Memória do massacre de Carajás é o motor da luta camponesa, afirmou Stédile

Representantes do MST e outras lideranças relembraram massacre em ato. Crime ainda está impune

Cristiane Sampaio, Brasil de Fato

Nesta terça-feira (17), os 22 anos do Massacre de Eldorado dos Carajás, no Pará, foram lembrados em clima de luto e luta por trabalhadores reunidos durante ato em Brasília, no Acampamento Lula Livre.

O dirigente João Pedro Stédile, do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST), destacou a importância da preservação da memória do episódio como motor da luta camponesa.

Ele disse que a data é reveladora das problemáticas do país no que se refere às desigualdades. “A história do Brasil está vinculada ao 17 de abril”, completou.

A chacina, ocorrida em 17 de abril de 1996, terminou com um saldo de 22 mortos e 69 feridos e é considerada um marco na batalha pela democratização da terra. Além da intensa repercussão nacional, o massacre ganhou projeção global e a data foi batizada de Dia Internacional da Luta Camponesa.

“Nesse dia, todos os camponeses do mundo param pra fazer uma homenagem, pra fazer o que nós estamos fazendo aqui: relembrar a memória da nossa história, porque quem não conhece a história nunca vai planejar o futuro”, bradou o dirigente.

Stédile e os outros militantes que participaram do ato reforçaram a importância da luta camponesa para a conquista de direitos por parte da classe trabalhadora. O secretário-executivo da Comissão Brasileira Justiça e Paz, Carlos Moura, celebrou a importância das ocupações de terra ao longo da história.

“Se queremos vencer, precisamos agora ocupar as ruas”, completou, abordando a importância da mobilização das massas no atual contexto de avanço neoliberal e deterioração de direitos.

Seguindo a mesma linha de raciocínio e debatendo o futuro, o deputado federal Edmilson Rodrigues (Psol-PA), disse que a luta agrária é fundamental para o avanço e a consolidação das conquistas populares.

“A história da humanidade caminha pra esse futuro sonhado pelo MST, que é o futuro em que a luta deve se expressar na perspectiva antilatifundiária, anticapitalista, antimonopolista e profundamente comprometida com a democracia”, acrescentou o parlamentar.

Para o deputado federal João Daniel (PT-SE), que tem longa trajetória no MST, a chacina de Eldorado dos Carajás contribui fortemente para a resistência diante da onda conservadora e da criminalização das forças populares. Ele destacou a ligação do tema com a prisão política do ex-presidente Lula (PT) e defendeu a continuidade das mobilizações.

“Não temos outra alternativa que não seja continuar a luta pela democratização da terra, pelo fim da impunidade no Brasil, pela libertação imediata do ex-presidente Lula e pela construção de um projeto popular que seja pra todos os brasileiros e brasileiras”, destacou.

Em memória do Massacre de Eldorado dos Carajás, os cerca de 500 militantes do Acampamento Lula Livre vão realizar, na tarde desta terça-feira (17), um protesto em frente à sede do Supremo Tribunal Federal (STF), na Praça dos Três Poderes.

Edição: Juca Guimarães.

Imagem: João Pedro Stédile (MST) fala para militantes do movimento durante ato em memória do massacre, em Brasília / Alessandro Dantas/PT no Senado

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

quatro × cinco =