estabilidade política democrática”, resume o sociólogo Carlos Eduardo Martins à IHU On-Line, na entrevista a seguir, concedida por e-mail. (mais…)

Ler Mais

Neoliberalismo: a “grande ideia” que engoliu o mundo

A palavra se tornou uma arma retórica, mas ela nomeia adequadamente a ideologia de nossa era – uma ideologia que venera o mercado e afasta as coisas que nos torna humanos

Por Stephan Metcalf – Voyager

No verão passado, pesquisadores do FMI chegaram ao consenso de uma longa e amarga contenda e debate sobre o “neoliberalismo”: eles admitiram que ele existe. Três economistas sênior do FMI, uma organização não conhecida por seus descuidos, publicou um artigo questionando os benefícios do neoliberalismo. Ao fazê-lo, eles colocaram por terra que a palavra não era nada mais que uma gíria política ou um termo sem nenhum peso analítico. O estudo, gentilmente, acusou uma “agenda neoliberal” de estar desregulando economias ao redor do mundo, por forçar a abertura de mercados nacionais para negócios e capital e por obrigar que governos se encolham através de pacotes de austeridade ou privatizações. Os autores citaram evidências estatísticas da disseminação das políticas neoliberais desde os anos 1980 e sua correlação com o crescimento anêmico, ciclos de boom-and-bust [crescimento rápido, seguido de graves crises ou crash] e desigualdade. (mais…)

Ler Mais

Boaventura: a esquerda sem imaginação

Por não ousar novas formas de Democracia, Estado e Economia; e por não enfrentar articuladamente as três faces da dominação, ela tem sido incapaz de deter a ofensiva brutal do sistema

Por Boaventura de Sousa Santos – Outras Palavras

A dominação social, política e cultural é sempre o resultado de uma distribuição desigual do poder, nos termos da qual quem não tem poder ou tem menos poder vê as suas expectativas de vida limitadas ou destruídas por quem tem mais poder. Tal limitação ou destruição manifesta-se de várias formas, da discriminação à exclusão, da marginalização à liquidação física, psíquica ou cultural, da demonização à invisibilização. Todas esta formas podem-se reduzir a uma só – opressão. Quanto mais desigual é a distribuição do poder, maior é a opressão. (mais…)

Ler Mais

Somos todos Espártaco

Um livro recente revela: globalização tornou a riqueza e o poder tão concentrados como nos tempos de Roma antiga. Mas há gente — inclusive entre a esquerda — empenhada em dizer que o problema são os “populismos”

Por Nuno Ramos de Almeida* – Outras Palavras

No ano 73 antes do nascimento de Cristo, e 106 anos antes da sua crucificação, o gladiador Espártaco liderou uma revolta de escravos que fez tremer Roma. Quase um terço da população da bota italiana era constituída por escravos. A insurreição aguentou dois anos e foi afogada num banho de sangue pelas tropas dirigidas pelo cônsul romano Marco Licínio Crasso. Foram crucificados seis mil escravos para servirem de exemplo de que qualquer veleidade de liberdade seria esmagada com sangue. (mais…)

Ler Mais

O combate às desigualdades exige um novo pacto capaz de atualizar os princípios que deram origem ao Estado de bem-estar social. Entrevista especial com Tatiana Roque

Patricia Fachin – IHU On-Line

A crise da esquerda é “ainda mais profunda” do que os diagnósticos que estão sendo feitos até o momento, porque eles pressupõem a existência de um “projeto de esquerda antenado com a nossa época, logo capaz de disputar a sociedade”. Entretanto, esse projeto “não existe”, constata Tatiana Roque à IHU On-Line, na entrevista a seguir, concedida por e-mail. (mais…)

Ler Mais

Esfera de influência: como os libertários americanos estão reinventando a política latino-americana

Por Lee Fanga, na The Intercept Brasil

Para Alejandro Chafuen, a reunião desta primavera no Brick Hotel, em Buenos Aires, foi tanto uma volta para casa quanto uma volta olímpica. Chafuen, um esguio argentino-americano, passou a vida adulta se dedicando a combater os movimentos sociais e governos de esquerda das Américas do Sul e Central, substituindo-os por uma versão pró-empresariado do libertarianismo. (mais…)

Ler Mais

“A alternativa ao neoliberalismo é… romper com o neoliberalismo!” Entrevista especial com Marcelo Carcanholo

Patricia Fachin – IHU On-Line

Quando o assunto é a discussão de qual seria o melhor modelo de desenvolvimento econômico para o Brasil e qual corrente teórica poderia servir de base para pensar o futuro econômico e social do país, “é preciso dizer que existe muita confusão nessas clivagens que, pretensamente, dividem o pensamento econômico”, especialmente em relação ao que se entende por pensamento ortodoxo e heterodoxo, adverte o economista e presidente da Sociedade Brasileira de Economia Política, Marcelo Carcanholo, à IHU On-Line, na entrevista a seguir, concedida por e-mail. (mais…)

Ler Mais

Boaventura: Em defesa da Venezuela

Chavismo cometeu graves erros e precisa revê-los. Uma saída negociada seria possível. Mas o país está conflagrado pela ação dos EUA – como no Iraque, na Líbia e no Brasil…

Por Boaventura de Sousa Santos, no Outras Palavras

A Venezuela vive um dos momentos mais críticos da sua história. Acompanho crítica e solidariamente a revolução bolivariana desde o início. As conquistas sociais das últimas duas décadas são indiscutíveis. Para o provar basta consultar o relatório da ONU de 2016 sobre a evolução do índice de desenvolvimento humano. Diz o relatório: “O índice de desenvolvimento humano (IDH) da Venezuela em 2015 foi de 0,767 – o que colocou o país na categoria de elevado desenvolvimento humano –posicionando-o em 71º de entre 188 países e territórios. Tal classificação é partilhada com a Turquia. De 1990 a 2015, o IDH da Venezuela aumentou de 0,634 para 0,767, um aumento de 20,9%. Entre 1990 e 2015, a esperança de vida ao nascer subiu 4,6 anos, o período médio de escolaridade aumentou 4,8 anos e os anos de escolaridade média geral aumentaram 3,8 anos. O rendimento nacional bruto (RNB) per capita aumentou cerca de 5,4% entre 1990 e 2015. De notar, que estes progressos foram obtidos em democracia, apenas momentaneamente interrompida pela tentativa de golpe de Estado em 2002 protagonizada pela oposição com o apoio ativo dos EUA. (mais…)

Ler Mais