Programa de Arqueologia e Antropologia da Ufopa forma mais dois alunos indígenas

Rosa Rodrigues, Ufopa

Um dia para ficar na história da Universidade Federal do Oeste do Pará. Na última sexta-feira, 27 de outubro de 2017, a Ufopa formou mais dois alunos indígenas do Programa de Arqueologia e Antropologia (PAA). Em cerimônia de gabinete no Instituto de Ciências da Sociedade (ICS), foi outorgado grau a João Tapajós como o primeiro antropólogo dos povos do Baixo Tapajós, e a Jaime Wai Wai como o primeiro arqueólogo indígena da Ufopa e do Brasil, o que coloca a Universidade em uma posição de destaque no cenário nacional.

Em todo o Brasil, são 14 universidades que oferecem o curso de arqueologia. Dessas, a Ufopa é uma das poucas que oferecem processo seletivo específico para indígenas, com uma opção pluriétnica em seu projeto de ensino, pesquisa e extensão.

Durante a cerimônia, Jaime Wai Wai disse que não representa somente seu povo, mas todos os indígenas do Brasil. Emocionado, destacou a importância de ser representante dos povos indígenas com formação na Universidade. Para Jaime, a história tem uma versão contada pelos brancos e é necessário que haja uma versão a partir dos indígenas, que também podem interpretar os mitos, a cultura e a identidade do povo brasileiro, e por isso é importante eles estarem inseridos nas pesquisas arqueológicas.

A reitora da Ufopa, Raimunda Monteiro, enfatizou que a Universidade está graduando indígenas em áreas diversas e em profissões nas quais eles têm baixa inserção no país. “Estamos formando antropólogos, arqueólogos, bacharéis em Direito, em Agronomia, em Engenharia Florestal, futuramente em Ciências Atmosféricas, porque nós temos uma cota em todos os cursos da universidade”, destacou a reitora, reforçando que todos os indígenas que tenham interesse em fazer o ensino superior têm espaços em todos os cursos da Ufopa.

A política de acesso dos indígenas à universidade é um diferencial da Ufopa, que abre espaço para que eles possam atuar em diversas frentes de atividades na sociedade. Para Raimunda Monteiro, “com a formação de Jaime Wai Wai em Arqueologia, e de João Tapajós em Antropologia, teremos uma incidência intelectual desses egressos da Ufopa em áreas que são da maior importância para a Amazônia e para o país”.

Imagem: Jaime fez o juramento em língua indígena. Foto: Talita Baena.

Enviada para Combate Racismo Ambiental por Elen Pessôa.

 

Comments (1)

  1. Fico muito feliz em saber que Jaime Wai Wai se formou em Arqueologia.
    Realizações Jaime! Muitas pesquisas e projetos, em geral, e junto ao seu povo!
    Alenice Baeta
    Arqueóloga

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

5 × 1 =