Comissão Pastoral da Terra (CPT) publica Atlas de Conflitos na Amazônia Legal

 Assessorias de Comunicação CPT, no Cimi

Na próxima quinta-feira (28), às 14 horas, no Centro Cultural Missionário, em Brasília (DF), a Comissão Pastoral da Terra (CPT), com o apoio da Comissão Episcopal para a Amazônia da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e da Rede Eclesial Pan-Amazônica (REPAM), lançará o “Atlas de Conflitos na Amazônia”. O material tem enfoque no mapeamento, por municípios, dos locais onde existem conflitos no campo na Amazônia Legal. A maior disputa pela terra e os grandes números de pessoas violentadas, atualmente, encontra-se nessa região. (mais…)

Ler Mais

Kuñangue Aty Guasu: encontro de rezas, forças e sonhos para o presente e futuro

por Lídia Farias de Oliveira, do Regional Cimi MS

A Kunhaguê Aty Guasu (Assembleia das mulheres) Guarani e Kaiowá teve início na noite do dia 18 de setembro no tekoha Kurusu Ambá, em Coronel Sapucaia (MS), com uma forte reza tradicional das mulheres Guarani e Kaiowá. Mais de 200 tons de vozes femininos eram ouvidos naquele momento, além do som dos mbaracas e takapu’s que entoavam os rituais religiosos na abertura deste importante espaço de reencontro, rezas, conversas, sonhos e expectativas. (mais…)

Ler Mais

Por que governos da América Latina são ditaduras e o quarto mandato de Merkel não?

Para Paola Estrada, as concepções de que governos latino-americanos são ditaduras é fruto dos interesses financeiros

José Eduardo Bernardes, Brasil de Fato

Ao contrário do tratamento dado para alguns governos latino-americanos, o quarto mandato da chanceler, Angela Merkel, não levantou questionamentos de críticos e veículos da imprensa acerca da existência de uma “ditadura” na Alemanha. (mais…)

Ler Mais

Encontro de povos do cerrado reforça diversidade de bioma ameaçado

Evento será realizado Balsas, na cidade-sede do agronegócio no Maranhão; entidades organizam uma romaria

Rute Pina, Brasil de Fato

Quilombolas, sertanejos, indígenas, quebradeiras de coco, camponeses, extrativistas, ribeirinhos, pescadores, brejeiros, raizeiros. O Encontro dos Povos e Comunidades do Cerrado vai reunir, do dia 27 a 30 de setembro, toda a diversidade das populações do cerrado na cidade de Balsas, interior do estado do Maranhão. (mais…)

Ler Mais

Brasil, a Capital Mundial de assassinatos LGBT, e o lugar do Rio nos dados

No RioOnWatch

O mundo ficou chocado no início deste ano quando um vídeo se espalhou rapidamente sobre Dandara dos Santos, uma mulher transexual do estado do Ceará no Nordeste, sendo torturada e finalmente morta em Fortaleza, a capital do estado. Muitas fontes internacionais de notícias publicaram a história, chocados com o enorme desprezo à vida demonstrado neste vídeo horrível. Para muitos brasileiros, no entanto, o vídeo não causou surpresa. Durante muitos anos, o Brasil tem mantido o recorde mundial de assassinatos de LGBT baseados no ódio com 343 registrados em 2016 resultando na estatística de uma pessoa LGBT sendo morta em cerca de cada 25 horas. (mais…)

Ler Mais

Construção de políticas públicas efetivas de combate à desigualdade tem que ser a agenda do Brasil. Entrevista especial com Fábio Castro

Por Patricia Fachin, no IHU

Os dados de que as desigualdades sociais no Brasil não diminuíram ao longo dos últimos 15 anos, conforme demonstra a pesquisa realizada pelo economista Marc Morgan, do Instituto World, Wealth & Income Database, que é codirigido pelo economista Thomas Piketty, reforçam as análises feitas pelos pesquisadores brasileiros que usam as informações do Imposto de Renda para calcular os índices de desigualdade no país, diz Fábio Castro à IHU On-Line. Segundo o pesquisador, as pesquisas mais recentes sobre o tema concluem que “a concentração de renda entre os mais ricos é, de acordo com os dados tributários, substancialmente maior do que a estimada pelos levantamentos domiciliares, sem que tenha havido tendência de queda nos últimos anos”. (mais…)

Ler Mais

Renca: Após pressão, Governo volta atrás e revoga polêmico decreto que ameaça reservas da Amazônia

Governo volta atrás na proposta de abrir a região, entre Pará e Amapá, para exploração de mineradoras. Alta de desmatamento na floresta amazônica era consequência inexorável

Por Carla Jímenez, El País Brasil

O presidente Michel Temer bem que tentou abrir a Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca), na floresta amazônica, para a exploração das mineradoras a toque de caixa. Mas, a reação de ambientalistas e da comunidade internacional foi tão grande que ele precisou voltar atrás, pelo menos por enquanto. Nesta segunda, o Governo anunciou a extinção total do decreto que previa a abertura da Renca, situada entre os Estados do Pará e Amapá, para a entrada de empresas de mineração que cobiçavam ouro, cobre e outros tesouros na região, que alcança o tamanho da Dinamarca. A decisão foi publicada no Diário Oficial, como apurou o repórter Afonso Benites, em Brasília. (mais…)

Ler Mais

Estudo revela que leito do Rio São Francisco recebe 23 milhões de toneladas de sedimentos por ano

Na prática, é como se a cada ano um milhão de carretas de detritos fossem lançadas na água

Por Luiz Ribeiro e Renan Damasceno, em O Estado de Minas

São Francisco, Pedras de Maria da Cruz, Januária, Bonito de Minas, Manga, Matias Cardoso e Jaíba – Dois mil e novecentos quilômetros de leito em uma bacia hidrográfica que irriga uma área quase igual à da França, abastecendo perto de 13 milhões de pessoas. Os números superlativos do Rio São Francisco combinam com seu passado de fartura. Época em que por suas águas circulavam grandes vapores, apitando enquanto rasgavam a correnteza levando mercadorias e pessoas. Com o tempo, o leito foi minguando, sendo sugado de um lado, aterrado de outro, poluído por todos. Tanto que a história do chamado Rio da Integração Nacional desaguou a um ponto em que, hoje, até a passagem de pequenas canoas é difícil em certos trechos.  (mais…)

Ler Mais

Para onde vão as riquezas dos diamantes de Nordestina?

Por Maria Aparecida de Jesus Silva, no Justificando

As riquezas da exploração mineral no município de Nordestina, Bahia, certamente não chegam às comunidades quilombolas do entorno da mina. O que se vê nessas comunidades são situações de pobreza extrema e negligência do Estado em garantir melhores condições de vida para mais de 300 famílias que há séculos vivem na região. (mais…)

Ler Mais